Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
Canal Agroceres
PecSite
SuiSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Canal Agroceres
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Terça-feira, 13/04/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas Canal Agroceres
NOTÍCIAS
Cobb-Vantress debate no Simpósio Brasil Sul o manejo da granja ao abatedouro




Campinas, SP, 06/04/2021


A Cobb-Vantress realizou na noite desta terça-feira um debate sobre os principais manejos da granja ao abatedouro e os motivos que levam às condenações avícolas no final do processamento avícola.

Cassiano Beviláqua, Diretor de Marketing da Cobb, abriu a noite e destacou a importância do tema. Foram responsáveis pelas apresentações o Diretor Técnico Marcos Briganó, o especialista em ambiência, José Luis Januário e o Especialista do Processo de Qualidade, Eder Barbon.


Cassiano Beviláqua, Diretor de Marketing da Cobb-Vantress.

O Diretor Técnico Marcos Briganó destacou que fornecer um serviço técnico de qualidade é um dos pilares mais fortes da empresa dentro do mercado. “Estamos aqui nesta noite no SBSA para fornecer informação e conhecimento, para os melhores resultados”, disse . “Vivemos um momento de incertezas, de algum medo, com momentos de custos muito altos. A palavra chave fundamental é eficiência. O que a nossa estrutura produtiva pode nos oferecer? Ponto importante a ser destacado é o manejo em todo o processo produtivo”, disse. “Não somos somente criadores de aves. Somos produtores de alimentos”, disse.


Marcos Briganó, Diretor Técnico da Cobb-Vantress.

Continuando, José Luis Januário, Especialista em Ambiência, apontou as perdas no abatedouro e como evitá-las.
Ele destacou que a ave conta com um grande tecido do corpo, o tecido tegumentar. “É importante minimizar as agressões nas peles, geradas por contatos, como dermatites e dermatoses. Lacerações na carcaça são rupturas na pele, genericamente chamada de riscos ou arranhões, que figuram como importantes causas de perda ao abate”, disse. “Situações estressantes tais como alta densidade de alojamento ou no transporte devem ser evitadas. Cuidados também com o insuficiente número de comedouros e bebedouros”, explicou.

Segundo ele, o desconforto ambiental (especialmente variações térmicas abruptas, tanto para o calor quanto para o frio) também merecem atenção por parte do produtor.


José Luis Januário, Especialista em Ambiência da Cobb-Vantress.

Januário ainda listou o conjunto dos fatores com maior chance de participação na manifestação de dermatose foi composto pelas seguintes variáveis:

- Não distribuir cama nova no pinteiro (1.7 vezes a prevalência de dermatose em relação aos que distribuem cama nova no pinteiro);
- Não desinfecção dos equipamentos antes do alojamento dos pintos (1.4 vezes a prevalência de dermatose em relação aos aviários que realizam a desinfecção);
- Alojamento de aves do sexo masculino (2 vezes em relação ao alojamento de fêmeas);
- Uso de comedouros tubulares (1.9 vezes em relação ao comedouro tuboflex);
- Temperaturas no aviário fora da zona de conforto (1,013 vezes para cada 1% a mais de temperatura fora da zona de conforto);
- Alojamento de pintos no período de inverno (1.4 vezes em relação ao verão );
- Redução de período de vazio sanitário (1.022 vezes para cada dia a menos de vazio sanitário);
- Empenamento: fatores como as mudanças drásticas de temperaturas, variações entre linhagens, exigência nutricional nas diferentes fases de crescimento, alta densidade (número elevado de aves/m2) e a má adequação ambiental, especialmente frente às altas temperaturas, favorecem a ocorrência do mau empenamento, que por consequência facilitam as lacerações.


Ele ainda destacou a relação de manejo geral com condenações por injúrias. “ Os fatores envolvidos são temperatura, umidade, ventilação, resfriamento, nutrição, genética, manejo em geral, etc. Em resumo, são precisos cama e ambiente adequados, como um todo, desde o lote que saiu, com o vazio sanitário, ao lote que vai entrar”, afirmou.

E para encerrar o evento, Eder Barbon, Especialista do Processo de Qualidade continuou com o tema. Ele iniciou questionando o que devemos fazer para nossa melhor lucratividade. Ele apontou que temos como controlar somente o rendimento e a produtividade. “Estes são os fatores que precisamos ficar atentos. É o que vai aumentar nossa lucratividade”, disse.


Eder Barbon, Especialista do Processo de Qualidade da Cobb-Vantress.

Eder Barbon apontou ainda os principais fatores que impactam nas medidas nas perdas e rendimentos na planta:

- Peso do frango vivo
- Uniformidade do lote
- Status sanitário do lote
- Qualidade de pele
- Jejum pré-abate
- Fraturas e contusões
- Eficiência no processo de abate, cortes e desossa.


“Ainda é importante citar os principais impactos na uniformidade nas perdas na planta, como atordoamento, depena, escalda, evisceração, resfriamento e cortes e desossas”, apontou.


Fonte: AviSite
Autor: Redação






COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF