Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sexta-feira, 26/04/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
BRF vende fábricas no exterior à Tyson Foods por US$ 340 milhões

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 07/02/2019 |


A BRF assinou, na madrugada desta quinta-feira, a venda das operações na Tailândia e Europa para Tyson Foods, por US$ 340 milhões (R$ 1,258 bilhão, considerando o fechamento da moeda americana ontem). A transação foi anunciada às 5 horas pela Tyson. Na prática, a venda das operações na Europa e Tailândia (quatro fábricas no país asiático, uma na Holanda e uma no Reino Unido) representa um revés para a BRF, que não conseguiu atingir a meta de obter R$ 3 bilhões com a venda de ativos — somando as medidas de capital de giro, o plano de monetização é de R$ 5 bilhões.

Antes de se desafazer dos ativos à Tyson, a companhia já havia obtido pouco mais de R$ 500 milhões com a venda das operações na Argentina e de uma fábrica de hambúrguer no Brasil.

Conforme o Valor apurou, um dos pontos que tornou as negociações entre Tyson e BRF mais difíceis foi o impasse em torno da saída do Reino Unido da União Europeia (UE). A Tyson barganhou preço devido ao Brexit. Analistas consideram que as empresas de carne de frango do Reino Unido podem ser seriamente afetadas.

No caso dos ativos da BRF, o Reino Unido tinha relevância. Além de uma fábrica na região, a operação tailandesa é intrinsicamente vinculada àquele país europeu.

O frango cozido produzido pela tailandesa Golden Foods Siam, controlada pela BRF, é quase que totalmente exportado para o território britânico por meio da distribuidora Universal Meats, também controlada pela BRF.

A BRF comprou a Golden Foods e a Universal Meats no início de 2016, pagando US$ 410 milhões — sendo US$ 360 milhões pela tailandesa. Ao vender os ativos à Tyson por apenas US$ 360 milhões, a BRF amargará uma perda contábil (não caixa) de ao menos US$ 70 milhões (cerca de R$ 260 milhões).

Ao receber menos do que esperava na venda das operações na Europa e Tailândia, a BRF terá de estender o prazo para atingir a meta de redução do índice de alavancagem (relação entre dívida líquida e Ebitda ajustado nos últimos doze meses) em seis meses.

Em meados do ano passado, a companhia anunciou a meta de atingir um índice de alavancagem pro forma de 3,35 vezes no balanço de 2018, que será divulgado em 28 de fevereiro.

No entanto, a empresa conseguiu R$ 4,1 bilhões com o plano de venda dos ativos, sendo pouco menos de R$ 2 bilhões com a venda de ativos. Em fato relevante divulgado na manhã desta quinta-feira, a BRF informou que o índice de alavancagem pro forma agora ficará em 5 vezes. Em setembro, esse índice estava em 6,7 vezes.

Para o fim de 2019, a meta da empresa também foi alterada. Se antes do resultado final do programa de venda de ativos a empresa projetava atingir uma alavancagem de 3 vezes em 31 de dezembro deste ano, agora a meta é de 3,65 vezes.

No fato relevante, a BRF reiterou “o compromisso com a desalavancagem declinante e com o alongamento do seu endividamento”. Segundo a empresa, o caixa permanece robusto. No fim do ano, estava perto de R$ 7 bilhões, o que dá conforto para a BRF seguir em sua reestruturação.



Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: