Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Terça-feira, 18/06/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Falta de crédito rural com taxas controladas motiva busca por opções

Categoria: Política Agrícola

Campinas, SP, 11/06/2019 |


A escassez de crédito para financiar o agronegócio tem feito setores público e privados buscarem alternativas. Algumas delas fazem parte de uma Medida Provisória (MP) que ainda está sendo preparada, segundo afirmou ontem o subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri.

Em evento promovido pela Syngenta em Campinas (SP), Boueri lembrou que depósitos à vista - 30% têm de ser direcionado para o crédito agrícola - estão minguando. “A principal forma de financiamento do agronegócio está sumindo”, disse.

Uma das alternativas é lançar o fundo de aval fraterno por meio de MP. Com essa ferramenta, um grupo de produtores faz um fundo e se avalizam. Em seguida, o grupo é avalizado pelos bancos e indústrias credoras e pelo Tesouro Nacional.

Outra alternativa que pode ser usada para financiar negócios é possibilitar a emissão da tradicional Cédula de Produto Rural (CPR) em dólar e possibilitar que ela seja lastreada em moeda americana, bem como a emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). “Essa MP está na mira para ser lançada junto com o Plano Safra”, disse.

Usar a linha de Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) Giro Rural como forma de financiar dívidas também esta sendo considerada. “Vamos reativar o FAT Giro Rural. Não precisamos de medida provisória para isso. Nenhuma dessas coisas é uma bala de prata, mas vão facilitar muito a renegociação de dívidas”, afirmou.

Boueri reafirmou que o governo está trabalhando para que os recursos para o programa de subsídios do seguro rural atinjam R$ 1 bilhão no próximo orçamento do Plano Safra 2019/20.

“A ministra Tereza [Cristina] e o ministro [Paulo] Guedes têm defendido que temos de sair do subsídio do crédito para o subsídio do seguro”, afirmou. Segundo ele, é uma forma de distribuir esses subsídios de forma mais abrangente.

“Precisaremos aumentar as taxas de juros [do Plano Safra], mas não será um aumento significativo. Nós da economia temos uma mão mais pesada que a Tereza Cristina, mas ela deixaria pesarmos demais a mão”.



Fonte: Valor
Autor: Kauanna Navarro



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: