Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quinta-feira, 06/08/2020
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas
CLIPPINGS
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil

Categoria: Exportação

São Paulo, SP, 03/07/2020 |


“Se a China der um sopro, para o Brasil isso representará um furacão”. Assim a consultoria Agrifatto, especializada em pecuária, descreveu a importância do país asiático para os produtores de gado e para a indústria nacional de carne bovina.

Em relatório, a consultoria traçou um paralelo entre a atual dependência dos frigoríficos brasileiros em relação à China e ao papel exercido pela Rússia, mercado muito relevante para a pecuária brasileira no passado recente.

Antes da emergência chinesa como grande importadora de carne bovina, eram as habilitações de frigoríficos por Moscou - e os corriqueiros embargos comerciais e sanitários aplicados pelo país - que provocavam furor em empresários do setor frigorífico.

Mas se a Rússia já teve o poder de ocasionar abalos consideráveis nos preços da carne e do boi gordo, e era temida por isso, a verdade é que a importância chinesa é muito maior. No fim de 2017, recorda o relatório da Agrifatto, Moscou bloqueou todos os frigoríficos brasileiros, o que fez as indústrias despejarem um volume significativo de carne no mercado doméstico, pressionando as cotações em 2018.

Atualmente, a China absorve aproximadamente 10% da produção brasileira de carne bovina. A Rússia representava 2% na época dos embargos, segundo a Agrifatto. Do lado dos importadores chineses, os frigoríficos brasileiros têm a mesma importância que tiveram para os russos no passado - 9% do consumo da proteína bovina no país é oriunda do Brasil.

“A exposição brasileira à China é muito maior do que sua exposição perante a Rússia em 2017. [...] O que ocorreria caso a China resolvesse restringir ou condicionar suas compras?”, indaga a Agrifatto, indicando uma reflexão sobre o assunto, especialmente neste momento crítico de pandemia.

Em meio aos esforços para tentar conter a covid-19, Pequim decidiu bloquear mais de 20 frigoríficos em todo o mundo - três deles são brasileiros. As medidas aconteceram mesmo sem evidências científicas de que os alimentos transportados possam transmitir o vírus, e fontes do setor avaliam que a decisão da China visa a dar uma satisfação à população do país, uma estratégia que teria ganhado importância com a associação dos novos casos em Pequim à contaminação por meio de salmão comercializado em um grande mercado na capital chinesa.

Apesar da dependência brasileira, a Agrifatto pondera que a chance de uma redução do volume importado pela China é pequena por que o país ainda lida com a falta de carne provocada pela epidemia de peste suína africana, que restringiu a oferta de porcos. De qualquer forma, toda atenção é necessária.

“O alerta deve permanecer ligado, já que a carne bovina tem um preço por tonelada maior que a proteína suína e a de frango e, caso o governo chinês encontre substitutos para a carne bovina brasileira, os preços pecuários poderiam ser impactados”, destacou a consultoria. No momento, o cenário para os pecuaristas brasileiros segue positivo. Com oferta restrita no campo, os preços do boi gordo seguem em um dos maiores níveis da história.



Fonte: Valor Econômico
Autor: Luiz Henrique Mendes



COMENTÁRIOS






ÚLTIMOS CLIPPINGS













CLIPPINGS MAIS LIDOS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE