sábado, 28 de maio de 2022

Queda do poder de compra do pecuarista freou avanço da área de alimentação animal

Segundo o Sindirações, crescimento do segmento será limitado a entre 4% e 4,5% em 2021

O Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) reduziu sua estimativa para o crescimento do segmento em 2021, para uma faixa entre 4% a 4,5% — no meio do ano, a projeção era de 5%. Assim, deverão ser produzidas até o fim do ano 85 milhões de toneladas de rações.

O CEO da entidade, Ariovaldo Zani, afirmou que a queda do poder de compra dos pecuaristas, devido ao aumento dos custos de produção, provocou retração em toda a cadeia.

“Alta estratosférica”

O executivo lembrou, em entrevista a jornalistas, que a alta “estratosférica” da soja e do milho espremeu as margens, e a desvalorização do real ante o dólar elevou os custos de importação de aminoácidos, enzimas e outros produtos químicos que vêm de fora “Esses patamares tiraram muito do poder de compra do produtor, afetando substancialmente a rentabilidade”, afirma.

A demanda do produtor de leite não deverá crescer em relação ao ano passado, enquanto a área de ovos tende a consumir 1,5% mais ração. Segundo o CEO, os produtores desses itens foram os mais prejudicados, por não conseguirem repassar os custos totalmente, uma vez que dependem do mercado interno.

Zani lembrou que a população brasileira enfrenta desemprego, inflação e juros altos, e “tem reagido contra aumentos”. Assim, os pecuaristas e a indústria foram obrigados a absorver boa parte do aumento de custos. Ele citou a redução no alojamento de poedeiras como reflexo desse cenário. No caso do boi gordo, que subiu no campo – e as carnes, nos supermercados -, o golpe mais forte veio recentemente, com o embargo da China à carne bovina. O país asiático não compra novos lotes da proteína brasileira desde 4 de setembro, quando foram confirmados dois casos atípicos de doença da “vaca louca”, em Mato Grosso e Minas Gerais.

Naturalmente, a demanda pelo animal vivo caiu e freou o aumento do rebanho. Ainda assim, a pecuária de corte avançará 4,9% neste ano, conforme a projeção atual.

Segmento pet

Já o crescimento do segmento pet foi acelerado pela pandemia da covid-19 e deve chegar a 8%. De acordo com o executivo, o número de adoções aumentou, o que naturalmente eleva a demanda por ração industrializada. “E a gente não descarta que o segmento possa superar a nossa expectativa, por conta dos aspectos emocionais e psicológicos”, frisa.

O Sindirações projeta crescimento de 4% a 4,5% também no ano que vem, mas apenas se o cenário seguir dentro da normalidade. “Cisnes negros” podem provocar revisões. Zani afirma que há desafios no horizonte e cita dois em especial: uma possível volatilidade do câmbio causada pelas eleições presidenciais e o aumento dos preços internacionais de químicos, por causa da migração da indústria global para matrizes energéticas renováveis, o que demanda investimento.

Ademais, apesar de ver um cenário com maior disponibilidade de grãos em 2022, o CEO afirma que os preços da soja e do milho devem continuar em patamar “incômodo” para a indústria de alimentação animal.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.