Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Terça-feira, 13/11/2018
Siga-nos:
CLIPPINGS
Impacto da alta do dólar levou JBS a prejuízo de quase R$ 1 bi no 2º tri

Categoria: Empresas

São Paulo, SP, 15/08/2018 |


Os negócios de carne bovina da JBS no Brasil e sobretudo nos EUA impulsionaram o desempenho da empresa brasileira no segundo trimestre, gerando quase R$ 2 bilhões em caixa livre. Apesar disso, o impacto - sem efeito sobre o caixa - da apreciação do dólar sobre o valor em reais das dívidas em moeda estrangeira ofuscou os resultados.

No segundo trimestre, a JBS teve um prejuízo de R$ 911 milhões. No mesmo intervalo de 2017, a empresa lucrou R$ 309 milhões. O impacto da alta do dólar sobre a dívida também elevou a alavancagem (dívida líquida sobre o Ebitda), de 3,24 vezes em março para 3,5 vezes no fim de junho.

Desconsiderando o impacto do câmbio sobre a dívida, a JBS teve um lucro líquido de R$ 2,9 bilhões no segundo trimestre. Trata-se de um ganho mais de nove vezes superior ao visto um ano antes.

Embora a alta do dólar tenha um impacto negativo sobre as dívida, a depreciação do real é positivo para as exportações da JBS e para a receita das operações da empresa fora do Brasil, as mais relevantes. No segundo trimestre, a receita líquida da JBS somou R$ 45,1 bilhões, alta de 8,4% sobre os R$ 41,6 bilhões registrados no mesmo intervalo de 2017.

Puxado pelo negócio de carne bovina dos EUA, que está em um dos melhores momentos da história - beneficiado pela demanda aquecida no país e pela maior oferta de bois -, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado da JBS atingiu R$ 4,2 bilhões no segundo trimestre, alta de 12,8% ante o Ebitda de R$ 3,7 bilhões do mesmo período do ano passado. Com isso, a margem Ebitda ajustada da empresa brasileira foi de 9,4%, 0,4 ponto percentual acima da reportada um ano antes.

O Ebitda foi ajustado para retirar o efeito da greve dos caminhoneiros no Brasil, que teve um impacto de R$ 112,9 milhões sobre os resultados da Seara, a unidade que agrega as operações de aves, suínos e de alimentos processados no Brasil.

Considerando as diferentes unidades da JBS, o negócio de carne bovina nos EUA registrou o melhor desempenho em rentabilidade. No segundo trimestre, o Ebitda da JBS USA Carne Bovina (que também contempla as operações no Canadá e na Austrália) cresceu 75,8% na comparação anual, para US$ 570,1 milhões. Assim, a margem Ebitda atingiu 10,2%, ante 5,9% no segundo trimestre do último ano.

Por outro lado, as operações de frangos (Pilgrim's Pride) e suínos da JBS nos EUA foram prejudicadas pela concorrência com a carne bovina e pela disputa comercial dos EUA com China e México, o que afetou os preços dessas proteínas no mercado americano. Entre abril e junho, o Ebitda da Pilgrim's caiu 37%, para US$ 282,5 milhões, e a margem recuou de 16,3% para 10%. No caso das operações de carne suína, o Ebitda recuou 42%, para US$ 103,4 milhões, com a margem caindo 4,5 pontos percentuais na comparação anual, a 7,2% no segundo trimestre.

De acordo com uma fonte próxima à JBS, os negócios de carne de frango e carne suína nos Estados Unidos apresentam "desafios", mas o bom momento na operação de carne bovina mais do que compensa, sobretudo porque essa divisão de negócios no mercado americano é a mais importante da JBS. No segundo trimestre deste ano, por exemplo, representou mais de 40% da receita da empresa.

No Brasil, país cujas operações são responsáveis por mais de 20% das vendas (incluindo as exportações), o negócio de carne bovina teve sensível melhora, com aumento dos abates e recuperação da rentabilidade. O negócio foi o mais prejudicado em 2017 pela delação dos Batista.

No segundo trimestre, o Ebitda do negócio de carne bovina no Brasil somou R$ 358,6 milhões, alta de 37,4% na comparação anual. Já a margem saiu de 4,2% para 6,2%. Já a Seara foi prejudicada pelo excesso de oferta de carne de frango no Brasil e pela paralisação dos caminhoneiros, o que fez o Ebitda cair 68%, para R$ 113,8 milhões.



Fonte: Valor
Autor: Luiz Henrique Mendes



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: