Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Sexta-feira, 14/12/2018
Siga-nos:
Classificados
CLIPPINGS
Milho: Bolsa de Chicago fecha quinta-feira com leves baixas

Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 07/12/2018 |


Após operar a maior parte do dia muito próximas da estabilidade, as cotações do milho na Bolsa de Chicago (CBOT) registraram leves quedas nos preços. A quinta-feira (06) terminou registrando índices de desvalorização entre 0,2 e 2,2 pontos por volta das 17h40 (horário de Brasília). O vencimento dezembro/18 era cotado a US$ 3,72 por bushel e o março/19 trabalhava a 3,82 por bushel.

Segundo informações da Farm Futures, os futuros de grãos estão na maioria das vezes mais baixos nesta quinta-feira, seguindo a fraqueza na maioria dos outros mercados. A falta de ação concreta da China após as negociações comerciais do fim de semana passado fez os traders se perguntarem se o acordo para interromper a escalada das tarifas era real ou apenas uma conversa feliz.

Mercado Interno

A quinta-feira operou com os preços do milho estáveis na maioria das praças brasileiras e algumas regiões apresentando altas e baixas. Segundo levantamento da equipe do Notícias Agrícolas, as altas aconteceram em Alto Garças (MT) com valorização de 2,27% e preço de R$ 22,50 e em Porto Paranaguá (PR) com subida de 1,39% e preço de R$ 36,50.

Já as maiores baixas foram nas cidades mato-grossenses de Itiquira, com queda de 9,80% com preço de R$ 23,00, Rondonópolis e Primavera Leste ambas com quedas de 3,70 e preços de R$ 26,00 e R$ 22,50 respectivamente.

Dólar

Pelo terceiro dia consecutivo a moeda americana encerrou o dia com alta ante ao real. Nesta quinta-feira a valorização foi de 0,18% e 3,8751 reais na venda, depois de bater a máxima de R$ 3,95 ao longo do dia. O dólar futuro teve alta de 1,50%.

Da acordo com a Agência Reuters, isso aconteceu com o aumento do risco global após a prisão de uma executiva da gigante chinesa Huawei, intensificando os temores de guerra comercial entre Estados Unidos e China poucos dias depois de um encontro histórico entre os presidentes dos dois países. "É negativo para a China, e se é negativo para a China é também para os países emergentes. É dólar mais forte e sugere menos exportações do Brasil", avaliou a estrategista de câmbio do Banco Ourinvest, Fernanda Consorte.



Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Guilherme Dorigatti



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: