domingo, 29 de maio de 2022

Preço do frango continuará subindo em 2022

Em dezembro de 2021, o preço do frango atingiu o pico de US$ 2,74 por kg, ganhando 17% em relação ao mês anterior. Prevê-se que o preço médio anual aumente de US$ 2,26 por kg no ano passado para US$ 2,30 por kg em 2022

De acordo com relatório publicado recentemente pela IndexBox, em 2021 preço médio do frango cresceu 38% no comparativo anual, para US$ 2,26 por kg. O aumento dos custos de alimentação combinados com altos gastos logísticos elevou os preços da carne. A produção global permaneceu estável em relação ao nível de 120 milhões de toneladas de 2020.

Embora a produção global de carne de frango esteja projetada para aumentar para apenas 121 milhões de toneladas neste ano, os preços devem aumentar mais, impulsionados pelo aumento da demanda. Em 2022, prevê-se que o preço médio anual do frango ganhe 2% em relação ao ano anterior, para US$ 2,30 por kg. Um declínio esperado no rebanho bovino, especialmente na UE e nos EUA, deve impulsionar a demanda por substitutos da carne bovina, incluindo aves.

Principais exportadores de carne de frango em todo o mundo

Em 2020, a carne de frango exportada em todo o mundo cresceu rapidamente para 15 milhões de toneladas, aumentando 5,6% em comparação com o ano anterior. Em termos de valor, o faturamento foi de US$ 21,9 bilhões.

O Brasil (3,9 milhões de toneladas) e os EUA (3,5 milhões de toneladas) são os principais fornecedores no mercado global de frango, atingindo aprox. 25% e 23% das exportações globais, respectivamente. A Holanda (1,4 milhão de toneladas) tem uma participação de 9,2% (com base em toneladas), o que a coloca em segundo lugar, seguida pela Polônia (8%).

Os seguintes exportadores – Turquia (517 mil toneladas), Bélgica (503 mil toneladas), Ucrânia (429 mil toneladas), Reino Unido (411 mil toneladas), Tailândia (344 mil toneladas), Alemanha (301 mil toneladas), Rússia (280 mil toneladas) e França (227 mil toneladas) toneladas) – representam, juntos, 20% do volume total.

Em termos de valor, o Brasil (US$ 5,5 bilhões), os EUA (US$ 3,4 bilhões) e a Holanda (US$ 2,5 bilhões) parecem ser os países com os maiores níveis de exportações em 2021, representando juntos 52% das exportações globais. Polônia, Tailândia, Bélgica, Ucrânia, Alemanha, Turquia, França, Rússia e Reino Unido ficaram um pouco para trás, respondendo por mais 30%.

Principais importadores de carne de frango em todo o mundo

Em 2021, a China (1,5 milhão de toneladas), seguida pelo México (767 mil toneladas), foram os maiores importadores de carne de frango, respondendo por 17% das importações globais. Holanda (542 mil toneladas), Japão (535 mil toneladas), Alemanha (515 mil toneladas), Emirados Árabes Unidos (480 mil toneladas), RAE de Hong Kong (462 mil toneladas), África do Sul (460 mil toneladas), Iraque (429 mil toneladas), França (387 mil toneladas), o Reino Unido (377 mil toneladas), as Filipinas (315 mil toneladas) e Cuba (267 mil toneladas) ocuparam uma parcela relativamente pequena do total de compras internacionais.

Em termos de valor, a China (US$ 3,4 bilhões) constitui o maior mercado de carne de frango importada em todo o mundo, compreendendo 16% das importações globais. A segunda posição no ranking foi do Reino Unido (US$ 1,2 bilhão), com uma participação de 5,5% no total de compras. Seguiu-se a Alemanha, com 5,4% de participação.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Notícias Relacionadas

Revista AviSite

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista01

Avicultura de corte brasileira chegou a novos e inéditos resultados em 2021

Revista do AviSite faz um balanço do ano de 2021 trazendo os números de alojamento de matrizes de corte, produção de pintos de corte, produção, exportação e disponibilidade de carne de frango e disponibilidade per capita aparente de carne de frango. Página 22.

revista02

Influenza Aviária: os reais perigos dos novos surtos de H5N1

Com o crescimento de casos da cepa H5N1 em todo o mundo, aumenta a preocupação em manter o Brasil livre da enfermidade. Portanto, especialistas alertam para a necessidade de manutenção dos programas de biosseguridade, avaliando potenciais fragilidades e mitigando riscos. Página 30.

revista03

Arroz é alternativa viável para reduzir custos de produção de suínos e aves

Estudos da Embrapa mostram que o arroz pode complementar ou substituir o milho na ração animal. Página 36.

Fotografias Noelly Castro

União Europeia sanciona lei que bane uso indiscriminado de antibióticos e estimula o bem-estar na criação animal

Brasil deve ser impactado em relação às vendas da avicultura. Expectativa é de efeito positivo em outros países, inspirando a modernização de leis que visem à promoção de sistemas mais éticos e sustentáveis e a mitigação dos riscos de resistência antimicrobiana. Página 56.

revista04

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

Estudos sugerem que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e, dessa maneira, influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais. Página 42.

Melina Bonato

Conceitos de imunonutrição aplicados a avicultura

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastante avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo usado efetivamente. Página 46.

frango (88)

Superdosagem de fitase proporciona bons resultados para combater miopatias em frangos de corte

A necessidade de resolver o problema associado à alta incidência de distúrbios metabólicos, como miopatias, tem atraído enorme atenção do setor. Página 48.

frango (45)

Impactos da ocorrência de Bronquite, Laringotraqueíte e Influenza Aviária na produção avícola brasileira

As infecções virais impactam as condições fisiológicas das aves, podendo provocar mortalidade e/ou morbidade, levando a alterações dos parâmetros produtivos. Página 50.