domingo, 29 de maio de 2022

Programa de segurança da BRF ajudou a reduzir em 64% os acidentes com caminhões

Projeto inclui o uso da tecnologia para monitoramento, cuidados com a saúde dos motoristas e salas de descanso nas estradas

Desde que implantou, em 2012, Programa de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA) em Transporte, a BRF, uma das maiores companhias de alimentos do mundo, ajudou a reduzir em 64% a frequência de acidentes com a frota de mais de 9.500 caminhões que levam os produtos da empresa do campo à mesa do consumidor, em todo o Brasil. Para chegar ao resultado, a BRF investiu em programas mais rígidos de segurança e capacitação, como uso de tecnologia embarcada, por meio de telemetria e sensor de fadiga dentro das cabines, bem como sensor frontal de aproximação indicando risco de colisão. Estas tecnologias abrangem cerca de 11 mil motoristas e ajudantes.

No Programa de SSMA Transportes, todos os parceiros da BRF são avaliados de acordo com indicadores e devem atender às normas corporativas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente. “Para a BRF, a segurança é um dos compromissos fundamentais, e este programa é parte importante das nossas estratégias e ações para melhorar a qualidade de vida dos motoristas e colaborar com a redução de acidentes, em geral, nas estradas do País”, ressalta José Perottoni, diretor global de Logística da BRF.

Em 2019, a Companhia deu continuidade a seu processo de transformação digital, com adoção de tecnologias para o monitoramento de sua frota. Com a implementação de recursos tecnológicos, foi possível reduzir significativamente as chances de acidentes, beneficiando motoristas. O uso inteligente dos dados, atrelado à predição de segurança, atuação proativa, conscientização e capacitação, é uma das mais importantes características da transformação digital da Companhia e engloba, também, a logística em todas as frentes.

A tecnologia também foi incorporada à área de Commodities da BRF, com centenas de caminhões que transportam grãos e insumos para a Companhia. Segundo Gilson Ross, diretor de Operações e Compras de Commodities da BRF, tecnologias como o sistema de negociação eletrônica de fretes, de gestão da frota, além de telemetria e sensores de fadiga, estão auxiliando não só na redução de acidentes, principal foco da empresa, como também na diminuição de custos e perdas. “Hoje temos um controle e segurança do processo de abastecimento de insumos muito superior ao passado “, explica.

Um dos equipamentos que dá mais segurança na estrada é o sensor de fadiga, com sensores instalados dentro das cabines e que identificam, por exemplo, sinais de sono e fadiga do motorista (um bocejo, por exemplo). Nesse caso, um sinal sonoro é ativado. O sistema também identifica desvios de condução, como por exemplo o uso de celular com o veículo em movimento, registra as anomalias de forma on-line para serem imediatamente tratadas.

Para dar um apoio aos motoristas que apresentam sinais de cansaço, a Companhia instalou, em rodovias do Paraná e de Santa Catarina, as Salas de Alerta do Sono. Os motoristas têm à disposição na BR-470, no município catarinense de Lontras (SC), sentido Litoral, e na BR-116, em Antonina (PR), sentido São Paulo, café, água, material de orientação sobre segurança e saúde na direção, além de equipamentos para exercícios físicos, como bicicleta ergométrica e até luminoterapia – técnica de iluminação que ajuda os motoristas a ficarem mais dispostos e alertas para a viagem. Essas estruturas contribuem para aumentar a segurança dos condutores e reduzir os acidentes nas estradas.

A empresa também solicita, uma vez por ano, a execução de exame toxicológico e mensalmente a aplicação do checklist de manutenção do veículo. O goianiense Jakson Pereira de Souza, 43 anos, é motorista há 20 anos, levando produtos da BRF pela transportadora Manlog. Jakson aprova o uso da tecnologia e confirma que ela aumenta a segurança nas estradas. “O sensor de fadiga, com o alerta de sono, avisa a hora que devo parar e descansar. Essa tecnologia me protege”, admite ele.

Outra tecnologia adotada é a telemetria, feita por um dispositivo instalado no barramento can do veículo que faz a leitura do funcionamento de equipamentos e envia aos gestores da frota dados sobre a dirigibilidade do motorista, frenagem e aceleração brusca, velocidade na pista seca e molhada, bem como consumo de combustível. O histórico dos veículos atualizado a cada viagem contribui para identificar perfis de condução segura e econômica, bem como planejar manutenções preventivas de forma mais assertiva.

Caminhões também estão sendo equipados com o rotograma falado, um dispositivo que possibilita criar cercas eletrônicas no trajeto e funciona como um GPS. O equipamento indica não só o melhor caminho ou a menor distância até o ponto de chegada, mas também avisa o motorista sobre uma curva perigosa e recomenda a velocidade ideal para a realização segura da manobra. Ao se aproximar de uma curva perigosa, por exemplo, o aparelho emite uma mensagem de voz ao motorista: “Trecho perigoso a 500 metros, reduza a velocidade”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.