Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sábado, 24/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Mais carnes para o Vietnã

Categoria: Empresas

Belo Horizonte, MG, 12/08/2019 |


No embalo das ondas nervosas que têm movimentado o comércio internacional, com a guerra travada entre os Estados Unidos e a China, os mercados do Vietnã e alguns destinos novos nas Américas é que despontam no esforço redobrado de empresas de Minas Gerais, a exemplo da Pif Paf Alimentos e da Forno de Minas, para expandir sua presença em outras fronteiras. A Pif Paf, uma das maiores indústrias brasileiras de processamento de aves e suínos, está na etapa final de habilitação para aumentar os volumes de cortes de frango embarcados ao país da Ásia.

Há pelo menos 12 anos, a companhia mineira, que produz cerca de 22 mil toneladas por mês de carnes processadas, embutidos e massas, comercializa 2 mil toneladas por ano no Vietnã. A preferência do parceiro comercial são pés e asas, com origem na unidade fabril de Visconde do Rio Branco, na Zona da Mata mineira. A companhia participa de processos para acesso também ao mercado chinês.

Édson Cavalcante, gerente de comércio exterior da Pif Paf, é enfático ao falar da importância de participar do consumo asiático, tanto assim que a empresa vende 15 mil toneladas por ano a clientes no Japão, Cingapura e Hong Kong, além do Vietnã. “Com o recente surto de peste suína, que dizimou parte dos rebanhos asiáticos, há uma demanda latente desses países em busca de proteína brasileira”, afirma Cavalcante.

De fato, o governo vietnamita admitiu em meados de maio último ter sacrificado mais de 1,2 milhão de porcos infectados com peste suína africana, enquanto o vírus se espalha pelo Sudeste da Ásia. Com 95 milhões de habitantes, o Vietnã concentra na carne de porco três quartos de todo o seu consumo da proteína. A maioria do rebanho suíno local, de 30 milhões de animais, é criada em ambiente doméstico.

Os números explicam a oportunidade aberta por uma tragédia ao Brasil e que encheram os olhos da ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, durante viagem oficial de 16 dias, em maio e junho, à Ásia. À época, ela comemorou o interesse do Vietnã de importar gado em pé, frutas, soja e milho. Como nem tudo são flores, o governo vietnamita adiou, sem definir nova data, missão técnica que deveria ter chegado ao Brasil na última segunda-feira, como parte das negociações para incrementar as exportações brasileiras ao país.

O governo de Minas também buscou estreitar relações com o Vietnã durante encontro do embaixador Do Ba Khoa, em 30 de julho, com os secretários estaduais de Desenvolvimento Econômico, Vitor de Mendonça; de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ana Valentini; e de Cultura e Turismo, Marcelo Matte. As chances de a produção mineira fincar bandeira no mercado vietnamita estariam nos setores de tecnologia farmacêutica, comércio, agricultura, turismo e cultura.

A balança de comércio de Minas com o Vietnã tem apresentado saldo positivo, que, no ano passado, alcançou US$ 150,8 milhões. A quantia foi resultado de exportações de US$ 167,6 milhões e importações de US$ 16,8 milhões. Minas ocupa o quarto lugar no ranking de estados que mais exportam ao Vietnã, embarcando principalmente minério de ferro, milho e farelo de soja.



Fonte: Estado de Minas
Autor: Marta Vieira



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: