Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quarta-feira, 19/12/2018
Siga-nos:
Classificados
CLIPPINGS
Cobb-Vantress promove campanha para desmistificar informações envolvendo a produção de frango

Categoria: Empresas

Guapiaçu, SP, 06/07/2018 |

Série de vídeos aborda a qualidade da avicultura brasileira

Sete em cada dez frangos consumidos no Brasil possuem a genética da Cobb-Vantress, líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte e em especialização técnica no setor avícola. Pensando nisso, a companhia lançou uma campanha para abordar os mitos e verdades envolvendo a produção da carne de frango no País. O primeiro material, distribuído em formato de vídeo para clientes, parceiros e público em geral, trata do mito da utilização de hormônio no crescimento da ave.

“Essa é uma das principais preocupações dos consumidores. Eles querem saber a procedência da carne que estão comprando e se ela é de qualidade. Neste sentido, acreditamos que é de extrema importância informá-los sobre o processo de criação da ave e que não há nenhum tipo de hormônio aplicado nela”, disse o gerente de Marketing da Cobb, Cassiano Bevilaqua.

De acordo com o executivo, os frangos produzidos no Brasil apresentam resultados de qualidade sem a interferência de substâncias artificiais, porque recebem alimentação balanceada e são produzidos dentro das mais rígidas normas de biosseguridade. Além disso, em aves com o selo da Cobb, o fator principal é o crivo da seleção genética, um processo de aprimoramento e melhoramento genético feito pela companhia, há mais de 100 anos, com a seleção constante das melhores aves. Isso significa que a Cobb separa as aves com melhores resultados nos principais aspectos relacionados à produção e consumo. Ou seja, apenas as aves com maior quantidade de carnes nobres, menos disposição à enfermidades, maior fertilidade, menor geração de dejetos, entre outras características, são selecionadas para originar outras aves, garantindo a transmissão destas características.

“Nosso processo de Produção é voltado ao desenvolvimento de um animal que produz mais, consumindo menos. Ao longo do anos, a genética tem sido capaz de gerar uma ave que apresenta maior quantidade de carne com qualidade e redução de custos ao produtor, uma vez que as casas genéticas trabalham constantemente para produzir aves mais eficientes”, explica Bevilaqua.

Além da atuação da genética, que não exige o uso de hormônios no crescimento da ave, uma Instrução Normativa publicada, em 2004, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) proíbe o uso de substâncias que tenham como finalidade o crescimento e a eficiência alimentar das aves. A prática é fiscalizada pelo órgão, em parceria com as secretarias de Apoio Rural e Defesa Animal.

Um último ponto, destacado por Bevilaqua, diz respeito à impossibilidade de aplicação de um possível hormônio por via injetável, devido a grande quantidade de frangos que compõem um plantel. “Além disso, é importante observar que um hormônio necessitaria de cerca de mais de 60 dias para proporcionar qualquer tipo de melhoria, enquanto a maioria das aves no Brasil são abatidas com idade entre 42 e 50 dias. Ou seja, mesmo que uma substância como essa existisse, não haveria tempo hábil para geração de resultados na ave antes do consumo”, finaliza o gerente.





Fonte: Cobb-Vantress
Autor: Assessoria de Imprensa



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: