Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sexta-feira, 24/05/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Governo tenta destravar aval de frigoríficos para vender à China

Categoria: Exportação

Brasília, 26/04/2019 |


O secretário de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Orlando Leite Ribeiro, disse nesta quinta-feira que a Pasta ainda vem negociando com o governo chinês como sanar as inconformidades detectadas na inspeção feita por técnicos do país asiático a dez frigoríficos brasileiros em novembro do ano passado. O assunto será tratado na primeira viagem da ministra Tereza Cristina à China, agendada para maio.

A expectativa era que a auditoria culminasse na habilitação de até 78 plantas aptas a exportar aos chineses, porém o relatório apresentado por Pequim não trouxe qualquer novidade.

“Houve uma missão da China ao Brasil e havia um entendimento de que, se nós conseguíssemos uma boa avaliação, poderíamos - o que para a China é uma exceção - habilitar até 78 estabelecimentos de carnes bovina, de frango e suína. Essa missão encontrou inconformidades, que não são graves, mas estamos analisando com eles o que fazer para avançar nesse tema”, afirmou Ribeiro a jornalistas, após o seminário “Agricultura e Biotecnologia - Brasil e China”, organizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

A habilitação de mais abatedouros para exportar carnes para a China vem gerando uma disputa intensa entre as empresas com unidades “selecionáveis”. A própria ministra se irritou recentemente com a falta de integração no segmento.

O secretário ponderou que, apesar de ser grande exportador de proteínas animais, o Brasil tem potencial para exportar “muito mais”, sobretudo num contexto em que a China vem sofrendo com os estragos causados pela peste suína africana. O surto pode comprometer até 20% do rebanho suíno chinês, comentou.
“A China passa por um momento muito grave, mas quem tem as maiores condições de suprir essa demanda é o Brasil. E a disposição é grande para colocar esse relacionamento em outro patamar", acrescentou.

A respeito de barreiras comerciais impostas nos últimos anos pelos chineses às exportações agropecuárias brasileiras, o secretário disse que é preciso “relativizar” a questão, uma vez que a China é o maior país comprador desses produtos do Brasil. “É claro que temos problemas, porque nossa relação é intensa”.



Fonte: Cristiano Zaia
Autor: Valor



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: