quinta-feira, 7 de julho de 2022

Simpósio FACTA de vacinas autógenas em saúde animal aborda melhorias no aspecto sanitário para a avicultura

Evento será realizado de forma totalmente on-line no próximo dia 15 de Setembro e promoverá uma troca de informações sobre as auto vacinas e como a avicultura pode se beneficiar delas

A FACTA promoverá de forma on-line no dia 15 de Setembro o Simpósio FACTA de vacinas autógenas em saúde animal.  As vacinas autógenas, as chamadas ‘auto vacinas’, são produzidas com antígenos inativados, sem risco algum de disseminar qualquer tipo de patógeno ao plantel.

O Coordenador do Simpósio FACTA de vacinas autógenas Paulo Martins explica que na Europa elas já são amplamente usadas há pelo menos quarenta anos. “No Brasil elas já são utilizadas em suínos e em peixes, mais especificamente na produção de tilápias, porém, em avicultura ainda não”, relata. “Este é um dos motivos pelo qual este evento vai traçar um paralelo junto aos sistemas de produção destas duas outras espécies, promover uma ampla troca de informações, entender melhor como as auto vacinas funcionam e como a avicultura pode se beneficiar”, aponta.

Ele destaca também que essa tendência vem ao encontro da redução do uso de antimicrobianos de forma profilática, pois já é grande a pressão dos organismos internacionais e dos consumidores neste sentido. “Vamos trazer representantes do Ministério da Agricultura, inclusive para falar sobre a legislação atual para produção, comercialização e aplicação de vacinas autógenas e também para ouvir sugestões dos participantes”, diz.  “As palestras também abordarão temas ligados ao desenvolvimento da imunidade: como as vacinas autógenas estimulam o sistema imunológico, quais mecanismos celulares são ativados e qual a importância da transferência de anticorpos à progênie”, aponta.

Segundo Paulo Martins o Brasil é sempre muito ‘vigiado’ sanitariamente por sua grande participação no mercado internacional de proteína animal. “Daí vem a nossa ‘excelência’ em produção avícola. Para exportar para a Europa e Japão, por exemplo, seguimos um nível de exigência muito grande, o que somente confirma nosso status sanitário”, destaca.

Vacinas comerciais x vacinas autógenas

Martins informa que os adenovírus compõem um grande grupo viral de taxonomia complexa. “No Brasil desde os anos 80, conhecemos uma enfermidade conhecida como EDS, para a qual existem vacinas comerciais inativadas, muito eficientes. Nos países do Pacífico outros tipos de adenovírus produzem patologias distintas como Síndrome de Hidropericárdio e, mais recentemente, Erosão Viral de Moela. Vacinas inativadas comerciais e autógenas são utilizadas nas reprodutoras, nesses países, para o controle do problema em suas progênies. Porém, há cerca de dois anos esses quadros começaram a aparecer aqui no Brasil, mas nós não temos, ainda, vacinas inativadas comerciais disponíveis”, detalha.

Paulo Martins explica que outro grupo viral – os Reovírus – responsáveis pela Artrite Viral (Tenosinovite) há anos contam com vacinas inativadas comerciais eficazes no Brasil. “Infelizmente, uma variante, aparentemente, está escapando da imunidade conferidas pelas vacinas comerciais de linha”, diz.

Ele relata que situações semelhantes ocorrem com algumas enfermidades bacterianas. “Sempre houve uma proteção muito grande por parte das vacinas comerciais contra Coriza e Cólera Aviária do mercado brasileiro. Porém, há alguns meses, começaram a ser registrados casos de coriza em frangos de corte e em poedeiras, bem como casos de Cólera Aviária em reprodutoras e poedeiras, mesmo em lotes vacinados com tradicionais produtos comerciais”, aponta.  “Já nos recentes casos envolvendo a Escherichia coli, principalmente na região Sul do Brasil, a situação foi mais complexa. O aumento de quadros respiratórios de origem viral, a restrição ao uso de antibióticos por parte de mercados importadores e a emergência de linhagens mais patogênicas de E. coli, com características até mesmo pandêmicas, estimulou os sanitaristas a pensarem na possibilidade de utilizar autovacinas, nas reprodutoras, para estas novas cepas”, afirma.

De acordo com o Presidente da FACTA Ariel Mendes a nova política da FACTA é a de focar mais em eventos técnicos sobre assuntos específicos o que, segundo ele, permitirá a entidade aprofundar mais as discussões.  “Além disso, no caso do Simpósio de Vacinas Autógenas em saúde animal, estamos ampliando nossa área de atuação incluindo suínos e peixes no temário uma vez que muitas empresas do setor avícola também produzem essas outras espécies”, apontou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.