Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Domingo, 25/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
“China sustenta a agricultura do Brasil", diz Charles Tang

Categoria: Mercado Externo

Campinas, SP, 11/06/2019 |


“O setor agrícola sustenta a economia brasileira e a China sustenta a agricultura do Brasil”, lembrou ontem Charles Tang, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, durante evento promovido pela Syngenta em Campinas (SP).

Com a lembrança, Tang quis deixar claro que declarações não amistosas do presidente Jair Bolsonaro a respeito do comércio com a China não podem ameaçar a relação comercial que existe entre os dois países.

“Quando o candidato Bolsonaro falou sobre China em termos não tão positivos, eu disse que quando ele assumisse ia ver que o que conta são interesses nacionais, e não preferências pessoais”, disse. "Temos de lembrar que as economias brasileira e chinesa são complementares e que as economias brasileira e americana são concorrentes”.

Nesse cenário, a relação entre Brasil e China não mudará nem com um acordo comercial entre Washington e Pequim. “As oportunidades Brasil-China são crescentes. Mesmo tendo um acordo - e vai ter, porque é necessário -, ainda existe uma relação. A confiança é como um vaso: depois de quebrar, é difícil colar de novo”, ressaltou.

Nessa lógica, Tang acredita que o Brasil é um país estratégico e parceiro fundamental da China. O país asiático é o principal mercado às exportações brasileiras de soja e de carnes, e um dos principais no caso do algodão. Mas as relações comerciais podem ser aprofundadas.

“O Brasil não se vende, ele é comprado. Num supermercado chinês, você compra vinhos de todo lugar do mundo, menos do Brasil”, observou. Outras áreas que poderiam ser melhor exploradas, avalia, é o comércio de frutas e uma das grandes especialidades do Brasil: café.

“O mercado de frutas chinês tem grande potencial para o Brasil e o consumo de café está aumentando muito na China", lembrou.

A crise de abastecimento de proteínas gerada no gigante asiático pelo surto de peste suína não deverá diminuir a demanda do chinês por carne suína. “A carne suína para o chinês é igual ao feijão preto para o carioca: não pode faltar”, disse. E o Brasil, acredita, deverá ser beneficiado nessa maior demanda pelo produto no mercado internacional.

“O agronegócio brasileiro depende da China. É bom lembrar: quando um negócio é bom, é da China, quando é ruim, é russo”, brincou.



Fonte: Valor
Autor: Kauanna Navarro



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: