Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 05/12/2020
Siga-nos:
Notícias Informativo Semanal Informativo Diário Info Estatísticas
NOTÍCIAS
Milho sobe 11% no mês para Indicador Cepea




Campinas, SP, 20/10/2020


A segunda-feira (19) chegou ao final com os preços do milho mais altos no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, a única desvalorização foi percebida na praça de Luís Eduardo Magalhães/BA (1,92% e preço de R$ 51,00).

Já as valorizações apareceram em Pato Branco/PR (0,82% e preço de R$ 61,70), Marechal Cândido Rondon/PR (0,83% e preço de R$ 60,50), Ubiratã/PR (0,83% e preço de R$ 60,50), Eldorado/MS (0,87% e preço de R$ 58,30), Campinas/SP (1,37% e preço de R$ 74,00), Palma Sola/SC, Jataí/GO, Rio Verde/GO e Cândido Mota/SP (1,61% e preço de R$ 63,00), Londrina/PR (1,67% e preço de R$ 61,00), Ponta Grossa/PR e Maracaju/MS (3,13% e preço de R$ 66,00), Campo Grande/MS (3,23% e preço de R$ 64,00), Brasília/DF (3,33% e preço de R$ 62,00),

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, o estresse do dólar e a cautela do produtor brasileiro com pouca intenção em negociar sustentaram as cotações. “Um possível desfecho mais harmonioso do Brexit e os dados da economia da China são pontos de alívio no início desta semana pelo lado do câmbio”.

Ainda nesta segunda-feira, o Cepea divulgou sua nota semanal apontando que o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas – SP) do milho vem registrando avanço consecutivo há 13 dias e, na sexta-feira, 16, atingiu R$ 70,72/saca de 60 kg. Na parcial de outubro, a elevação do Indicador chega a 11,14%.

“Segundo pesquisadores do Cepea, o impulso aos valores segue vindo da baixa disponibilidade interna, da maior demanda e da retração de vendedores, que estão atentos ao clima e ao semeio da safra de verão 2020/21. Além disso, o avanço nos preços internacionais e o dólar em alto patamar também reforçam a valorização doméstica do cereal, tendo em vista que elevaram a paridade de exportação”.

Pesquisadores do Cepea ressaltam ainda que esses aumentos nos preços têm preocupado consumidores domésticos do cereal.

B3

Os preços futuros do milho contabilizavam ganhos na Bolsa Brasileira (B3) ao longo desta segunda-feira. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,36% e 3,86% por volta das 17h07 (horário de Brasília).

O vencimento novembro/20 era cotado à R$ 78,18 com elevação de 0,36%, o janeiro/21 valia R$ 78,20 com alta de 0,45%, o março/21 era negociado por R$ 77,35 com ganho de 0,72% e o maio/21 tinha valor de R$ 71,35 com valorização de 3,86%.

Os contratos do cereal brasileiro subiram mesmo com a movimentação negativa do dólar ante ao real neste início de semana. Por volta das 17h14 (horário de Brasília), a moeda americana era cotada à R$ 5,60 com queda de 0,80%.

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, este é um ano em que está chovendo menos e o milho precisa de mais água do que a soja, que é mais tolerante e acaba levando parte das intenções de plantio.

“O milho se tiver falta de chuvas no pendoamento e florescimento cai bastante o potencial produtivo e a soja acaba perdendo menos. Então o produtor acaba levando isso em conta neste momento de decisão de plantio em função do clima e acaba optando pela soja nesse momento de plantio na região Sul”, diz o analista.

Brandalizze frisa ainda que esta mudança de plantio não tem haver com os preços dos dois grãos. Uma vez que o milho, nas cotações atuais e com uma produtividade normal, dá mais lucro do que a soja à R$ 160,00.

Mercado Externo

A segunda-feira também foi positiva para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram movimentações positivas entre 3,25 e 3,50 pontos ao final do dia.

O vencimento dezembro/20 foi cotado à US$ 4,05 com elevação de 3,25 pontos, o março/21 valeu US$ 4,10 com alta de 3,50 pontos, o maio/21 foi negociado por US$ 4,12 com valorização de 3,75 pontos e o julho/21 teve valor de US$ 4,12 com ganho de 3,25 pontos.

Esses índices representaram elevações, com relação ao fechamento da última sexta-feira, de 0,75% para o dezembro/20, de 0,74% para o março/21, de 0,98% para o maio/21 e de 0,98% para o julho/21.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os futuros do milho em Chicago subiram neste inicio de semana apoiados por bons dados de exportação após a divulgação do relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Os embarques semanais norte-americanos foram de 911,012 mil toneladas, contra projeções de 650 mil a 900 mil toneladas. No total, os EUA já embarcaram 5,455,972 milhões de toneladas, enquanto que no ano passado este volume era de 3 milhões do ano passado, aumento de 77%.

“O milho nos Estados Unidos teve anúncios no monitor diário de vendas de exportação. O relatório COT mostrou vendas especificadas para compra comercial. Isso é incomum, dado o rali recente e mostra o quão grande tem sido a demanda”, disse Jack Scoville, analista de mercado do PRICE Futures Group.


Fonte: Notícias Agrícolas
Autor: Guilherme Dorigatti






COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF