Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sexta-feira, 26/04/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Venda de ativos frustra expectativas e adia 'ajuste' da BRF

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 08/02/2019 |


À frente da BRF desde 27 de abril do ano passado, Pedro Parente encerrou ontem sua primeira missão na endividada companhia. O plano de emergência com o qual buscava R$ 5 bilhões para diminuir o passivo foi cumprido parcialmente, o que desapontou os investidores. Em razão do impasse envolvendo a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit), a BRF teve uma frustração de receita da ordem de R$ 1 bilhão nas vendas de ativos operacionais.

Com isso, a única promessa de Parente teve de ser flexibilizada. Pelos planos iniciais, o índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado) da BRF deveria cair das 6,7 vezes registradas em setembro para 4,35 vezes no balanço que será divulgado em 28 de fevereiro.

No entanto, como a empresa recebeu menos do que esperava, a redução da alavancagem será mais lenta. Ontem, a BRF informou que o índice deverá ficar próximo de 5 vezes. A frustração de receita também afetou a projeção para o fim de 2019. Agora, a expectativa é que o índice de alavancagem atinja 3,65 vezes em 31 de dezembro. Inicialmente, a BRF imaginava 3 vezes.

Diante da revisão nas metas, os investidores reagiram mal, anulando a forte valorização das ações que ocorreu na terça-feira, quando Ivan Monteiro, ex-presidente da Petrobras, foi indicado para a vice-presidência financeira e de reações com investidores. Na B3, as ações da BRF recuaram 4% ontem, maior baixa do Ibovespa.

A decepção dos investidores foi conhecida na madrugada de quinta-feira, quando a Tyson Foods, maior empresa de carnes dos EUA, anunciou a aquisição dos ativos da BRF na Europa e na Tailândia por US$ 340 milhões (R$ 1,264 bilhão, conforme cálculos do Valor Data).

Esses eram os últimos ativos à venda no plano de desinvestimentos. Entre dezembro e janeiro, a BRF já havia vendido as operações na Argentina e uma fábrica de hambúrguer no Brasil. Ao todo, a empresa obteve R$ 1,9 bilhão com a venda de ativos operacionais, abaixo dos R$ 3 bilhões projetados. Somados a outras medidas (sobretudo de gestão de capital de giro), a BRF conseguiu cerca de R$ 4 bilhões. Foi a frustração na venda de ativos, portanto, que impediu os R$ 5 bilhões.

Apesar disso, Parente sustentou que o plano de emergência foi bem sucedido na visão do conselho de administração da BRF e também do time de executivos. Segundo ele, a companhia garantiu uma trajetória descendente da alavancagem.

Com os recursos do plano de desinvestimentos e a rolagem de empréstimos já feita, a BRF pode pagar todas as dívidas que vencem em 2019. Ao final do processo, sobrariam cerca de R$ 5,8 bilhões, montante mais do que suficiente para a companhia tocar o dia a dia. Segundo Lorival Luz, vice-presidente executivo da BRF, o caixa mínimo necessário é de R$ 5 bilhões.

Sendo assim, frisaram Luz e Parente, a BRF não precisa vender mais ativos. "Não há qualquer necessidade de caixa adicional", afirmou o vice-presidente. A analistas, Parente admitiu que a BRF chegou a considerar a venda de mais ativos para atingir a meta de R$ 5 bilhões, mas que o conselho de administração chegou à conclusão de que isso não será necessário, ao menos no curto prazo.

A avaliação foi essa porque a companhia aposta na recuperação gradual dos negócios. O entendimento é que as turbulências - investigações da Polícia Federal, embargo da União Europeia, preços elevados dos grãos - foram superadas ou estão em vias de ser. No caso do mercado de frangos e suínos, os preços ajudam, acrescentou Luz.

De acordo com o vice-presidente da BRF, o preço da carne de frango aumentou 50% na comparação com igual período do ano passado, e o da carne suína, 20%. Nesse cenário, a empresa vai voltar a gerar fluxo de caixa livre em 2019, disse Parente.

Paralelamente, a BRF dará início à segunda fase do processo de alongamento de sua dívida, que somava R$ 22 bilhões em setembro. Para isso, a empresa contará com a experiência de Ivan Monteiro, que fez o mesmo processo na Petrobras.

Em relação à Monteiro, aliás, chamou atenção a forma como a BRF citou o executivo na teleconferência. Em uma tentativa de afastar especulações de que o ex-Petrobras será uma "ameaça" em seu caminho rumo ao posto de CEO, Lorival Luz mencionou, espontaneamente, as qualidades do executivo e as missões que ele terá na BRF.

Ao deixar a tarefa de explicar os objetivos de Monteiro a Luz, Parente prestigiou o vice-presidente em um momento de desconfiança dos investidores. Luz está sendo preparado para assumir o cargo de CEO global da BRF até meados de junho, prazo final para que Parente deixe de acumular os cargos de presidente do conselho e de presidente-executivo.

A intenção da BRF é que, juntos, Luz e Monteiro façam com que, até 2020, a empresa recupere os níveis históricos de rentabilidade - margens de 10%, segundo analistas. A melhora operacional será vital para que o índice de alavancagem de longo prazo da BRF fique entre 1,5 vez e 2 vezes. Se tudo der certo, a BRF estará pronta para aquisições em 2021, sobretudo na Arábia Saudita. Enquanto isso, a companhia busca parcerias.



Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: