Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Quarta-feira, 20/03/2019
Siga-nos:
Classificados Links Vídeos
CLIPPINGS
Milho: Bolsa de Chicago encerra quinta-feira com quedas de 5 pontos

Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 11/01/2019 |


Após abrir o dia com leves altas e seguir o dia próximos da estabilidade, os preços do milho encerraram a quinta-feira (10) com quedas na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações futuras registraram desvalorizações entre 5 e 5,6 pontos. O vencimento março/19 era cotado a U$ 3,76 por bushel e o maio/19 apontava U$ 3,84 por bushel.

Segundo análise de Bryce Knorr da Farm Futures, os preços do milho estão estreitamente misturados nesta quinta-feira, tentando aumentar após a compra lenta, mas constante durante a semana. Março continua a negociar em um intervalo estreito, refletindo a cautela dos traders que não têm a sua habitual fixação de dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Mercado Interno

Já o mercado interno permaneceu com estabilidade na maioria das cidades. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, apenas as praças de Sorriso (MT) e Porto Paranaguá (PR) apresentaram desvalorizações de 2,78% e 1,39% e preços de R$ 17,50 e R$ 35,50 respectivamente. Por outro lado, Alto Garças (MT), Itiquira (MT), Oeste da Bahia e Campinas (SP) fecharam o dia com desvalorizações.

De acordo com a XP Investimentos, as referências do milho seguem com pouca força e volatilidade. Compradores fizeram compras volumosas e repuseram parte dos estoques consumidos durante o período de festas e produtores locais estão fora das vendas. Já as movimentações e especulações ficam por conta dos Intermediários e Silos, que tentam inflacionar os lotes de diferido para realizar lucro. A especulação, porém, tem pouca força, visto que o milho tributado (MS e MG) reaparece nas praças paulistas.

Quanto ao início da colheita da safra de verão, agentes dividem suas opiniões para com o direcional de preços (aumento de disponibilidade VS seca na região Sul e Centro Oeste e inflação dos fretes). Nos portos, as referências finais voltaram a recuar, pressionadas queda da taxa de câmbio. Nem mesmo a postura de pagar prêmios maiores para “terminar” a originarão do milho, virando as atenções para a soja, foram suficientes para sustentar as referências.

Dólar

A moeda americana encerrou o dia em alta diante do real. O dólar avançou 0,58%, a 3,7091 reais na venda, depois de fechar a sessão anterior em baixa de 0,7%, a 3,6878 reais, menor nível desde 26 de outubro de 2018. Conforme informações da Agência Reuters, o dólar voltou a subir depois de dois dias em queda, influenciado por um forte fluxo de saída, após a moeda norte-americana não mostrar uma tendência firme no período da manhã.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Guilherme Dorigatti



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: