Um ano sem Mário Lanznaster

*Autores: NEIVOR CANTON e MARCOS ANTÔNIO ZORDAN

Presidente e vice-presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos

Há um ano, em 18 de outubro de 2020, desaparecia o líder cooperativista Mário Lanznaster depois de quase 50 anos dedicados ao cooperativismo catarinense.

Nasceu no Vale do Itajaí, graduou-se na capital do Rio Grande do Sul, mas exerceu todas as suas habilidades profissionais e de liderança no oeste de Santa Catarina. Mário superou as dificuldades de uma infância de privações, obteve formação universitária com muito esforço e dedicou-se a vida inteira pelo que mais amava fazer: trabalhar. Encontrou no cooperativismo o campo fértil para derramar todo seu talento e seu arrojo como empresário rural, engenheiro agrônomo, gestor e estrategista.

O caminho inexorável da história revelará oportunamente, em toda a sua grandiosidade, a importância do papel de Lanznaster na modernização da agricultura, da pecuária e da agroindústria de processamento de grãos, leite e carne no sul do Brasil. Em 1968 iniciou como extensionista rural da extinta Acaresc (atual Epagri), um arrojado processo de modernização da arcaica suinocultura que se praticava na região. Seu trabalho destacou-se de tal forma que em 1974 aceitou exercer o cargo de assessor técnico da Cooperativa Central Oeste Catarinense (hoje, Cooperativa Central Aurora Alimentos).

Nunca mais se afastou do cooperativismo. Nesse episódio extremamente importante do desenvolvimento econômico barriga-verde, a trajetória de Lanznaster cruzou com a do inesquecível e emblemático precursor do cooperativismo Aury Luiz Bodanese. Ambos atuaram para erigir dois colossos do cooperativismo brasileiro: a Cooperalfa (uma das maiores cooperativas brasileiras do ramo agropecuário) e a Aurora Alimentos (a segunda maior cooperativa central do País e terceiro conglomerado da indústria da proteína animal).

Ao lado de Bodanese, Mário realizou um grande sonho e ajudou a construir um moderno parque agroindustrial para processamento das matérias-primas vindas do campo – missão que coube à Aurora. Esse fenômeno foi vital para a independência dos produtores rurais, sem dúvidas a maior conquista obtida pelo cooperativismo, pois os produtores deixaram de ser simples fornecedores de insumos e matérias-primas para liderar as longas cadeias produtivas ancoradas no multifacetado agronegócio verde-amarelo.

Uma característica que tornava singular a presidência de Lanznaster era a privilegiada condição de dominar profundo conhecimento sobre duas etapas essenciais da moderna agroindústria: a produção à campo e o processamento na indústria. Em decorrência da experiência, da prática e do estudo, ele conjugava esses dois imensos e complexos universos que envolvem sanidade, genética, manejo, equipamento, aditivos, embalagens e milhares de fatores que compõem a produção de alimentos seguros e de alta qualidade.

A valorização do trabalho, o amor à família, o apego à terra, a permanente busca da atualização científica e tecnológica, a oportunidade que sempre ofereceu aos jovens no campo e na indústria e a importância que dedicava aos colaboradores e cooperados revelam em Lanznaster uma liderança atual e sintonizada com os novos e desafiadores tempos. Aos 80 anos de vida, quando a Mãe Terra o chamou para descansar, Lanznaster ainda vivia, em toda a sua plenitude, o vigor espiritual e intelectual para novos, contemporâneos e necessários planos e projetos – para a Aurora, para a comunidade e para a região.

Continuar a obra de Bodanese e Lanznaster e dar cada vez mais eficiência e prosperidade ao cooperativismo em favor de milhares de famílias do campo e da cidade será a melhor forma de honrar sua memória e seus feitos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista-ferraz

A Ferraz é uma empresa familiar 100% nacional e que iniciou suas atividades no ano de 1970. Em seguida, começaram a fabricar pequenas fábricas de rações farelada para granjas de aves de postura e também suínos. Atualmente, fornecem plantas completas tanto para produção de rações fareladas, extrusadas de 400 Kg a 16 toneladas por hora, peletizadas de 400 Kg a 30 toneladas por hora.

Revista-ricardo

Ricardo Santin, afirma: “Produção nacional de carne de frango pode alcançar entre 14,100 e 14,300 milhões de toneladas neste ano, elevação de 3,5% em relação a 2020. No recorte das exportações, a ampliação do volume embarcado é ainda mais evidente: até 10%. Consumo per capita será de 46 quilos de carne de frango”.

revista-qima

QIMA/WQS foi fundada em 1993, oferecendo soluções para a indústria de alimentos do campo à mesa por meio de certificações reconhecidas pela GFSI (BRCGS, GLOBALG.AP, SQF, IFS), segurança de alimentos, auditorias éticas, selos de qualidade, inspeções, treinamento e gestão da cadeia de fornecimento. Atualmente com sede em Charlotte, Carolina do Norte, com filiais no Brasil e México, fornecem serviços em todo o mundo.

revista-pluma

A Pluma Agroavícola sempre se destacou no mercado pela evolução e crescimento acima da média. Hoje, com 22 anos de fundação, a empresa atua em oito estados do Brasil, sendo Paraná (com sua sede em Cascavel), Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco e Distrito Federal. Em 1999, quando a empresa foi fundada, eram apenas cinco funcionários; hoje, são mais de 2.300 colaboradores.

revista-cida

Duas datas muito importantes foram comemoradas nos meses de setembro e outubro ambas com forte relação com os segmentos de avicultura e suinocultura: O Dia Internacional da Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimentos (29/09) e o Dia Mundial da Alimentação (16/10) o qual faz alusão também a data de criação da Organização da Nações Unidas para alimentação e agricultura (FAO). Os setores avícola e suinícola conferem grande contribuição aos temas e trazem grandes benefícios a bem-estar população global e do planeta.

Revista-leandro

Sob a liderança da Ministra Tereza Cristina, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem trabalhado comprometido com a agenda de abertura, manutenção e ampliação de mercados para os produtos do agronegócio brasileiro. Como resultado abrimos desde janeiro de 2019 até o presente momento, 178 mercados para diferentes tipos de produtos.

revista-edicao-salmonelas

Alberto Back e Vânia Bernardes, do MercoLab Laboratórios LTDA, Cascavel PR publicam artigo na edição de dezembro da Revista do AviSite, em que afirmam que grande desafio atual é o controle das salmonelas paratíficas, que representam os outros quase 300 sorotipos que podem infectar as aves, além da Gallinarum e Pullorum. “
“Controle das salmonelas paratíficas exige conhecimento, ação integrada na cadeia, monitoramento, uso de produtos anti-salmonela (ácidos, probióticos, prebióticos, extratos vegetais…), uso de vacinas, cuidados de ambiência, manejo e biosseguridade”, afirmam.

Capturar-8

Quem se dedicou à tarefa de analisar os balanços das duas principais empresas do setor no segundo trimestre de 2021 deve ter notado que, embora fortes concorrentes entre si, ambas apresentaram pelo menos um argumento em comum para justificar os fracos resultados do período: o encarecimento do custo de produção naquele que, provavelmente, é o momento mais difícil e desafiante da economia e do consumidor brasileiro. Página 62.

Open chat
Cadastre-se para receber os Informativos