Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 04/07/2020
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Nutrição

Interação Entre Diferentes Níveis Dietéticos de Metionina e de Lisina na Nutrição de Frangos de Corte

M. B. Café P. W. Waldroup O. M. Junqueira E. O. Oviedo-Rondon C. A. Fritts Introdução Metionina e lisina são, pela ordem, os dois primeiros aminoácidos limitantes em rações a base de milho e soja para frangos de corte. A inclusão desses aminoácidos nas matrizes nutricionais dos alimentos dos programas de formulação possibilita ao nutricionista trabalhar com níveis mais baixos de proteÌna bruta, reduzindo assim o custo da ração. Metionina e lisina são, certamente, os dois aminoácidos mais estudados na nutrição de aves. Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi de verificar possíveis interações entre metionina e lisina em diferentes níveis de suplementação e fases de criação de frangos de corte, e avaliar a influência desses níveis, sobre o desempenho e as características de carcaça de frangos de corte. Material e Métodos O experimento foi conduzido na granja experimental da Universidade do Estado de Arkansas (University of Arkansas), EUA. Foram utilizados 5.760 frangos de corte machos da linhagem Cobb-500. Ao chegarem à granja, os pintinhos foram alojados nos boxes experimentais. Três rações basais à base de milho e farelo de soja foram preparadas para a fase inicial, crescimento e final. Essas dietas foram formuladas para atender às recomendações de todos os aminoácidos essenciais em 110% das recomendações propostas pelo NRC (1994), com exceção da metionina e lisina que foram suplementados nos diferentes nÌveis experimentais. Os nÌveis energéticos utilizados foram 3.050 de EM kcal/kg na fase inicial, 3.100 no crescimento e 3.150 na fase final. A partir das raÁýes basais, com a suplementaÁ„o de DL metionina, lisina HCl, foram compostas as rações experimentais em um arranjo fatorial 3 X 4, com três nÌveis de metionina (100%, 115% e 120% das recomendações do NRC) e quatro nÌveis de lisina (100%, 110%, 120% e 130% das recomendações do NRC). Dois programas alimentares foram utilizados: o recomendado pelo NRC (1994) ñ um a 21 dias, 22 a 42 dias e 43 a 49 dias; e o comumente utilizado pela indústria americana - um a 16 dias, 17 a 35 dias e 36 a 49 dias. Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância (ANOVA) seguindo o delineamento fatorial 3X4X2 utilizando o procedimento GLM do pacote estatÌstico SAS. A comparação de médias foi efetuada pelo teste de Tukey Resultados e Discussões As interações entre metionina e lisina praticamente não ocorreram. O peso médio das aves (Tabela 1) foi influenciado pela metionina aos 35, 42 e 49 dias e pela lisina em todas as idades estudadas. O peso médio ou ganho de peso são critérios de avaliação de desempenho que estimam a exigÍncia nutricional no seu limite inferior, ou seja, se a ave teve uma queda de peso, em razão de um nutriente qualquer, certamente, houve uma deficiência nutricional naquele nutriente que comprometeu o desempenho do frango. Dessa forma, baseando-se nos resultados obtidos para peso médio, pode-se afirmar que os nÌveis de metionina e de lisina recomendados pelo NRC (1) são insuficientes para uma otimização de desempenho de frangos de corte. O programa alimentar utilizado exerceu influÍncia sobre o peso médio aos 21 e 42 dias de idade, e, em ambos os casos, com maior peso médio em favor do programa proposto pelo NRC (1994). A medida em que se aumenta o nÌvel de suplementação de metionina e lisina, as aves melhoram seu desempenho e observa-se um incremento nos rendimentos de carcaça.


Conclusão A resposta zootécnica à suplementação de metionina e lisina independe das interações entre níveis dietéticos de metionina e lisina, independentemente do programa de rações utilizado. A suplementação de metionina e lisina, em níveis superiores aos propostos pelo NRC (1994), proporcionou às aves um melhor rendimento zootécnico e melhoria das características de carcaça. Bibliografia National Research Council. Nutrient Requirements of Poultry. 9™ ed. Washington DC:National Academy Press; 1994. 155 p.


Nutrição









































Ir para a página:  1   2   Próxima >>

CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

Saúde Pública (1)

REVISTA ONLINE