Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Segunda-feira, 21/09/2020
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Incubação

Estresse Térmico no Nascedouro sobre Função Imune de Frangos

INTRODUÇÃO O estresse térmico pós-eclosão influencia a função do sistema imune, pelo aumento da corticosterona circulante que causa involução do timo, bursa e baço e redistribuição das subpopulações de linfócitos T (4). A bursa é necessária para a diferenciação de linfócitos B e a produção de anticorpos específicos que começa na vida pré-natal (3), período no qual ocorre a maior taxa de transferência de IgG materna (1). No entanto, a transferência depende da velocidade de absorção do saco vitelino que é alterada pelas variações de T3 e T4, induzidas por mudanças na temperatura da incubação (2). O objetivo desse trabalho foi verificar o efeito do estresse térmico no nascedouro sobre a morfologia da bursa de Fabrícius, a transferência de anticorpos maternos e a resposta imune humoral dos frangos. MATERIAL E MÉTODOS Ovos férteis (68,8 ± 3,6 g), de matrizes Cobb-500® de 45 semanas foram incubados até 438 h sob termoneutralidade. Posteriormente, três grupos foram submetidos às temperaturas do nascedouro (Tn) de 34, 37 ou 39ºC, das 438 às 508 h. No nascimento, 15 aves por tratamento foram sacrificadas e as bursas dessecadas, pesadas, processadas para microscopia e cortes de 6 μm foram corados com hematoxilina e eosina. Imagens dos cortes foram analisadas no programa ImageJ®, sendo mensuradas a área total do corte, folicular, cortical e medular e a espessura do epitélio. Dos pintainhos restantes, 150 por tratamento, não sexados, foram criados em condições de termoneutralidade, com água e ração ad libitum de 1-42 dias. Todas as aves criadas foram vacinadas contra Doença de Newcastle VDN (4º e 16º dia) e Doença Infecciosa da Bursa VDIB (9º e 21º dia). Os títulos de anticorpos foram determinados semanalmente pelo ELISA (kit IDEXX®). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado. Os dados relativos à bursa foram analisados considerando o efeito de Tn (34, 37 e 39ºC) e os títulos em esquema fatorial 3X7 (Tn e idade dos frangos; ID). As diferenças (p<0,05) foram comparadas pelo teste de Tukey (5%). Transformaram-se os títulos para a análise (título anti-VDIB: y0,29; anti-VDN: y0,16), porém, apresentam-se os valores originais. RESULTADOS E DISCUSSÃO O peso e a área da bursa não foram afetados pela Tn (Tabela 1). A área folicular diminuiu para os embriões expostos a 34 ou 39ºC. A área cortical aumentou e a medular diminuiu para os embriões em Tn de 34ºC em relação às outras Tn. A espessura do epitélio diminuiu em expostos à 34°C em relação à 37°C. Dessa forma, o estresse térmico (34 ou 39ºC) proporcionou retardo no desenvolvimento do parênquima da bursa. O córtex é caracterizado pela maior taxa de divisão celular (3) e os resultados indicaram que essa divisão pode estimular-se pelo estresse por frio, aumentando assim a área cortical. O efeito da interação entre a Tn e a ID e o efeito principal da Tn sobre os títulos de anticorpos, não foram significativos, no entanto, houve efeito da ID (Figura 1). Os anticorpos contra VDIB e VDN medidos no 1, 7 e 14 dias e 1 e 7 dias, respectivamente, corresponderam à imunidade materna. Em ID posteriores, corresponderam à resposta imune humoral pós-vacinal. A tranferência de anticorpos maternos não foi afetada pela Tn, no entanto, estresse em idades mais precoces altera a absorção do saco vitelino (2) e em conseqüência pode afetar a transferência de IgG materna. Finalmente, o efeito da Tn sobre a bursa não afetou a resposta imune humoral à vacinação contra VDIB e VDN o que sugeriu que a Tn não tem inferferência no processo de diversificação de anticorpos que inicia na bursa no período pré-natal (3). Tabela 1 – Estresse térmico no nascedouro sobre a morfometria da bursa em pintainhos recém eclodidos. Letras iguais, na linha, não diferem entre si (Tukey 5%). Figura 1 – Títulos de anticorpos contra VDIB e VDN. a,b,c,d: idades (dias) com letras iguais, não diferem entre si (Tukey 5%). CONCLUSÕES O estresse térmico no nascedouro retarda o desenvolvimento da bursa, porém, não interfere na resposta imune humoral das aves na vida pós-natal nem na transmissão passiva de anticorpos maternos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Boa-amponsem K, Price SE, Geraert PA, Picard M, Siegel PB. Avian Diseases 2001; 45:122-27. 2. Decuypere E, Dewil E, Kühn ER. Avian Incubation. Poultry Science Series 1991, 239-56 3. Paramithiotis E, Ratcliffe MJH. Poultry science 1994; 73(7):991-97 4. Trout JM, Mashaly MM Poultry Science 1994; 73:1694-98


Incubação











CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (11)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

Saúde Pública (1)

REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF