Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sábado, 24/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Soja: preços no Brasil driblam quedas de Chicago e sobem até 4% no interior nesta 2ª

Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 13/08/2019 |


Os preços da soja fecharam o pregão desta segunda-feira (12) com perdas de mais de 12 pontos - pouco mais de 1% - na Bolsa de Chicago depois dos números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). O milho fechou o dia com limite de baixa na CBOT, perdendo 25 pontos, e contaminou o mercado da oleaginosa, que recebeu um relatório neutro neste início de semana.

Analistas nacionais e internacionais já acreditavam na hipótese de que o milho poderia ser, de fato, a surpresa deste novo boletim mensal de oferta e demanda de agosto, porém, no caminho inverso. Se esperava, afinal, uma considerável revisão para baixo nos números de produção, produtividade e área norte-americanos e o USDA trouxe, por outro lado, um aumento do rendimento e da safra 2019/20 de milho dos EUA.

No entanto, o dia não foi negativo para os preços da soja no Brasil como no mercado futuro norte-americano. A alta de mais de 1% do dólar ajudou as referências nacionais a driblarem a pressão das cotações em Chicago e, em muitos locais, chegaram até a registrar valorizações bastante fortes.

Em Sorriso, Mato Grosso, tanto a soja disponível quanto a balcão subiram mais de 4% nesta segunda-feira, para terminarem os negócios com R$ 69,00 e R$ 65,00 por saca, respectivamente. Em São Gabriel do Oeste, Mato Grosso do Sul, a alta foi de 2,86% para R$ 72,00 e de 2,16% no Oeste da Bahia, para R$ 71,00/saca.

O principal suporte para as cotações no mercado nacional veio do dólar. Ao longo do dia, a moeda americana chegou a superar os R$ 4,00 pressionado pela aversão ao risco no exterior, alimentada, principalmente, pela situações da Argentina e da guerra comercial entre China e Estados Unidos.

No fechamento do dia, a divisa ficou com R$ 3,9837 e alta de 1,06%, registrando seu mais elevado patamar de fechamento desde maio último.

"Esperamos que a incerteza continue elevada em agosto conforme o próximo capítulo da guerra (comercial) entre EUA e China se desenrola", disseram estrategistas do Bank of America em nota a clientes. "A América Latina parece ser a região mais exposta dentre os emergentes", acrescentaram, segundo noticia a agência Reuters.

Além disso, a demanda interna aquecida também ajuda a criar um colchão para os indicativos da oleaginosa no mercado nacional. Segundo o consultor em agronegócios Ênio Fernandes, da Terra Agronegócios, as esmagadoras disputam a soja remanescente para garantir seu abastecimento até o final do ano, o que ajuda os preços a manterem uma tendência de alta.

E como explicou o diretor do Grupo Labhoro, Ginaldo Sousa, apesar de toda essa euforia em todas as frentes, o dia foi 'calmo' para o mercado brasileiro da soja. Os vendedores mantiveram sua cautela, os negócios foram escassos diante das incertezas trazidas pelo mercado internacional.

"Amanhã é outro dia e a soja pode até reagir positivamente (em Chicago), porque seus preços foram contaminados pelo limite de baixa do milho", disse, em entrevista ao Notícias Agrícolas nesta segunda.

Nos portos, a pressão de Chicago parece ter sido mais intensa e as cotações tiveram um leve recuo. As baixas foram de 0,60% a 0,61% entre os portos de Paranaguá e Rio Grande, com as referências entre R$ 81,50 e R$ 83,50 por saca.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Carla Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: