Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Segunda-feira, 22/07/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Consumo de carne suína em baixa na China

Categoria: Mercado

São Paulo, SP, 14/06/2019 |


A crise gerada pelo surto de peste suína africana na China já reverbera no consumo do país. Segundo o banco holandês Rabobank, com o aumento das preocupações da população com segurança alimentar, a demanda por carne suína caiu de 10% a 15% no primeiro quadrimestre ante o mesmo período de 2018.

Conforme estudo assinado pelo analista Chenjun Pan, a estimativa é baseada em dados do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China, que mostraram que o abate de suínos em grandes matadouros diminuiu 8% de janeiro a abril.

"Dada a proporção de matadouros de grande escala na produção total - e supondo algum aumento dessas unidades na participação de mercado, já que muitos pequenos matadouros fecharam desde o primeiro caso de peste africana relatado -, o abate total na China deve ter recuado de 10% a 15%", diz Pan.

Segundo a análise divulgada, os preços da carne suína estão estáveis no mercado chinês, o que sugere que oferta e demanda estão relativamente equilibradas - daí a queda calculada para o consumo interno.

O Rabobank aponta que é difícil de projetar a queda do plantel de suínos no país por causa da doença - as perdas estimadas variam de 20% a 70%. O Ministério da Agricultura chinês informou uma retração de 22% no número de matrizes de janeiro a abril, mas essa é uma das estimativas mais otimistas.

O estudo lembra, contudo, que a estabilidade de preços pode ser consequência, ainda, da liberação de carne de suína congelada armazenada antes que as inspeções obrigatórias da autoridade sanitária tenham início, em 1º de julho, e pelo abate de animais em regiões do sul do país recentemente afetadas.

Com relação ao comportamento dos preços de proteínas substitutas, o Rabobank mostra que os aumentos não são uniformes. Enquanto a carne de peito de frango, muito utilizada no processamento e em serviços alimentícios, registra forte alta este ano - só em maio o aumento foi de 44% -, as carnes bovina, ovina e de outros cortes de frango subiram mais modestamente no varejo: 6%, 11% e 8% em maio, respectivamente.

"A substituição de suínos está ocorrendo sobretudo nos canais B2B [entre players da indústria], amplamente baseada na preocupação dos consumidores com segurança alimentar", afirma o Rabobank. A avaliação é que os processadores de alimentos podem ter passado a recorrer mais à carne suína importada ou a outras proteínas. Subcategorias de food service como cantinas de escolas ou refeitórios de fábricas também podem ter mudado de proteína em razão do mesmo temor.



Fonte: Valor
Autor: Kauanna Navarro



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: