Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Links
Trabalhos Técnicos
Vídeos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Classificados
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Assine já
Quinta-feira, 18/10/2018
Siga-nos:
Notícias Clippings Informativo Semanal Informativo Diário
NOTÍCIAS
Embargos ao frango pouco influenciarão oferta interna




Campinas, 23/04/2018 | 08:19

Fonte: AviSite | Autor: Redação

Lutar, lutar, lutar. Afinal, os embargos (parciais, ressalte-se) impostos à carne de frango brasileira pela União Europeia não passam de mero boicote comercial, nada têm de preocupação sanitária.

Mesmo assim é importante alertar que, pelo menos no momento, os obstáculos levantados deverão ter influência mínima na oferta interna de carne. Assim, não há motivo para que os especuladores pressionem o setor, como não há razão para um eventual desespero do setor produtivo. Aos fatos:

Primeiro: o deslistamento imposto pela UE, mesmo atingindo (inesperadamente) empresas que nada tinham a ver com os problemas levantados, não foi amplo: atinge produtos específicos dos frigoríficos relacionados – por exemplo, carne salgada ou carne mecanicamente, mas não, necessariamente, a totalidade dos produtos exportados por elas.

Segundo: até agora o único dos quatro itens exportados colocado efetivamente na mira da Comissão Europeia é a carne salgada. E, neste caso, a quantidade é proporcionalmente pequena, insuficiente para desequilibrar o mercado interno, como certos segmentos estão tentando demonstrar (aparentemente com o intuito de afetar ainda mais o já afetado mercado do frango).

O quadro abaixo, elaborado a partir de dados levantados pela ABPA junto à SECEX/MDIC deixa isso bem claro. A partir dele se constata que:

1º) as importações de carne salgada da UE já vinham recuando antes mesmo dos recentes episódios. Em 2017 foram quase um quarto menores que as de 2016;

2º) apesar de ter como destino quase exclusivamente o mercado europeu, a carne salgada representou apenas 3,27% do volume total exportado pelo Brasil em 2017. Como ela tem melhor preço que o produto in natura representa, sim, grande perda financeira. Mas em termos de volume apresenta efeitos pontuais.

Mas o reforço à tese da baixa influência no mercado interno é encontrado na evolução das exportações de carne salgada para a União Europeia entre janeiro de 2011 e março de 2018 (87 meses).

Nos primeiros 66 meses desse período (até junho de 2016) exportaram-se para a UE, em média, 15,2 mil toneladas mensais de carne de frango salgada. As primeiras quedas começam a ocorrer a partir de julho de 2016, ou seja, bem antes que viesse à tona a Operação Carne Fraca. Desde então e até novembro de 2017 a média mensal caiu para 13,4 mil/t/mês.

Já nos últimos quatro meses – Isto é, de dezembro de2017 até março passado – os embarques de carne salgada para a EU não passaram, na média, das 7,7 mil/t/mensais, ou seja, quase 50% menos que o registrado na primeira fase do período analisado.

A carne salgada exportada nesses quatro meses para a UE (30,9 mil/t) correspondeu a 2,36% do volume total exportado pelo Brasil no período (1,309 milhão/t) e a 0,67% da produção brasileira de carne de frango estimada para o quadrimestre (4,6 milhão/t). É um volume capaz de derrubar mercados?

Naturalmente, o episódio não pode ser minimizado ou ignorado, sobretudo porque outros importadores podem segui-lo. Mas também não pode ser transformado em motivo de manipulação do mercado interno. Aliás, além do frango, também o suíno e o boi gordo estão sujeitos a uma redução de preço. Mas isso nada tem a ver com o embargo europeu, é ocorrência típica do período que antecede a entressafra (chegada do inverno). Há tempos ela não era observada, mas parece inevitável em 2018.







NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS












NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: