Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Legislação
Busca Avançada
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Terça-feira, 28/01/2020
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Nutrição

Determinação da Solubilidade Protéica de Farinhas de Subproduto de Aves com a Pepsina em Baixa Concentração

C. Bellaver D.L. Zanotto A.L. Guidoni INTRODUÇÃO Muitos laboratórios que executam o método de determinação da solubilidade protéica em pepsina, baseiam-se na recomendação da AOAC (1), a qual indica que o teste deve ser feito com solução de pepsina a 0,2% e uma atividade de 1:10000. Estudos mais recentes (2, 3), mostram que existem diferenças em solubilidade da proteína bruta (PB) (N x 6,25), quando digeridas em pepsina nas concentrações de 0,2%, 0,02%, 0,002% ou 0,0002%. Foi proposto por Bellaver (3) que a solubilidade protéica in vitro com pepsina na concentração de 0,0002% é melhor do que com concentrações maiores, para melhor classificar a qualidade protéica. Muito embora seja desejável utilizar concentração baixa de pepsina, desconhece-se qual é o intervalo que poderia exprimir melhor a solubilidade protéica desejável das farinhas de subprodutos de aves (FOA). Portanto, o objetivo desse trabalho foi identificar os valores que melhor exprimem a solubilidade protéica de farinhas de subprodutos de aves (FSA), utilizada aqui como modelo experimental. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido na Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia, SC. Foram executadas duas fases experimentais, sendo a primeira para determinar os valores de solubilidade protéica in vitro e a segunda, com valores in vivo obtidos para energia metabolizável (EM) dos ingredientes testados. A solubilidade protéica in vitro (SOLPEP), em solução ácido/pepsina, determina a fração solúvel das proteínas usadas no experimento (3). As fontes protéicas corresponderam a duas FSA e caseína (considerada padrão com 100% SOLPEP). As fontes proteicas (Tabela 1) foram termicamente processadas em autoclave na temperatura de 120ºC com os seguintes tempos de autoclavagem: 0, 10, 20, 40 e 80 minutos. As concentrações utilizadas da pepsina em solução de HCl 0,0744N, foram de 0,0002, e 0,02%, para as fontes protéicas. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados em estrutura fatorial 3 x 5 x 2 (3 fontes protéicas x 5 níveis de processamento térmico x 2 níveis de concentração da enzima pepsina), com quatro repetições. RESULTADOS E DISCUSSÃO Uma vez que as equações estimadas (Tabela 2) guardam coerência com trabalhos anteriores (2, 3) e as estimativas de seus parâmetros são todas significativas(p<0,05), com coeficientes de correlação também significativos; pode-se indicar que solubilidades ideais com concentrações de pepsina de 0,0002%, estão acima de 55%, sendo indicativas de farinhas de boa qualidade nutricional. Abaixo desse valor podem estar associadas a danos de processamento ou de composição química, conforme pode-se verificar na Figura 1. Da mesma forma, solubilidades próximas a 84 % podem ser consideradas boas, mas decaem em solubilidade e são consideradas ruins se tiverem por volta de 65% de solubilidade protéica em pepsina 0,02%. CONCLUSÕES Os resultados permitem concluir que a solubilidade protéica em pepsina na concentração de 0,0002 % permite melhor discriminação das farinhas de subprodutos de aves e que nessa concentração, o valor indicativo de boa qualidade nutricional é acima de 55%. Se for usada a concentração de 0,02% de pepsina, o valor indicativo de boa qualidade, situa-se em torno de 84%. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AOAC. In: Official methods of analysis of AOAC international. Ed. Patricia Cunniff. 16 ed. Cap. 4, p.15-16, 1995. PARSONS CM, CASTANON F, HAN Y. Poultry Science; 76: 361-368, 1997. BELLAVER C, ZANOTTO DL, GUIDONI AL, KLEIN CH. Ciência Rural; 30(3):489-492, 2000. SIBBALD IR. Poultry Science; 58:668-673, 1979.


Nutrição









































Ir para a página:  1   2   Próxima >>

CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: