Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
PecSite
SuiSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sexta-feira, 26/02/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas
NOTÍCIAS
Governo deve manter desoneração do milho


No momento, isenção do grão, que é de 8%, vai até o fim de março

Brasília , 22/01/2021


Após o fim do prazo de isenção da Tarifa Externa Comum (TEC) para compras de produtos do complexo soja feitas fora do Mercosul, a preocupação dos setores produtivos e do governo concentra-se agora no milho. A importação segue isenta até o fim de março, mas a alta dos preços e a forte demanda pela produção brasileira, com a entrada da China no mercado comprador e os Estados Unidos podendo utilizar mais cereal para o etanol na gestão Biden, deixam aberta a possibilidade de a desoneração de 8% ser renovada.

“Manter ou prorrogar a isenção para o milho é uma tendência. Aberta, ela equilibra um pouco o preço aqui dentro”, disse ao Valor o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, César Halum. A Pasta reuniu-se nesta semana com representantes da cadeia produtiva de aves e suínos para discutir opções para a oferta interna do cereal. Não há risco de desabastecimento, garantiu ele.

O replantio de algumas áreas no Sul castigadas pela estiagem no fim de 2020 deve manter a produção de milho acima de 100 milhões de toneladas, prevê Halum. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima colheita de 102,3 milhões de toneladas.

O secretário conta que uma das opções em análise - limitada por questões de transgenia - é importar da Argentina. A saída, afirma, é ampliar a produção nacional, o que esbarra na oferta limitada de sementes do cereal, que não podem ser importadas. Outra alternativa é produzir mais sorgo e milheto.

Halum é enfático ao descartar a adoção de limites para embarques. “Não podemos confiscar o milho do produtor e não vamos proibir a exportação”, diz. “O mercado é livre, 33% da produção foi exportada, o resto ficou no mercado interno, mas a demanda é crescente. Temos que ter substitutos”.


Fonte: Valor Econômico
Autor: Rafael Walendorff






COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF