Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 05/12/2020
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas
NOTÍCIAS
Soja continua subindo em Chicago nesta 3ª feira




Campinas, SP, 20/10/2020


A colheita avança nos EUA, as chuvas começam a melhorar no Brasil e dar mais chances ao plantio, porém, as cotações da soja continuam subindo na Bolsa de Chicago nesta terça-feira (20), dando continuidade aos ganhos registrados ontem. Assim, por volta de 7h10 (horário de Brasília), os futuros da commodity subiam entre 8,50 e 9 pontos, com o novembro sendo cotado a US$ 10,62 e o maio, US$ 10,47 por bushel.

O mercado, segundo explicam analistas e consultores, continua bastante focado na demanda - com os EUA já tendo vendido mais de 70% do projetado para ser exportado na safra 2020/21 - e nas preocupações com a oferta.

Mais do que isso, na análise de alguns especialistas, o índice de área colhida divulgado no fim da tarde desta segunda-feira (19) pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) ficou aquém do esperado. Para outros, ficou apenas dentro das expectativas.

A área de soja já colhida nos EUA chegou, até o último domingo (18), a 75%, enquanto o mercado esperava algo entre 74 e 75%. Na semana passada eram 61%; em 2019 40% e a média para o período, 58%.

As altas da soja acompanham ainda novos ganhos que também são registrados pelo milho e pelo trigo na CBOT. Em um tempo de escassez global de alimentos e de um consumo consideravelmente maior, a interligação entre os três produtos fica ainda mais forte.

"Há suporte da ausência do Brasil do mercado, o que leva a demanda internacional a tentar garantir as necessidades com produto dos EUA", explica Steve Cachia, consultor da Cerealpar e da TradeHelp. Mais do que isso, o profissional explica ainda que o mercado está, no momento precificando, o risco de uma frustração de safra na América do Sul, o estrago que faria no quadro de oferta e demanda mundial e o efeito sobre os preços.

"Já se começa a falar, timidamente, em racionamento da oferta, que sabemos que em um mercado livre só pode acontecer através do aumento no preço. É cedo ainda para algo neste sentido, mas há munição suficiente para os altistas tentarem empurrar o mercado pelo menos até a marca psicológica de US$ 11,00 por bushel, mesmo que depois o mercado possa não conseguir se manter neste nível", completa Cachia.


Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Carla Mendes






COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF