domingo, 29 de maio de 2022

Setor agropecuário aumenta participação no PIB brasileiro

O setor agropecuário, apesar de todos os desafios enfrentados em 2021, continua contribuindo decisivamente para a economia brasileira. Em 2020, a participação do setor foi de 26,6%, mas estudo divulgado em 13 de dezembro pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, aponta que o índice pode chegar a 28% em 2021.

O estudo, em parceria com a Confederação da Agricultura (CNA), apontou que setor teve um crescimento pequeno no terceiro trimestre, de 0,4%, mas no acumulado de janeiro a setembro, o avanço foi de 10,79% (R$ 238 bilhões).

“O setor agrícola enfrentou problemas climáticos e os efeitos da pandemia, mas continuou a crescer e gerar empregos”, diz o presidente da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), Fábio de Salles Meirelles.

Presidente da FAESP, Fábio de Salles Meirelles

Conforme o documento, em valores monetários, o PIB do País totalizou R$ 7,45 trilhões em 2020, e o PIB do agronegócio chegou a quase R$ 2 trilhões.

O estudo do Cepea aponta que os destaques de janeiro a setembro foram os segmentos de insumos e o primário (agricultura). A alta foi de 17,06% O PIB do segmento de insumos agrícolas foi puxado pelo desempenho da agricultura e pela alta importante dos preços, sobretudo fertilizantes e máquinas agrícolas.

“Os produtores ainda tiveram que lidar com a alta de muitos insumos e nem sempre foi possível repassar esses aumentos. O setor ajudou muito o País em 2021 “, ressalta o presidente da FAESP.

De acordo com o estudo, houve expressivas quebras de produção para importantes culturas, devido ao clima desfavorável. O avanço da renda neste segmento, contudo, foi limitado pelo forte incremento dos custos de produção.

Especificamente no terceiro trimestre, pesquisadores do Cepea destacam uma desaceleração da recuperação da produção industrial, frente ao ano anterior. Esse foi o cenário para quase todas as agroindústrias agrícolas. Ainda assim, a variação do PIB do segmento no acumulado do ano continuou positiva.

O crescimento do PIB dos agrosserviços também merece destaque. A boa performance da agricultura, sobretudo da soja, e a recuperação do nível de processamento vegetal fizeram crescer a utilização de serviços pelo ramo.

Conforme o estudo, o desempenho do ramo pecuário — queda de 4,76% neste período -tem como principal fator de pressão o aumento expressivo dos custos com insumos, seja dentro da porteira, na agroindústria ou nos agrosserviços.

No segmento primário, o PIB cresceu, mas com resultado menor, tendo em conta as fortes elevações dos preços. Isso porque a alta dos custos foi mais intensa que as elevações dos valores dos produtos e houve menor produção de bovinos no campo.

Na agroindústria pecuária, pesquisadores do Cepea indicam que as elevações das matérias-primas não puderam ser repassadas na mesma intensidade aos preços negociados, diante da enfraquecida demanda doméstica, causando um estreitamento das margens — situação que se agravou no terceiro trimestre. Além disso, conforme o estudo, o abate de bovinos diminuiu, devido à escassez de bois no campo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.