Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 14/12/2019
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Outras Áreas

Desenvolvimento Embrionário de Linhagens Paternas de Aves para Corte Selecionadas para Características Produtivas

Schmidt, G.S. Figueiredo, E.A.P INTRODUÇÃO O desenvolvimento embrionário é afetado por diversos fatores que determinam a eficiência da incubação e a qualidade do pinto. Entre os fatores temos: A qualidade física do ovo, o estágio de desenvolvimento embrionário na oviposição, o período e as condições prevalecentes entre a postura e a estocagem dos ovos, as condições de estocagem e incubação e, o tempo de incubação, sendo que, a importância de cada fator muda com o estágio de desenvolvimento embrionário. O peso final do pinto é primariamente determinado pelo peso inicial do ovo, normalmente correspondendo de 62 a 78% (1,2) e, secundariamente determinado pela perda de peso durante a incubação, pelo peso da casca e peso residual, pela linhagem, pelo tempo e condições de incubação, pela idade da matriz e pelo sexo do pinto. A correlação entre o peso do ovo e do embrião, aumenta com o estágio de desenvolvimento embrionário, passando a ser significativo a partir do 13o dia de incubação, atingindo o máximo (0,50 a 0,90) no nascimento (2). Desta forma, o objetivo deste trabalho foi estimar o efeito da seleção, para características produtivas, em linhas paternas de aves para corte, sobre o desenvolvimento embrionário. MATERIAL E MÉTODOS Foram utilizadas duas linhas paternas de aves para corte (LL e LLc), com 34 semanas de idade. A linha LL foi submetida a seleção, durante 8 gerações, para as características de crescimento, carcaça, fertilidade e eclodibilidade. A linha controle (LLc), foi derivada de LL em 1985 e mantida em acasalamento ao acaso, sem seleção. Foram utilizadas 300 fêmeas e 30 machos de cada linha. Os ovos férteis, obtidos através de inseminação artificial, foram coletados e pesados individualmente durante 4 períodos de 5 dias consecutivos, com intervalo de duas semanas, com a realização de 4 incubações. Em cada período, um total de 960 ovos/linha foram identificados e separados em 4 grupos de 240 ovos (repetições) e armazenados, para posterior incubação. Nos períodos de 9 (PE9), 11 (PE11), 13 (PE13), 15 (PE15) e 17 (PE17) dias de incubação os embriões foram coletados e pesados individualmente (PE). No 18o dia os ovos férteis utilizados para a obtenção do peso do pinto (PE21) foram transferidos para a máquina de eclosão onde permaneceram até o nascimento. As análise foram realizadas utilizando-se os procedimentos estatísticos contidos no pacote SAS (SAS, 1996). RESULTADOS E DISCUSSÃO O peso do ovo (PO) foi similar para ambas as linhas, indicando que o processo de seleção utilizado para a manutenção da média desta característica foi efetivo. As diferenças entre LL e LLc, com relação ao desenvolvimento embrionário, passa a ser significativa a partir de P15, resultado na diferença de 2,03g no P21. Considerando 8 gerações de seleção, pode-se estimar um ganho genético de 0,54% (0,25g) por geração para P21. Mudanças no número de células percursoras do desenvolvimento esquelético (somitos) na fase do desenvolvimento embrionário (3) e as diferenças de composição bromatológica e eficiência de utilização dos nutrientes pelo embrião (4), em linhas selecionadas para peso corporal, pode explicar parte da variação do peso do embrião. As mudanças no PE, com a manutenção do PO, alteraram a correlação destas características, com diferenças significativas a partir de PE13. As correlações de 0,738 e 0,712 (PE21), respectivamente para LL e LLc, estão dentro dos limites encontrados na literatura ( 0,50 a 0,95). O peso do pinto correspondeu a 71,94 (LL) e 68,96% (LLc); do PO. Os aumentos estimados no PE, com o aumento de 1,0g no PO, para P21 foram de 0,73g (LL) e 0,69g (LLc). O incremento de 4,32% na relação do peso do pinto e PO é decorrente das diferenças genéticas, devido a seleção para peso corporal. CONCLUSÕES A seleção para peso corporal determinou uma resposta correlacionada no desenvolvimento embrionário a partir do 13o dia de incubação, com um ganho genético, por geração, estimado de 0,54% no peso do pinto ao nascer A correlação entre o PO e PE aumenta a medida que o tempo de incubação avança, sendo máxima no terço final da incubação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Shanawany, MM. World´s Poultry Science Journal, v.43, p.107-115, 1987. Schmidt et al. Brasilian Journal of Poultry Science, v.5, n.3, p.125-129, 2003a. Schmidt et al. Brasilian Journal of Poultry Science, v.5, n.3, p.175-178, 2003b. Yannakopoulos, AL; Tserveni-Gousi, AS. Poultry Science, v.66, p.829-833, 1987.


Outras Áreas































CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: