Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quarta-feira, 16/10/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Recorde na exportação de milho

Categoria: Matérias-Primas

São Paulo, 18/06/2019 |


Depois de sofrer com quebras de safra no ano passado, o produtor brasileiro de milho tem motivos para comemorar. Devido à antecipação do plantio, a produtividade do ciclo 2018/19 - que está saindo dos campos agora - será recorde. A consultoria Agroconsult projeta rendimento de 101 sacas de 60 quilos por hectare na safrinha. Com isso, a produção da segunda safra deverá somar 74,6 milhões de toneladas, o que significa um aumento de 38% em relação à temporada passada.

Considerando também a safra de verão, já colhida, a produção total de milho no Brasil deverá alcançar 101,2 milhões de toneladas nesta safra 2018/19, crescimento de 25%.

Mas o maior volume colhido, por si só, não seria tão animador. O que beneficia os produtores é a demanda externa, impulsionada pela quebra de safra americana. Além disso, a perspectiva de maior demanda por carnes da China, que sofre com um surto de peste suína africana, tende a aumentar a produção de ração - feita com milho, sobretudo - no país.

"Não fosse a virada com a futura quebra da safra americana, teríamos de fazer o Natal com pamonha", brincou ontem o sócio-diretor da Agroconsult, André Pessôa, em evento em São Paulo. A consultoria elevou a perspectiva de exportações de 32 milhões para 38 milhões de toneladas, bem acima do recorde de cerca de 30 milhões de 2015 e de 2017. Em 2018, foram 23,5 milhões, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura.

"A dúvida hoje é se 38 milhões é o número mesmo ou se vai ter de revisar para cima", afirmou Pessôa. Segundo ele, o desenvolvimento da safra americana poderá ser pior que o previsto e abrir mais espaço para Brasil e Argentina. Para Cesário Ramalho da Silva, presidente da Aliança Internacional do Milho, dada a boa produtividade as exportações poderão atingir até 40 milhões de toneladas. "E os preços poderão subir com a quebra nos EUA", disse.

Mas esse o otimismo não é unânime. "Não acho que tem mercado para tudo isso. A gente trabalha com um número de até 32 milhões de toneladas", disse Lucas Eduardo de Brito, assistente executivo da A Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec). Apesar do cenário mais pessimista traçado, Sérgio Mendes, diretor-executivo da entidade, não descarta reviravoltas. "A gente tem de lembrar que as exportações de milho vão em soluço".

No mercado interno, a demanda também vai ser recorde. A indústria de ração deverá demandar neste ano 51,7 milhões de toneladas, reflexo do aumento das exportações de suínos e frango. Considerando o milho destinado para a produção de etanol, a demanda interna deve chegar a 62,8 milhões de toneladas, conforme a Agroconsult. "Primeira vez na história o consumo vai superar 60 milhões de toneladas", disse Pêssoa. (Colaborou Fernando Lopes)







Fonte: Valor
Autor: Kauanna Navarro



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: