Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
PecSite
SuiSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 23/01/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas
NOTÍCIAS
FAO: preços dos alimentos continuam em alta, mas sem a ajuda das carnes




Campinas, 06/11/2020


Pela segunda vez neste ano, o Índice FAO de Preços dos Alimentos (FFPI, na sigla em inglês) ultrapassa a marca dos 100 pontos (em 2020 isso só havia ocorrido em janeiro, mês em que os preços registrados atingiram 102,5 pontos). Mas, por ora, o resultado alcançado não tem maior significado, pois os preços nem alcançaram aos 101 pontos.

Em outubro, o FFPI registrou aumento mensal de 3,12% e anual de, praticamente, 6% (95,2 pontos em outubro de 2019), chegando aos 100,9 pontos, maior resultado dos últimos nove meses.

Entre os cinco itens que compõem o FFPI, quatro deles contribuíram para o aumento registrado: açúcar, lácteos, cereais e óleos vegetais. Ou seja: as carnes, novamente, apresentaram redução e, após curto período de estabilização em 2020 (meses de julho e agosto), retrocedem ao menor valor dos últimos 10 meses.

Em outras palavras, ao fecharem outubro com 90,7 pontos, as carnes registraram reduções de 0,55% sobre o mês anterior, de 10,69% sobre o mesmo mês do ano passado e de 15% em relação ao pico registrado em dezembro de 2019.

Seria dispensável dizer, pois o gráfico abaixo deixa isso bem claro: a maior contribuição para o aumento observado em outubro veio dos cereais. Seus preços corresponderam a 111,6 pontos, desempenho que além de significar aumentos de 7,22% sobre setembro passado e de 16,52% sobre outubro de 2019, também correspondeu ao maior patamar alcançado em mais de seis anos.

Excetuado o arroz, que caiu de preço, praticamente todos os principais cereais comercializados mundialmente sofreram alta. Mas a FAO faz referência particular ao milho, que também atinge o maior patamar de preços em mais de seis anos.

Explicando as razões dessa explosão de preços, a FAO observa que grande parte das altas vêm sendo sustentadas por um ritmo acelerado nas compras chinesas e pela redução de estoques, mais alta do que o previsto, nos EUA. Mas acrescenta também que os aumentos têm como causa a queda de oferta acentuada por parte de Brasil (?) Ucrânia.



Acompanhe as Edições de Setembro: Revista do AviSite e Revista do Ovo

      


Fonte: AviSite
Autor: Redação






COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF