Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sábado, 24/08/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Empreitada da BRF na Argentina deixa R$ 1,2 bi em perdas

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 14/01/2019 |


A empreitada da BRF na Argentina caminha para um fim melancólico. Ao vender a Campo Austral, em uma transação de US$ 35,5 milhões anunciada na última semana, a companhia deixará de atuar no país vizinho. O saldo de quase uma década em terras argentinas é indigesto. Desde 2011, a BRF perdeu mais de R$ 1,2 bilhão no país.

Esse montante contempla os frequentes aportes de capital realizados para manter as operações - reconhecidamente deficitárias -, assim como a baixa contábil que deverá ser reportada no próximo balanço trimestral, em 28 de fevereiro, devido às vendas dos ativos.

Desde 2011, a BRF fez cinco aquisições na Argentina, gastando quase US$ 480 milhões, conforme dados compilados pelo Bradesco BBI. A companhia se desfez de todos esses ativos entre 7 de dezembro e 10 de janeiro, obtendo US$ 140,4 milhões. A diferença entre o montante pago e o recebido - a maior parte dos recursos ainda não ingressou no caixa - é de quase US$ 340 milhões (R$ 1,2 bilhão).

As perdas seriam ainda maiores se contabilizado o prejuízo operacional apurado na Argentina nos últimos anos. Em 2017, último dado anual disponível, a BRF amargou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) negativo de R$ 180 milhões. Na prática, os negócios torravam o caixa.

Foi para estancar a crônica queima de recursos e cumprir os planos do presidente Pedro Parente de reduzir o endividamento que a companhia brasileira decidiu, no fim de junho de 2018, se desfazer das operações.

Ao Valor, diferentes fontes que acompanharam o dia a dia da BRF nos últimos anos admitiram que o projeto frustrado na Argentina reflete as crises econômicas do país - atualmente, sofre com a hiperinflação -, mas principalmente erros da gestão anterior. O principal deles talvez tenha sido a recusa em investir na criação de uma rede de fornecedores de frango (os integrados) como a existente no Brasil. Assim, a Avex, empresa de carne de frango comprada em 2011, sofreu com alta ociosidade, já que não havia oferta de frango à disposição.

Segundo um ex-executivo do alto escalão da BRF, a companhia pagou um preço alto por ter confiado na capacidade de persuadir o governo argentino. Em 2016, quando Abilio Diniz presidia o conselho de administração, a empresa tentou, sem sucesso, importar ovos férteis de aves reprodutoras (matrizes) de suas operações de genética avícola na região Sul do Brasil. Com isso, a empresa conseguiria aproveitar o seu excedente de oferta genética.

A pedido da BRF, o Ministério da Agricultura brasileiro chegou a fazer gestões junto ao governo argentino para liberar a importação, mas houve resistência. Executivos da companhia na ocasião atribuíram essa postura à Granja Tres Arroyos, que fornecia aves matrizes para a BRF na Argentina e concorria com o grupo brasileiro em carne de frango. Diante do impasse, executivos da brasileira chegaram a conversar com a Tres Arroyos para uma união, mas não houve acordo.

Para resolver o problema com a oferta de genética avícola e também estruturar uma rede de integrados, a BRF teria de investir cerca de US$ 50 milhões, disse uma fonte. Mas a companhia preferiu usar os recursos na diversificação dos negócios na Argentina, ingressando em carne suína com a aquisição, em 2016, de Campo Austral e da Calchaquí - esta última é dona da marca Bocatti, que produz presunto e mortadela, entre outros.

"Dobraram a aposta contando com os ovos da galinha", brincou uma fonte, em alusão ao imbróglio envolvendo a importação de genética. A diversificação não teve o êxito esperado. Na verdade, a BRF continuou perdendo dinheiro na Avex, mas não só. Também reportou prejuízo no negócio de suínos.

Em dezembro, a perda na Avex se tornou evidente. O negócio foi vendido por US$ 50 milhões a uma velha conhecida, a Granja Tres Arroyos. A aquisição foi feita em parceria com a argentina Fribel. Em 2011, quando comprou a Avex, a BRF investiu US$ 150 milhões.

Além dos problemas em aves e suínos, a empresa sofreu para operar a Quickfood, que havia sido adquirida da brasileira Marfrig em 2012, como parte de um acordo de troca de ativos para que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovasse a incorporação da Sadia pela Perdigão - a união delas deu origem à BRF.

Embora a Quickfood liderasse o mercado de hambúrguer bovino com a marca Paty, a BRF não conseguiu tornar o negócio rentável. Nesse caso, em parte devido às dificuldades impostas à pecuária argentina no governo de Cristina Kirchner (2007-2015). Ao taxar as exportações de carne, a ex-presidente derrubou a produção de gado.

Fazer parte de uma gigante como a BRF, que fatura mais de R$ 30 bilhões ao ano, também fez mal às controladas no país vizinho, avaliou uma fonte. "Pediam US$ 50 milhões como se fosse um almoço", criticou. Em agosto do ano passado, por exemplo, a BRF precisou injetar US$ 88 milhões na Argentina para quitar dívidas de curto prazo.



Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: