Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sexta-feira, 20/09/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Produção animal: adaptações ao aquecimento global

Categoria: Bem-estar Animal

São Paulo, 11/09/2019 |


A suinocultura e a avicultura sofrerão impactos do aquecimento global. O modo de produção intensivo, que utiliza confinamento e sistemas mecânicos de aclimatação, é bastante sensível e poderá estar exposto ao estresse térmico, apontou um time de pesquisadores de universidades da Áustria.

Também chamado de industrial, a produção de suínos e aves em confinamento se caracteriza pela alta densidade de indivíduos em edificações isoladas, com sistemas de ventilação mecânica. Segundo o estudo, o aquecimento global tem elevado o estresse térmico nas últimas décadas, com efeitos tanto para o bem-estar animal quanto econômico.

Estima-se que atualmente cerca de 50% da produção mundial de carne suína e 70% da produção mundial de aves têm origem em sistemas industriais. A expectativa é de que a produção deverá crescer no futuro – entre 3 e 3,5 vezes para suínos e 4,4 a 5 vezes para aves.

Na Europa central, o ambiente interno dos sistemas de confinamento é mais sensível ao estresse térmico em comparação com o ambiente externo. Principalmente porque as temperaturas internas são mais altas do que as temperaturas externas devido ao calor dos animais.
O aquecimento global pode interferir no controle das condições térmicas internas de edifícios de confinamento de animais. Medidas de adaptação podem ser mais difíceis de implementar em sistemas de confinamento do que em criações extensivas. E também levam a um aumento do custo.

Há duas estratégias principais de adaptação. A primeira está voltada para intervenções nas propriedades térmicas do edifício, modificando a liberação de calor sensível e latente. Por exemplo, o resfriamento do ar que entra no ambiente. A segunda busca manipular a vizinhança térmica dos animais, como o resfriamento do piso ou banhos de água.

A fim de investigar os efeitos do aquecimento global na suinocultura, os pesquisadores elaboraram um modelo computacional. A partir daí, simularam o ambiente interno de um edifício típico para esse tipo de criação em uma cidade da Áustria.
Eles utilizaram dados do período entre 1971 e 2000 para caracterizar as condições climáticas regionais. Consideraram um cenário de aquecimento global até meados deste século, no qual se estimou que a quantidade de dias de verão e de dias quentes deverá subir, bem como a temperatura média.

O estudo constatou que a implementação de medidas de adaptação reduz o estresse térmico e eleva a resiliência dos sistemas de confinamento. Entre as medidas analisadas, dispositivos de ventilação do ar que simultaneamente economizam energia apresentaram maior potencial de reduzir o estresse térmico, podendo chegar em até 100%.

Outras medidas de adaptação, como a redução da densidade animal ou a mudança do padrão de atividade dos animais para o período noturno, mostraram-se menos eficazes. Os pesquisadores concluíram que algumas das medidas existentes têm a capacidade de mitigar o estresse térmico adicional introduzido pelo aquecimento global.
Mais informações: Schauberger, G., Mikovits, C., Zollitsch, W. et al. Global warming impact on confined livestock in buildings: efficacy of adaptation measures to reduce heat stress for growing-fattening pigs. Climatic Change (2019).



Fonte: Ciência e Clima
Autor: Redação



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: