Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Quarta-feira, 20/02/2019
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Carne de frango: queda foi geral nos embarques de janeiro




Campinas, 07/02/2019 | 07:47

Fonte: AviSite | Autor: Redação

Nada escapou: as quedas – tanto de receita como de volume – foram generalizadas no mix de itens de carne de frango exportados pelo Brasil em janeiro passado.

Em termos de volume e relativamente ao mesmo mês do ano passado, o maior retrocesso recaiu sobre os industrializados, com redução de quase um terço. Na sequência vieram o frango inteiro (menos 19%) e os cortes de frango (quase 13% a menos). Ou seja: o menor recuo – pouco mais de 10% - envolveu o item mais questionado no ano passado, a carne salgada.

A mesma ordem se repete no tocante à receita. Nesse quesito, porém, frango inteiro, cortes e industrializados registraram índice de queda inferior ao observado no volume, isto indicando que apresentaram alguma melhora no preço médio, o que não ocorreu com a carne salgada.

Efetivamente, os preços médios alcançados pelos três primeiros itens em janeiro passado registraram aumento de, respectivamente, 3,16%, 1,98% e 9,29%. Já o preço médio da carne salgada apresentou pequeno recuo, de 0,38%.

A despeito da queda significativa no volume e na receita dos quatro itens exportados, a participação de cada item no resultado final de janeiro não apresentou grande alteração em relação à média de 2018.

O frango inteiro respondeu por 26,65% do volume total (0,98 ponto percentual a menos que no ano passado), os cortes por 68,31% (0,80 ponto percentual a mais), os industrializados por 2,36% (0,13 ponto percentual a menos) e a carne salgada por 2,68% (0,31 ponto percentual a mais).

Na receita, a participação do frango inteiro foi de 23,15% (0,65 ponto percentual a menos que na média de 2018), a dos cortes de 68,32% (0,31 ponto percentual a mais), a dos industrializados de 4,15% (0,15 ponto percentual a menos) e a da carne salgada de 4,38% (0,49 ponto percentual a mais).

De toda forma, esse mix se encontra profundamente alterado em relação a uma década atrás. Assim, considerado apenas o volume, em 2008 o produto in natura (frango inteiro + cortes) respondeu por cerca de 90% das exportações, ficando os industrializados e a carne salgada com, praticamente, 5% cada um. Em 2018 a participação do “in natura” foi superior a 95%. E a dos dois outros itens não chegou a 2,5% cada um.







NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS












NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: