Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quarta-feira, 18/09/2019
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
EUA: surto de salmonela multiestados foi desencadeado por aves vivas não-comerciais




Campinas, 22/05/2019 | 07:15

Fonte: AviSite | Autor: Redação

Nas duas-três últimas semanas, veículos de comunicação brasileiros (rádio, jornais, tevês, sites, etc.) têm replicado matéria originalmente divulgada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC na sigla em inglês, a ANVISA dos norte-americanos) orientando os consumidores a não lavar a carne de frango antes de prepara-la para o cozimento, pelo eventual risco de disseminação de salmonelas.

Porém, como é típico – “quem conta um conto sempre aumenta um ponto” – a matéria original, de orientação, tem, em vários casos, transformado o frango em vilão. Houve até quem escrevesse tratar-se de “bomba que espalha bactérias pela cozinha”. Mas – essa é a pergunta chave –o frango é o grande e único responsável pelo problema?

Os próprios CDCs mostram que não. E, em recente comunicado a respeito de um surto de salmonelose que atingiu 21 estados norte-americanos revela que a infecção foi ocasionada por contato com aves vivas não-comerciais. Mais exatamente, por “backyardsflocks” – para nós, criações de fundo de quintal.

No caso em pauta, 52 pessoas foram infectadas. Cinco delas foram hospitalizadas, mas nenhuma morte foi registrada. Perto de 30% dos afetados eram crianças com menos de cinco anos de idade.

As pesquisas realizadas indicaram que o contato com aves domésticas (como pintinhos e patinhos) adquiridas de fontes variadas foram as prováveis causadoras desses surtos – hipótese levantada a partir da constatação de que grande parte das pessoas doentes teve contato direto com tais aves – adquiridas como “pet” de lojas agrícolas ou, mesmo, através de websites e de pequenos incubatórios.

Mas as fontes transmissoras vão muito além das aves. E, novamente, o site dos CDCs é pródigo ao demonstrar isso. E aponta como possíveis originadores desses surtos animais adotados como “pets” – caso do ouriço pigmeu africano (“hedgehog”), a carne congelada de atum e, mesmo, frutas pré-cortadas (como melões) hoje fartamente disponíveis nos supermercados.

Para acompanhar mais de perto esses casos – que nada tem a ver com a carne de frango – vale uma visita ao site dos CDCs. Neste link (https://www.cdc.gov/salmonella/index.html) uma página dedicada especificamente à questão das salmonelas.






NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS












NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: