Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Domingo, 25/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Molina busca capital para fusão com BRF

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 07/06/2019 |


O empresário Marcos Molina, principal acionista e presidente do conselho de administração da Marfrig, iniciou nesta semana conversas com potenciais interessados em algumas unidades da companhia, apurou o Valor. Em meio às negociações com a BRF, mirando uma fusão que criaria a quarta maior empresas de carnes do mundo, com faturamento da ordem de R$ 80 bilhões por ano, Molina estaria em busca de R$ 2 bilhões com as vendas de ativos.

Paralelamente, afirmam fontes consultadas pela reportagem, Molina também estaria em busca de uma linha de crédito para comprar mais ações após a criação da nova companhia e fortalecer sua posição acionária individual no resultado da fusão. Pelos termos atuais, ele terá 5,5%.

"Molina está no modo 'tudo ao mesmo tempo agora'. Ele quer assegurar que não terá obstáculos, de sua parte, para a fusão e que, na empresa resultante, terá posição relevante", descreveu uma fonte próxima à operação.

Quatro fontes afirmaram que Molina já ofereceu um ativo no Uruguai ao grupo chinês Fosun e tratou, em reunião preliminar, sobre a venda de plantas em São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul com dois grupos brasileiros. Um desses grupos seria a JBS. Nem Molina nem a Marfrig comentaram a informação. Procurada, a JBS não se manifestou, mas uma fonte ligada à companhia negou a informação. A Fosun não respondeu.

Segundo as fontes que chamaram a atenção para as conversas iniciadas por Molina, os recursos obtidos com a venda de ativos serviriam para compor o pagamento da "put" (opção de venda de ações) que os acionistas da americana National Beef tem com a Marfrig, sua controladora.

Uma das pessoas com conhecimento do assunto afirmou que Molina teria se comprometido com a BRF a solucionar a questão financeira da "put". Essas fontes dizem que a "put" pode ser exercida em caso de troca de controle da Marfrig - e, como na empresa resultante da fusão, a BRF terá a maior parte da composição de capital, configuraria essa mudança.

Esse capital seria uma garantia extra, uma vez que a companhia acredita que a cláusula será negociada e que os acionistas minoritários da National Beef terão interesse em ficar na nova companhia. "O Marcos diz que a 'put' não será disparada, porque ninguém vai assumir mais de 50% da Marfrig, e está confiante de que os sócios na National Beef vão gostar da fusão", disse um interlocutor do empresário.

A Marfrig anunciou a aquisição de 51% da National Beef em abril do ano passado, por cerca de US$ 1 bilhão. Com o negócio, tornou-se a segunda maior empresa de carne bovina do mundo, atrás da JBS e superando a também americana Tyson Foods. A "put" teria um valor semelhante, da ordem de US$ 1 bilhão, segundo uma fonte.

Também com esse propósito de garantia extra, o empresário teve conversas com bancos para obter uma linha de crédito no modelo stand by (que não necessariamente será utilizada), apurou o Valor. A conversa de Molina com bancos como Bradesco e J.P. Morgan , entre outros, tratam da linha stand by e de outra linha, que seria pessoal para Molina. O J.P. Morgan é também o assessor da Marfrig na fusão.

Os bancos não comentam informações sobre potenciais ou atuais clientes e, nesse caso, fontes próximas a Molina são taxativas: o empresário não procurou os bancos com essa intenção, ainda que vários deles tenham batido à sua porta.

Uma das fontes diz que o ideal, para o empresário, seria já ter mais ações da Marfrig, aproveitando o desconto de seu múltiplo em relação ao da BRF e de potencial múltiplo da nova companhia. Mas seria mais difícil obter crédito na situação atual, e mais fácil obter na consolidação da nova companhia.

"Fazer esse movimento antes da fusão sair seria simplesmente aumentar sua exposição à Marfrig, não faria sentido", complementa a fonte. Além disso, o empresário não poderia fazer esse movimento de aumento de participação na Marfrig com a negociação em andamento - o que descarta esse possibilidade.

Molina quer chegar a uma participação da ordem de 10% da nova empresa para ter uma posição confortável de influência no negócio, afirmaram duas pessoas que participam do processo.

Desde o anúncio das empresas sobre assinatura de memorando de entendimentos para potencial fusão, na quinta-feira passada, as ações da BRF caíram 5,5% e as ações da Marfrig caíram 2,8%.



Fonte: Valor
Autor: Maria Luíza Filgueiras e Fernando Lopes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: