Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quarta-feira, 16/10/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Como criar galinha virou negócio de R$ 1 milhão – só pra começar

Categoria: Produção

Curitiba (PR), 16/09/2019 |


A avicultura é um setor em franco crescimento no Brasil. Com uma boa perspectiva de aumento do consumo interno e das exportações de carne de frango, o momento é propício para investir. Entretanto, entrar nesse mercado – dominado pelas cooperativas e pelas grandes empresas – não sai barato. Para se ter um aviário moderno e eficiente, como o mercado exige, é preciso ser um “milionário” – ou pelo menos ter a garantia de um empréstimo desse porte. O setor demanda um gasto alto com a estrutura dos aviários, cada vez mais modernos e com tecnologias de automação.

Tanto investimento visa garantir o melhor resultado na produção, para abastecer um mercado bastante aquecido. A perspectiva é que o consumo de frango no Brasil aumente, já que se trata de uma das carnes mais baratas para o consumidor. “Este ano foi um ano bom para o frango, pois temos disponibilidade de milho para ração, que não está caro [o cereal, juntamente com o farelo de soja, representa 70% dos custos de produção]. E a economia do país também está começando a reagir”, afirma Ariel Antônio Mendes, diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

No mercado externo, o frango deve voar ainda mais alto. A ABPA estima um crescimento de 5% nas exportações da ave para este ano. Segundo Mendes, a gripe suína africana está derrubando os plantéis de suínos na China, o que deve impulsionar as importações de carne brasileiras, incluindo o frango. “Não haverá carne suína suficiente para abastecer os chineses, o que vai puxar a carne frango também. E o frango não tem restrição religiosa. O nosso maior importador hoje é o Oriente Médio [por motivos religiosos os muçulmanos não consomem carne suína] e a carne de frango hoje é vista ainda como uma carne de fácil preparo e saudável.”

Nesta semana, o Ministério da Agricultura anunciou a habilitação de 6 novas plantas brasileiras para exportação de frango ao mercado chinês. Com isso, sobem para 43 as unidades produtoras habilitadas a exportar para a China. Entre janeiro e agosto, o país asiático importou 348,2 mil toneladas de frango (volume 19% superior ao registrado no mesmo período do ano passado), segundo a ABPA. Além disso, o Brasil é o principal fornecedor de frango para o mercado halal (carne que obedece aos preceitos da lei islâmica para o abate de animais). Somente a Arábia Saudita importa 450 mil toneladas/ano de carne de frango halal brasileira.

Frango grande ou pequeno?

A produção brasileira se concentra basicamente em dois tipos de frangos: o griller, que é uma ave menor com peso de carcaça de 900 gramas a 1,4 kg, e que pode ser abatido em 30 dias, e os frangos maiores e mais pesados, de 3 kg, com abate em 45 dias. A tendência hoje, segundo Mendes, é se construir galpões para 30 mil a 32 mil aves, dependendo do tipo de frango. Os aviários mais modernos, conhecidos como dark houses (galpões escuros), são climatizados, com controle de temperatura, luminosidade, ventilação e exaustão. “Com uma ambiência controlada você tem um melhor desempenho do frango. Ninguém mais constrói galpões abertos”, afirma o diretor da ABPA.

De acordo com Eduardo Leffer, gerente de Fomento Avícola da Coopavel, cooperativa com sede em Cascavel (PR), o investimento na construção de aviários tende a ser menor para quem já atua no setor e quer ampliar a produção. “Quem tem aviários já tem a área cercada, rede elétrica e gerador de energia. Se for fazer mais um aviário, ele vai sair por uns R$ 840 mil. Agora, para começar do zero o custo certamente sobe para mais de R$ 1 milhão.”

Segundo Leffer, cada empresa ou cooperativa monta uma planilha dos custos com os valores de investimento e as taxas de retorno conforme a sua realidade e a da região em que atua para remunerar os seus produtores integrados. No caso do investimento feito na estrutura de um novo aviário, com um padrão moderno de construção, a estrutura se paga em 11 anos. “Depois disso é só fazer a manutenção”, complementa.

Atualmente, a avicultura de corte no Brasil funciona no modelo de integração, pois a produção independente de aves é quase proibitiva, por causa dos altos custos dos insumos, segundo Franke Hobold, diretor geral da Plasson do Brasil, empresa catarinense especializada na construção de aviários. “O custo do transporte para a avicultura é muito elevado, por isso o aviário integrado precisa estar a, no máximo, 150 quilômetros do abatedouro, porque a empresa ou cooperativa precisa mandar os pintinhos, a ração e depois trazer o frango para o abate”, explica.

Além das estruturas para armazenar o plantel de aves, a propriedade precisa estar regularizada e licenciada ambientalmente. Segundo Hobold, hoje em dia ninguém constrói apenas 1 galpão, só quem já tem estrutura funcionando e quer aumentar. Fora isso, o investimento é para 2 ou 4 galpões. Isso ajuda a otimizar os custos na propriedade. As dimensões dessas estruturas costumam ter entre 16 e 18 metros de largura por 150 a 170 metros de comprimento. São aviários totalmente automatizados, de grande porte. Se for incluído na conta os custos de terraplanagem da área, o gasto passa de R$ 1,1 milhão.

Saída é o financiamento

Como nem todo mundo tem R$ 1 milhão no bolso ou na mão para investir de imediato, a saída para a maioria dos produtores é buscar uma linha de financiamento do Plano Safra. “Embora os juros ainda estejam altos [em torno de 8%], essa ainda é a melhor opção”, atesta Hobold. Ele explica que há, por exemplo, a modalidade Moderagro, voltada para quem quer entrar na avicultura começando do zero, com tempo de carência de até 3 anos, e a Inovagro, destinada a quem já é do ramo e precisa ampliar as suas instalações.

De acordo com o empresário, a construção consome 60% do investimento da granja, gastos com a estrutura metálica e telhas isotérmicas do aviário. Os outros 40% são referentes aos equipamentos como comedouro, bebedouro, sistema de climatização, painéis para refrigeração, aquecedor para os pintinhos, sistemas de iluminação com lâmpadas de LED e controladores que permitem acionar os sistemas via iPhone. “Hoje, se compararmos com o passado, um casal sozinho consegue cuidar de quatro aviários, pois eles contam com sistemas de alarme, geradores de energia para o caso de faltar luz e automatização”, observa. Entretanto, no interior do país ainda há muitos aviários antigos, que demandam mais trabalho.

O número de produtores de orgânicos é quase três vezes maior do que em 2012. Em relação à criação de galinhas para a produção de ovos, o investimento nos aviários pode ser até maior, segundo o diretor geral da Plasson. “Na postura você tem que trabalhar em cima da cria e recria, produção e ver, por exemplo, se vai alojar as aves em gaiolas, que é o mais comum, ou se vai na linha que é uma tendência hoje de mercado, de criar as galinhas soltas. Isso gera um custo maior também”, observa Hobold.

De acordo com a ABPA, a produção de ovos no Brasil deve avançar 10% neste ano. Em 2018, 44,4 bilhões de unidades foram produzidas. Para 2019, a projeção é concluir o ano com 49 bilhões de unidades. As exportações devem alcançar 12 mil toneladas – 3% acima do desempenho do ano passado."



Fonte: Gazeta do Povo
Autor: João Rodrigo Maroni



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: