Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Terça-feira, 25/09/2018
Siga-nos:
CLIPPINGS
Grupo Vibra, de frango, aposta em inovação e busca novo investidor

Categoria: Empresas

Montenegro, RS, 12/07/2018 |


O grupo Vibra, dono das marcas de carne de frango Nat e Avia, inaugurou nesta quarta-feira em Montenegro (RS) um centro de pesquisa e inovação com aportes de R$ 5 milhões, como parte de um plano de expansão que prevê aquisições e admite o ingresso de um novo investidor. A ideia é reforçar a capitalização do negócio e ir às compras no Rio Grande do Sul e em “outra região” do país para garantir um “bom crescimento” num prazo de cinco anos, disse o diretor de marketing e vendas, Flávio Rogério Wallauer.

“Estamos olhando as oportunidades. Temos crédito e caixa, mas daqui a pouco, para fazer aquisições, a gente pode precisar de algum suporte a mais”, reforçou o diretor superintendente Gerson Müller. Segundo Wallauer, ainda não há negociações em curso, mas este é o planejamento. “A empresa está pronta para crescer, com governança corporativa consolidada”, afirmou. Uma abertura de capital, no entanto, não está prevista neste momento.

Além do abate e industrialização de carne de frango, o grupo é dono da empresa de genética Agrogen, com capacidade para produzir 14 milhões de matrizes por ano – o equivalente a cerca de 25% do mercado brasileiro - a partir de aves “avós” recebidas da unidade de São Paulo da americana Cobb-Vantress, controlada pela Tyson Foods. Os incubatórios ficam em Montenegro, junto à sede do grupo, e Guarapuava (PR) e neste ano devem produzir 10 milhões de matrizes.

No ano passado, o Vibra obteve receita líquida de R$ 1,2 bilhão, com alta de 4,8% sobre 2016, e para 2018 a previsão é chegar a pouco mais de R$ 1,3 bilhão. Neste ano o desempenho será favorecido pela alta das exportações, que devem avançar 15% e chegar a 50% do faturamento e do volume vendido graças a espaços abertos no mercado externo pelo embargo da União Europeia a 20 frigoríficos brasileiros, disse Wallauer.

As vendas externas destinam-se a mais de 35 países entre Europa e Ásia, com a marca Avia, e América Latina e Oriente Médio, com a marca Nat, também comercializada no mercado interno. A sobretaxa de 18% a 38% sobre os produtos brasileiros aplicada em junho pela China, que junto com Hong Kong absorve 15% das exportações, terá algum impacto, mas a intensidade ainda não está clara, disse Wallauer.

Com 4,2 mil funcionários e cerca de mil aviários integrados, o grupo tem 15 unidades no Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais, incluindo ainda fábricas de rações e os três frigoríficos, em Sete Lagoas (MG), Pato Branco e Itapejara d’Oeste (PR), que podem abater até 700 mil cabeças por dia. Atualmente o volume está em 520 mil aves por dia, ante 500 mil em 2017, e a meta é preencher gradualmente a capacidade instalada nos próximos anos, explicou Müller. Segundo ele, a empresa é a quarta maior do setor no país, atrás apenas da BRF, JBS e cooperativa Aurora Alimentos.

Fundado por Flávio Sérgio Wallauer e Heitor Müller, pais dos atuais diretores, o Vibra completa 50 anos neste mês e incluía a antiga Frangosul, mas em 1998 ela foi vendida para a francesa Doux e depois, com as dificuldades financeiras do grupo fancês, incorporada pela JBS. Após a venda da Frangosul, o grupo ficou com a Agrogen, mas voltou ao abate de frangos em 2009 em uma unidade terceirizada e, nos cinco anos seguintes, adquiriu os três frigoríficos em Minas Gerais e no Paraná.

Segundo o diretor de vendas, o centro de inovação inaugurado nesta quarta-feira inclui uma planta industrial piloto e tem como meta permitir a renovação de 25% do portfólio da empresa até 2022, principalmente com oferta de novos industrializados de frango, de maior valor agregado, como assados, temperados e empanados.

De acordo com ele, a nova unidade vai concentrar o trabalho de desenvolvimento que antes era realizado em diferentes locais, com uma redução estimada de 30% nos prazos de colocação dos novos produtos no mercado.



Fonte: Valor
Autor: Sérgio Ruck Bueno



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: