sexta-feira, 12 de agosto de 2022

“Se for feita com plantas, não chame de carne”, determina França

Proibição do uso da palavra carne começa em outubro

A França planeja banir o uso de nomes de carne como “bife” e “linguiça” em alimentos proteicos à base de plantas, de acordo com um decreto publicado nesta quinta-feira (30/6), em uma tentativa de evitar confusão sobre a moda das carnes alternativas.

A França é o primeiro país da União Europeia a efetuar tal movimento.

O mercado de alimentos semelhantes à carne à base de vegetais aumentou nos últimos anos, atraindo grandes investimentos de grupos agroalimentares globais que esperam capitalizar uma tendência de alimentação em geral saudável, incluindo menos carne vermelha.

“Não será possível usar a terminologia específica do setor tradicionalmente associada à carne e peixe para designar produtos que não pertencem ao mundo animal e que, em essência, não são comparáveis”, diz o decreto oficial.

O regulamento se aplica apenas a produtos fabricados na França, e o maior lobby agrícola do país, FNSEA, disse que não foi longe o suficiente, pois deixou a porta aberta para as importações.

A associação francesa da indústria de carnes Interbev saudou a implementação da lei adotada inicialmente em 2020, logo após o fim do bloqueio pandêmico.

“Esta disposição é um primeiro passo em território francês, pioneira na proteção de seus nomes, que deve ser estendida a nível europeu”, afirmou em comunicado.

Termos como “leite”, “manteiga” e “queijo” já são proibidos a nível europeu em produtos que não sejam de origem animal.

A palavra “hambúrguer” usada por muitas marcas, incluindo as empresas americanas Beyond Meat, Impossible Foods e Burger King para atrair consumidores, ainda seria permitida, pois não se refere especificamente à carne, disse um porta-voz da Interbev.

Investidores-anjo, capitalistas de risco, bem como maiores investimentos de gigantes agroalimentares como Cargill, Danone e Nestlé, ajudaram a aumentar a taxa de crescimento da indústria global de alimentos à base de vegetais. Esse crescimento está previsto em 19% ao ano durante o período 2022-2027 pela ResearchAndMarkets.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias



Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

destaque-06

FACTA WPSA-Brasil 2022

Temas como sustentabilidade, gestão de pessoas para melhorar o desempenho das aves, otimização de custo e seu impacto fizeram parte da agenda do evento. Página 84.

destaque-02

A evolução da seleção genética de frangos de corte

O melhoramento genético de frangos de corte teve início no fim da primeira metade do século passado, por meio de um processo de seleção simples, sem muita tecnologia. Página 44.

destaque-04

Sistema de Gestão e Mobilidade à frente da Agroindústria 4.0

Com a evolução e mobilidade dos dados, o cliente hoje pode estar em qualquer lugar e ter acesso às informações que estão sendo geradas para ele, uma vez que todas as pontas do processo possuem tecnologia em dispositivos móveis. Página 26.

destaque-05

Ferraz Parts: surge uma nova forma de produção de matrizes e capas de rolos para peletizadoras

Um novo setor, a mesma filosofia que consagrou a Ferraz Máquinas como a maior fabricante de equipamentos para rações animais do Brasil. Página 24.

destaque-07

Simpósio OvoSite aborda inovações na produção de ovos

O Simpósio OvoSite irá levantar as tendências para a comercialização no mercado interno e nas exportações para o setor. Página 88.

frango (93)

Com crescimento nas exportações de carne de frango, Brasil se mantém como maior exportador da proteína

Apenas em 2021 foram embarcadas 4,610 milhões de toneladas representando um montante de US$ 7,6 bilhões (FOB).  Página 30.

destaque-03

Melhoramento Genético Holístico

A produção de carne deve aumentar em 44 milhões de toneladas métricas até 2030, com 52% desse aumento representado pela avicultura. Página 50.

destaque-01

Entrevista: Ariel Mendes

Se falarmos em avicultura o nome de Ariel Mendes sempre estará em pauta, afinal, são mais de 40 anos dedicados ao setor, seja transmitindo conhecimento por meio de aulas ou à frente das principais entidades avícolas do país. Página 38.