Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Terça-feira, 20/11/2018
Siga-nos:
CLIPPINGS
Agora, Tyson foca expansão no exterior

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 09/11/2018 |


Depois de concentrar sua atuação nos Estados Unidos nos últimos anos, a americana Tyson Foods quer voltar as baterias para a expansão internacional, indicou na quarta-feira o novo CEO Noel White, em entrevista ao "The Wall Street Journal". White assumiu o cargo em setembro.

Nos EUA, a Tyson é a maior companhia de carnes em faturamento - US$ 38,2 bilhões no ano-fiscal de 2017 - e a principal rival da brasileira JBS, que fatura no mundo mais de US$ 50 bilhões.

A Tyson chegou a produzir carne de frango no Brasil, mas saiu do país - assim como do México - em 2014, vendendo as operações à JBS. Ao deixar o Brasil e o México, a Tyson alegou que as operações tinham pouca escala - a empresa era dona de uma pequena empresa no Estado do Paraná. Além disso, a empresa precisava de recursos e foco para digerir a aquisição da americana Hillshire Brands, empresa de alimentos processados pela qual pagou US$ 7,7 bilhões.

Ao "The Wall Street Journal", o CEO da Tyson evitou apontar alvos específicos. Ele também não mencionou o Brasil. No mercado, muitos argumentam que uma estratégia global em carnes implica investir no mercado brasileiro. No passado, a Tyson já chegou a flertar com a BRF, empresa de alimentos que hoje vive profunda crise.

Para a Tyson, investir fora dos EUA significa também diluir riscos, o que se revela cada vez mais relevante diante da guerra comercial entre Estados Unidos e China. Neste ano, Pequim alvejou a suinocultura americana, ao sobretaxar a carne suína. O México fez o mesmo, reagindo à ofensiva protecionista do governo Trump.

"Você dilui os riscos se tiver operações fora dos EUA", reconheceu White. Nesse sentido, a Tyson já deu um passo, ao fechar a aquisição da Keystone da brasileira Marfrig Global Foods, por quase US$ 2,5 bilhões. Embora sediada nos Estados Unidos, a Keystone tem operações na China, Malásia e Tailândia. Para que o negócio seja concluído, só resta a aprovação do órgão antitruste da Coreia do Sul.

De acordo com o CEO da Tyson, a empresa agora redefiniu a estratégia para a China. A aposta é ter mais produtos com marca, comercializando itens como nuggets. Além disso, a empresa americana pode investir em novas fábricas para o processamento de frango.

Na China, a Tyson já chegou a fazer, antes da compra da Hillshire, pesados investimentos no desenvolvimento da cadeia agropecuária. No entanto, os constantes surtos de gripe aviária no país asiático e o enfraquecimento da taxa de expansão da economia chinesa minaram os esforços da Tyson. Conforme o "The Wall Street Journal", os problemas na China fizeram a Tyson Foods realizar um baixa contábil de US$ 169 milhões em 2015.



Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: