Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
Informativo Estatísticas
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Domingo, 12/07/2020
Siga-nos:
CLIPPINGS
Milho fecha 2ª feira com cotações misturadas em Chicago

Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 11/06/2019 |


Após operar durante todo o deia no campo negativo, os preços internacionais do milho futuro encerram a segunda-feira (10) com resultados misturados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram movimentações entre 0,25 negativo, zero e 1,00 positivo.

O vencimento julho/19 foi cotado à US$ 4,15, o setembro/19 valeu US$ 4,24 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,34.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho passaram grande parte da sessão de hoje tentando permanecer no verde, mantendo-se praticamente estável até o fim, já que alguma incerteza ainda persiste sobre o ritmo de plantio da semana passada, que o USDA irá atualizar no final da tarde em seu relatório semanal de progresso da colheita.

Os analistas esperam que o USDA mostre que 83% da safra de milho dos EUA deste ano foi plantada até 9 de junho. As estimativas variaram entre 79% e 89%. A safra deste ano também obtém sua primeira classificação de qualidade sazonal na tarde de segunda-feira, com analistas esperando que o USDA mostre 54% em condição boa a excelente.

De acordo com informações da Agência Reuters, os agricultores podem parar de tentar plantar milho agora, mesmo que o clima melhore, porque o plantio tardio pode reduzir os rendimentos. Normalmente, o plantio de milho é concluído nesta época do ano.

“Independentemente de ter mais chuva ou ficar sem chuva, não são muitos caras que vão plantar milho após o dia 10 de junho”, disse Jim Gerlach, presidente da A/C Trading em Indiana.

Mercado interno

Já no mercado interno, os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, a única praça que apresentou desvalorização foi Não Me Toque (1,69% e preço de R$ 30,00).

As desvalorizações apareceram em Campinas/SP (1,29% e preço de R$ 37,43), Castro/PR (1,41% e preço de R$ 35,00) e Brasília/DF (3,33% e preço de R$ 29,00).

Para a Radar Investimentos os preços no mercado físico do milho estiveram mais comportados desde o último final da semana. As preocupações com o plantio norte-americano tiveram alívio, o dólar recuou e a colheita da safrinha fica mais evidente no Paraná e no Mato Grosso.

Ainda nessa segunda-feira, o Cepea divulgou sua nota semanal apontando que, após o forte movimento de alta dos preços na segunda quinzena de maio, o enfraquecimento da demanda tem limitado as elevações neste início de junho – ou até mesmo pressionado os valores – em algumas regiões.

Segundo colaboradores do Cepea, compradores se mostram abastecidos e, por isso, postergam novos negócios, à espera da entrada efetiva do milho da segunda safra. Do lado da oferta, o avanço da colheita nas principais regiões produtoras eleva a disponibilidade interna e pressiona as cotações.

Alguns vendedores, no entanto, aguardam maior definição sobre a safra norte-americana – diante do atraso no semeio de milho nos Estados Unidos, esses vendedores mantêm a expectativa de aumento das exportações brasileiras e, consequentemente, de novas reações nos preços internos.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Guilherme Dorigatti



COMENTÁRIOS






ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE