Investidores identificam riscos ESG em empresas de carnes

FAIRR Initiative identificou melhora generalizada em companhias de todo o mundo, mas uso de água e gestão de resíduos ainda estão longe do ideal

São Paulo – Investidores responsáveis por US$ 45 trilhões em ativos avaliaram que as principais empresas de carnes brasileiras seguem oferecendo riscos ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), mas apresentaram melhoras em 2021. A conclusão é de um levantamento sobre 60 companhias globais da cadeia conduzido pela coalizão de investidores FAIRR Initiative. As empresas avaliadas representam 24% do mercado global de pecuária.

O grupo criou um índice que mede riscos e oportunidades nas empresas. As companhias são classificadas como alto, médio ou baixo risco ou como “melhores práticas”, com uma nota de 0 a 100%. A Marfrig saiu de “médio” para se tornar uma empresa de “baixo risco” ESG. Sua nota subiu 8 pontos percentuais, mas como outras empresas melhoraram mais, ela caiu de quarto para quinto lugar no ranking.

JBS, BRF e Minerva foram classificadas como “médio risco”. A nota da JBS subiu 10 pontos, mas a empresa caiu para a 11ª posição porque outras melhoraram mais. Foi o caso da BRF, que subiu 11 pontos e trocou de posição com a JBS, alcançando a nona colocação. A Minerva saiu da zona de “alto risco” com uma alta de 30 pontos e chegou ao 25º lugar.

Houve uma melhora generalizada – o índice subiu para 87% das empresas globais -, mas metade delas ainda é de “alto risco” ESG. Em geral, as empresas avançaram mais nas condições de trabalho e medição e metas de emissões de gases estufa.

Desafio principal

No Brasil, o desafio central é relacionar a origem dos animais com desmatamento. Segundo o relatório, o monitoramento das empresas não identifica de 85% a 90% do problema nas cadeias. Globalmente, o maior desafio é de uso de água e gestão de resíduos. Estima-se que os animais produzam duas vezes mais resíduos que os humanos no planeta. Porém, no quesito água, 94% das empresas são de “alto risco”, e em resíduos, 98% estão nessa categoria.

Maria Lettini, diretora executiva da iniciativa, disse ao Valor que os resultados das brasileiras foi “encorajador” e reflete a pressão de investidores, reguladores e consumidores. Porém, ela ressaltou que os investidores esperavam progresso maior no rastreamento dos animais. “Quanto mais uma empresa deixa de lidar com riscos ESG, mais provável que os investidores reduzam ou tirem seus investimentos dela”.

A Marfrig afirmou que seu índice reflete “ações e resultados já alcançados pelo Plano Marfrig Verde+”, que já mapeou mais de 60% dos produtores diretos e indiretos na Amazônia e 47% no Cerrado. A empresa disse ainda que adota ações “para diminuição das emissões de metano no escopo 3” e tem a “melhor avaliação” no BBFAW, maior ranking global de bem-estar animal.

A Minerva disse que “segue empenhando esforços” contra “o desmatamento ilegal e as mudanças climáticas” e que é a única a usar “informações geográficas em todos os biomas no Brasil e no Paraguai”, onde monitora 14 milhões de hectares e que investe em “ferramentas e tecnologias” com “foco em uma produção cada vez mais sustentável e de baixo carbono” e iniciativas de bem-estar animal.

A JBS afirmou que sua nota “reflete a prioridade que as questões ESG” recebem na companhia. “A sustentabilidade, definitivamente, passou a ser a nossa estratégia de negócios”. Segundo a empresa, ela “já monitora seus fornecedores há mais de dez anos” e “está estendendo esse controle aos fornecedores de seus fornecedores” com tecnologias.

Em nota, a BRF lembrou que tem uma série de iniciativas sustentáveis em suas operações, entre elas o compromisso em ser “net zero” em emissões de gases de efeito estufa até 2040, e lembrou que não atua com bovinos, somente aves e suínos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista-ferraz

A Ferraz é uma empresa familiar 100% nacional e que iniciou suas atividades no ano de 1970. Em seguida, começaram a fabricar pequenas fábricas de rações farelada para granjas de aves de postura e também suínos. Atualmente, fornecem plantas completas tanto para produção de rações fareladas, extrusadas de 400 Kg a 16 toneladas por hora, peletizadas de 400 Kg a 30 toneladas por hora.

Revista-ricardo

Ricardo Santin, afirma: “Produção nacional de carne de frango pode alcançar entre 14,100 e 14,300 milhões de toneladas neste ano, elevação de 3,5% em relação a 2020. No recorte das exportações, a ampliação do volume embarcado é ainda mais evidente: até 10%. Consumo per capita será de 46 quilos de carne de frango”.

revista-qima

QIMA/WQS foi fundada em 1993, oferecendo soluções para a indústria de alimentos do campo à mesa por meio de certificações reconhecidas pela GFSI (BRCGS, GLOBALG.AP, SQF, IFS), segurança de alimentos, auditorias éticas, selos de qualidade, inspeções, treinamento e gestão da cadeia de fornecimento. Atualmente com sede em Charlotte, Carolina do Norte, com filiais no Brasil e México, fornecem serviços em todo o mundo.

revista-pluma

A Pluma Agroavícola sempre se destacou no mercado pela evolução e crescimento acima da média. Hoje, com 22 anos de fundação, a empresa atua em oito estados do Brasil, sendo Paraná (com sua sede em Cascavel), Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco e Distrito Federal. Em 1999, quando a empresa foi fundada, eram apenas cinco funcionários; hoje, são mais de 2.300 colaboradores.

revista-cida

Duas datas muito importantes foram comemoradas nos meses de setembro e outubro ambas com forte relação com os segmentos de avicultura e suinocultura: O Dia Internacional da Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimentos (29/09) e o Dia Mundial da Alimentação (16/10) o qual faz alusão também a data de criação da Organização da Nações Unidas para alimentação e agricultura (FAO). Os setores avícola e suinícola conferem grande contribuição aos temas e trazem grandes benefícios a bem-estar população global e do planeta.

Revista-leandro

Sob a liderança da Ministra Tereza Cristina, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem trabalhado comprometido com a agenda de abertura, manutenção e ampliação de mercados para os produtos do agronegócio brasileiro. Como resultado abrimos desde janeiro de 2019 até o presente momento, 178 mercados para diferentes tipos de produtos.

revista-edicao-salmonelas

Alberto Back e Vânia Bernardes, do MercoLab Laboratórios LTDA, Cascavel PR publicam artigo na edição de dezembro da Revista do AviSite, em que afirmam que grande desafio atual é o controle das salmonelas paratíficas, que representam os outros quase 300 sorotipos que podem infectar as aves, além da Gallinarum e Pullorum. “
“Controle das salmonelas paratíficas exige conhecimento, ação integrada na cadeia, monitoramento, uso de produtos anti-salmonela (ácidos, probióticos, prebióticos, extratos vegetais…), uso de vacinas, cuidados de ambiência, manejo e biosseguridade”, afirmam.

Capturar-8

Quem se dedicou à tarefa de analisar os balanços das duas principais empresas do setor no segundo trimestre de 2021 deve ter notado que, embora fortes concorrentes entre si, ambas apresentaram pelo menos um argumento em comum para justificar os fracos resultados do período: o encarecimento do custo de produção naquele que, provavelmente, é o momento mais difícil e desafiante da economia e do consumidor brasileiro. Página 62.

Open chat
Cadastre-se para receber os Informativos