Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sexta-feira, 24/05/2019
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Manejo

Avaliação da Debicagem e da Taxa de Lotação em Codornas Japonesas (Coturnix coturnix japonica) Sobre o Desempenho Produtivo

N.S.M. Leandro N.S. Vieira M.S. Matos D.A. Santos M.B. Café INTRODUÇÃO A atividade de coturnicultura, assim como a criação comercial de galinhas poedeiras, busca uma redução de custos de produção, com uma criação intensificada e com práticas de manejo que tem provocado preocupação em relação ao bem-estar das aves. As principais controvérsias na produção de poedeiras são com respeito à taxa de lotação (alta densidade) e com o manejo de debicagem. Ambos os fatores estão envolvidos com o custo de produção e com o problema de canibalismo. A debicagem é um procedimento utilizado na produção de poedeiras que tem sido aplicado em codornas japonesas, com o mesmo objetivo de reduzir o comportamento agressivo, a mortalidade e a queda no desempenho produtivo. No entanto, existem questionamentos sobre a real necessidade da debicagem em codornas e o desafio de determinar um procedimento de debicagem adequado para essa espécie. Do mesmo modo, a taxa de lotação em codornas interfere na lucratividade e no desempenho das aves (2). Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de diferentes tipos de debicagens combinadas com duas taxas de lotação sobre o desempenho produtivo de codornas japonesas na fase de postura. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido no setor de avicultura da EV/UFG (Goiânia – GO). Utilizaram-se 444 codornas japonesas ( Coturnix coturnix japonica) com 40 dias de idade. As aves foram alojadas em um galpão de produção contendo baterias com seis andares, com gaiolas medindo 25cm de frente por 33cm de profundidade, sendo estudadas duas taxas de lotação: alta com 75 cm 2 /ave e baixa com 103 cm 2 /ave, com 11 e oito aves/gaiola, respectivamente. As aves foram debicadas no 18° dia de idade em dois tipos diferentes: leve (DL) ou severa (DS), sendo a debicagem leve realizada com o corte de 1/3 do bico e a severa com 2/3, comparadas com um grupo controle onde as aves não foram debicadas (ND). O delineamento adotado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3x2 (debicagem x densidade), com seis tratamentos, quatro repetições, com 16 ou 22 aves por parcela. As codornas foram alimentadas com ração de postura atendendo os níveis preconizados pelo NCR (4), farelada e fornecida à vontade. As coletas iniciaram quando as aves atingiram 5% de produção de ovos. As variáveis estudadas foram produção de ovos, conversão alimentar (kg/kg e kg/dz), peso do ovo, consumo de ração (kg/ave/período) e desperdício de ração (kg/parcela/período), durante cinco ciclos de produção de 15 dias cada. Para a análise de variância foi considerado o período total de produção (45 a 120 dias de idade). Os dados foram analisados pelo programa SAEG e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSSÃO Não houve interação (p>0,05) entre debicagem e densidade para todas as variáveis de desempenho estudadas (Tabela 1). O tipo de debicagem afetou o desperdício de ração (p<0,05), sendo que as aves não debicadas apresentaram maiores perdas, no entanto a debicagem não influenciou o consumo de ração e a conversão alimentar. Esses resultados concordam em parte com os obtidos por Lee (3), em que poedeiras não debicadas apresentaram maior desperdício de ração refletindo em uma melhoria na conversão alimentar. Neste experimento a debicagem severa não prejudicou o desempenho das codornas e a mortalidade (dados não apresentados), no entanto Andrade e Carson (1) encontraram pior taxa de produção de ovos e pior conversão alimentar para poedeiras submetidas a debicagem severa. Com respeito à taxa de lotação pode-se observar que o consumo de ração foi influenciado (P<0,05) pela densidade, sendo que alta densidade provocou um menor consumo de ração. Esse resultado pode ser explicado pela maior competição entre as aves pelo espaço nos comedouros. No entanto, a produção de ovos, ao contrário da literatura (2), foi maior em codornas alojadas em alta densidade. CONCLUSÕES Os resultados obtidos permitem concluir que codornas japonesas podem ser alojadas em maior densidade (75 cm 2 /ave). A debicagem, leve ou severa, quando bem realizada, não afeta a mortalidade e proporciona menor desperdício de ração. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE AN, CARSON JR. Poutry Science; 54:666-674, 1975. GARCIA AE. et al. B. Industry Animal; 55:185-188,1998. LEE, K. Poutry Science; 9:2202-2207, 1998. NRC. Commitee on Animal Nutrition. Subcommittee on Poultry Nutrition. 9 ed. Washington, 1994,155p.


Manejo































CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (65)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (67)

REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: