Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quinta-feira, 24/05/2018
Siga-nos:
CLIPPINGS
Categoria: Matérias-Primas

Campinas, SP, 25/04/2018 |

Mercado interno chinês se reativa com guerra comercial


Guerra comercial é oportunidade para China baixar estoques de milho

Uma guerra comercial entre Estados Unidos e China abre oportunidades no mercado chinês para países como o Brasil e agentes do mercado interno. Enquanto nenhuma das duas grandes potências parecem dispostas a desistir da disputa comercial, especialistas dizem que as tarifas de 25% afetarão pouco as importações agrícolas totais da China, mas seriam boas para a demanda doméstica de produtos, especialmente no setor de alimentos e de ração. Segundo um estudo da consultoria CCM, as tarifas para sorgo e soja ajudariam a aumentar a demanda interna por milho.

Especialmente as tarifas em milho não teria um grande papel. Dados oficiais alfandegários da China mostram que em todo o ano de 2017, as importações de milho dos Estados Unidos foram apenas 27% das totais. A Ucrânia é ainda a principal original de importação de milho para a China. Portanto, o negócio de importação de milho não seria afetado pelo aumento de tarifas de milho americano.

Do ponto de vista dos Estados Unidos, uma das questões mais sensíveis seriam as tarifas à soja. Segundo pesquisa da CCM, em 2017, a soja foi o maior exportador agrícola para a China com um valor entre US$ 12 e US$ 14 bilhões.

Se a China confirma as tarifas à soja americana, isso fará com que a soja brasileira seja mais atrativa para os compradores chineses. Além disso, é provável que a soja mais cara dos Estados Unidos aumente a área de soja internacionalmente.

A China compra 60% da soja no mundo com um volume anual de 95,54 milhões de toneladas, com 53,31% vindo do Brasil, 33,39% vindo dos Estados Unidos e 6,89% da Argentina. Além disso, a China é também o maior importador mundial de sorgo com cinco milhões de toneladas com a maior parte do grão vindo dos Estados Unidos e da Argentina. Sobre o grão, autoridades chinesas lançaram uma investigação anti-dumping. No longo prazo, o volume de importação de sorgo deve significativamente cair e também contribuirá para aumentar a demanda interna milho.



Fonte: Agrolink
Autor: Leonardo Gottems



Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!




CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
ÚLTIMOS CLIPPINGS











NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: