Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sábado, 24/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
De volta ao azul, BRF ganha R$ 1,5 bi

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 12/08/2019 |


Uma expressiva recuperação dos preços do frango nos mercados internacional e doméstico impulsionou o resultado da BRF no segundo trimestre, surpreendendo até mesmo investidores que já exibiam otimismo com as perspectivas para o futuro da dona de Sadia e Perdigão.

Divulgado na manhã da última sexta-feira, o balanço da BRF no segundo trimestre foi bem recebido. As ações da empresa subiram 5,1% na B3, fechando o pregão cotadas a R$ 38,16. Com isso, o valor de mercado aumentou em quase R$ 1,5 bilhão. Na sexta-feira, a BRF estava avaliada em R$ 31 bilhões.

Desde o começo do ano, a valorização é substancial. Os papéis da BRF acumulam alta de 73,9% e, em valor de mercado, a empresa de alimentos ganhou R$ 13,4 bilhões.

Até sexta-feira, o movimento de valorização das ações da BRF refletia, principalmente, às perspectivas positivas dos investidores com os impactos da peste suína africana na China sobre as exportações. Não havia, até a divulgação do balanço do segundo trimestre, um resultado claramente positivo da BRF.

A situação mudou drasticamente no segundo trimestre, quebrando uma incômoda série de seis trimestres no vermelho. Entre abril e junho, a empresa teve um lucro líquido (atribuído aos sócios da controladora) de R$ 322,8 milhões. No mesmo período de 2018, a BRF registrou um prejuízo de quase R$ 1,5 bilhão.

Se considerada apenas as operações continuadas - ou seja, excluindo os ativos no exterior que a BRF vendeu ao longo do segundo trimestre -, o lucro líquido da companhia foi de R$ 191 milhões.

Graças aos melhores preços, a receita líquida da BRF cresceu 18% na comparação anual, atingindo R$ 8,3 bilhões. Nesse processo, o preço médio dos produtos vendidos pela BRF subiu 17,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado e 4,5% sobre os primeiros três meses de 2019.

Nesse cenário, a BRF recuperou os níveis de rentabilidade históricos. No segundo trimestre, a margem de lucro antes juros, impostos, de depreciação e amortização (Ebitda) ajustada chegou a 14,6%, ante apenas 5% um ano antes. Vale lembrar que o resultado do segundo trimestre de 2018 foi bastante prejudicado pela greve dos caminhoneiros e pelo embargo da União Europeia à BRF.

Em relatório enviado a clientes, o BTG Pactual considerou "excepcional" o desempenho da BRF. Leandro Fontanesi, do Bradesco BBI, decidiu elevar o preço-alvo para as ações da BRF no fim de 2020, de R$ 44 para R$ 50, o que representa um potencial de valorização de mais de 30%.

A avaliação na BRF também é que o bom momento está apenas no início. Na sexta-feira, durante teleconferência com analistas, o CEO da BRF, Lorival Luz, afirmou que o impacto da peste suína africana ainda foi marginal no segundo trimestre - concentrado nas exportações para Japão e China em junho.

Diante do quadro positivo, a BRF revisou a meta de redução do índice de alavancagem (relação entre Ebitda em doze meses e dívida líquida). Agora, a empresa prevê que o índice chegará a 3,15 vezes no fim de 2019. A meta anterior era de 3,65 vezes. No segundo trimestre, o índice de alavancagem já caiu de forma relevante. No fim de junho, o índice alcançou 3,74 vezes, ante 5,64 vezes em março.

Embora a alavancagem tenha caído, o BTG considera que o endividamento da BRF está longe de ser confortável. Os analista Thiago Duarte e Henrique Brustolin divergem da forma como a empresa calculou o índice de alavancagem, não incluindo na dívida os arrendamentos mercantis e um fundo de antecipação de recebíveis (FDIC). Pelos cálculos do BTG, o índice seria de 4,8 vezes se esses dois itens fossem considerados.

Perguntado pelo Valor, o CEO da BRF defendeu a forma de contabilização. "O cálculo que a gente faz é aquele auditado e com toda a transparência", afirmou Luz, ressaltando que, mesmo considerando os arrendamentos, o índice de alavancagem ainda teria caído de maneira expressiva, de 5,64 vezes para 4,09 vezes.





Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: