Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Domingo, 25/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Milho fecha 2ª feira com cotações misturadas em Chicago

Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 11/06/2019 |


Após operar durante todo o deia no campo negativo, os preços internacionais do milho futuro encerram a segunda-feira (10) com resultados misturados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram movimentações entre 0,25 negativo, zero e 1,00 positivo.

O vencimento julho/19 foi cotado à US$ 4,15, o setembro/19 valeu US$ 4,24 e o dezembro/19 foi negociado por US$ 4,34.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços do milho passaram grande parte da sessão de hoje tentando permanecer no verde, mantendo-se praticamente estável até o fim, já que alguma incerteza ainda persiste sobre o ritmo de plantio da semana passada, que o USDA irá atualizar no final da tarde em seu relatório semanal de progresso da colheita.

Os analistas esperam que o USDA mostre que 83% da safra de milho dos EUA deste ano foi plantada até 9 de junho. As estimativas variaram entre 79% e 89%. A safra deste ano também obtém sua primeira classificação de qualidade sazonal na tarde de segunda-feira, com analistas esperando que o USDA mostre 54% em condição boa a excelente.

De acordo com informações da Agência Reuters, os agricultores podem parar de tentar plantar milho agora, mesmo que o clima melhore, porque o plantio tardio pode reduzir os rendimentos. Normalmente, o plantio de milho é concluído nesta época do ano.

“Independentemente de ter mais chuva ou ficar sem chuva, não são muitos caras que vão plantar milho após o dia 10 de junho”, disse Jim Gerlach, presidente da A/C Trading em Indiana.

Mercado interno

Já no mercado interno, os preços do milho disponível permaneceram sem movimentações em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, a única praça que apresentou desvalorização foi Não Me Toque (1,69% e preço de R$ 30,00).

As desvalorizações apareceram em Campinas/SP (1,29% e preço de R$ 37,43), Castro/PR (1,41% e preço de R$ 35,00) e Brasília/DF (3,33% e preço de R$ 29,00).

Para a Radar Investimentos os preços no mercado físico do milho estiveram mais comportados desde o último final da semana. As preocupações com o plantio norte-americano tiveram alívio, o dólar recuou e a colheita da safrinha fica mais evidente no Paraná e no Mato Grosso.

Ainda nessa segunda-feira, o Cepea divulgou sua nota semanal apontando que, após o forte movimento de alta dos preços na segunda quinzena de maio, o enfraquecimento da demanda tem limitado as elevações neste início de junho – ou até mesmo pressionado os valores – em algumas regiões.

Segundo colaboradores do Cepea, compradores se mostram abastecidos e, por isso, postergam novos negócios, à espera da entrada efetiva do milho da segunda safra. Do lado da oferta, o avanço da colheita nas principais regiões produtoras eleva a disponibilidade interna e pressiona as cotações.

Alguns vendedores, no entanto, aguardam maior definição sobre a safra norte-americana – diante do atraso no semeio de milho nos Estados Unidos, esses vendedores mantêm a expectativa de aumento das exportações brasileiras e, consequentemente, de novas reações nos preços internos.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Guilherme Dorigatti



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: