sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Sexagem in-ovo: prêmio de US$4 milhões para quem desenvolver tecnologia

Até US$ 4 milhões estão sendo disputados por competidores que possam desenvolver e validar um protótipo funcional capaz de determinar o sexo de um pintinho antes da eclosão. Quem oferece é o Egg-Tech Prize (literalmente, prêmio de tecnologia do ovo), iniciativa administrada conjuntamente pela Fundação de Pesquisa em Agricultura e Alimentos (FFAR, na sigla em inglês) e pela Open Philanthropy.

O Egg-Tech Prize entra agora na segunda fase. A primeira, ainda em andamento, já classificou seis vencedores. Eles são relacionados a seguir e mostrados os processos que estão sendo financiados:

Universidade de Minnesota – Financiamento de uma plataforma de inteligência artificial para identificação rápida e não invasiva do sexo do ovo. Os cientistas estão desenvolvendo um scanner 3D para analisar a forma geométrica dos ovos e espectrometria de massa da reação de transferência de prótons para avaliar compostos orgânicos voláteis e outras moléculas.

Orbem AI –Desenvolvimento de tecnologia especializada que escaneia e classifica automaticamente os ovos sem tocá-los. A equipe vem usando tecnologia de ressonância magnética acelerada com inteligência artificial avançada. A abordagem de ressonância magnética permite que eles examinem o desenvolvimento de órgãos de embriões para detectar diferenças físicas entre machos e fêmeas sem penetrar na casca.

Microscale Devices LLC – Uso de tecnologia de mapeamento espectral multidimensional para identificar o sexo de ovos de 0 a 12 dias de incubação. A tecnologia dispara diferentes comprimentos de onda de luz no ovo e detecta os padrões de luz refratada. A inteligência artificial é então empregada para desenvolver uma impressão digital óptica, ou assinatura, que pode determinar o sexo dos ovos em menos de 5 segundos.

KU Leuven –Utiliza uma técnica de detecção volátil específica de gênero para determinar o sexo in ovo.

USDA-ARS – Utiliza fibra óptica e aprendizado de máquina para análise de voláteis para determinação do sexo in ovo.

SensIT Ventures Inc – Desenvolvimento de um sensor químico baseado em microchip para determinação do sexo in ovo em estágio inicial. A equipe está capturando e caracterizando os gases liberados individualmente pelos ovos durante o armazenamento e a incubação. Eles estão desenvolvendo um chip sensor químico para detectar os VOCs e usar o aprendizado de máquina para classificar os ovos por gênero.

Os responsáveis pelo prêmio lembram que a tecnologia in-ovo está atraindo atenção não apenas na sexagem de pintos, mas também nas estratégias de alimentação. Citam estudo publicado recentemente no Italian Journal of Animal Science, que explorou os benefícios da injeção de microalgas in-ovo (Spirulina Platensis) na eclodibilidade, expressão gênica relacionada a antioxidantes e imunidade, bem como no desempenho de pintos de corte.

“Se as incubadoras de ovos tivessem tecnologia que determinasse o sexo do ovo logo após a postura, mais de 6 bilhões de ovos machos poderiam ser usados para alimentação, ração animal ou produção de vacinas. Além disso, os ovos são incubados por 21 dias antes de eclodirem. Essa tecnologia pode reduzir muito o custo e a pegada de carbono da incubação de ovos de poedeiras, ao mesmo tempo em que libera espaço para a incubação de ovos “femininos” – aumentando a eficiência da produção”, ressaltam.

As estimativas sugerem que evitar o abate de pintos machos poderia representar economia de cerca de US$ 500 milhões para a indústria de ovos em termos de produto desperdiçado e utilização de mão de obra.

Eventuais novos participantes têm até o final de agosto para participar da competição. Clique aqui para acessar o site do Egg Tech Prize

Em tempo: todas estas iniciativas estão sendo desenvolvidas nos EUA. Na União Europeia também há uma corrida contra o tempo para desenvolver tecnologia específica visando à sexagem in ovo, pois, no bloco, há governos que já decretaram, para os próximos anos, a proibição de sacrifício dos pintos machos. Pelo menos uma empresa europeia – a alemã
Agri Advanced Technologies GmbH – já divulga equipamento específico (Cheggy) para a sexagem pré-eclosão.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.