Revista do AviSite
Revista do OvoSite
Encartes Especiais
Notícias
Informativo Semanal
Informativo Diário
Info Estatísticas
Canal Agroceres
PecSite
SuiSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Canal Agroceres
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Domingo, 26/09/2021
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos Canal Agroceres
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola

Implantação de Programa de Rastreabilidade da Industria Avícola

Marisete Cerutti Seara Alimentos SA A Organização Internacional de Standartização (ISO) desde sua primeira edição das Normas ISO previu a necessidade das industrias atenderem a requisitos de identificação e rastreabilidade, definido-a como uma sistemática planejada, implementada e registrada, que garante a identificação do produto e dos processos por meios adequados, a partir do recebimento e durante todos os estágios de produção, entrega e instalação. No entanto foram episódios mundiais que amedrontaram e intimidaram o consumo de produtos alimentícios de origem animal e vegetal, os que definitivamente marcaram a necessidade de implantação do programa de rastreabilidade na industria avícola. Episódios que influenciaram na demanda da implantação do Programa de Rastreabilidade VOLTA PELO NATURAL definiu mudança nos hábitos e na cultura dos consumidores, com participação do Greenpeace, partido verde, entidades de pesquisa e organismos governamentais; · INGLATERRA 1995- Rainha declara Intoxicação Humana por Salmonella em ovos; · INGLATERRA - 1996 - Ministro tornou público que a filha comeu Hamburguer o qual poderia ter vínculo com a doença de BSE/CJD ( versão do BSE no Homem); · Bélgica - 1999 - CRISE DA DIOXINA - fornecedor de óleo para ração utilizava óleo industrial; · FRANÇA - em 2000 Carrefour fez Recall de carne com garantias de livre de BSE por falhas de rastreabilidade; · ALEMANHA - 2000 - Crise da dioxina 2001 - Resíduos de Antibióticos em salsichas. · ITÄLIA ,PORTUGAL, GRÉCIA, DINAMARCA, ESPANHA e ILHAS CANÁRIAS- casos de BSE ( Bovine Spongiform Encephalopathy) Estes episódios tiveram suas influencias nas culturas e nos mercados mundiais, a exemplo da: · Influência do extremo oriente pelos ingleses e franceses; · Valorização artificial pelo produto natural. · Influência da cultura francesa na Arábia Saudita, sob pressão da França como produção de frangos com rações isentas de farinhas de origem animal e com garantias de ausência de resíduos medicamentosos. · Japão, 1999, inicia exigências de livre de Grãos Geneticamente Modificados -GMO free. · Irlanda, 1999, Cadeia Superquinn -Traceback por DNA para transportar o consumidor às origens do produto. · Tailândia, 2001 - atesta garantias de GMO free e ração vegetal, concorrendo com as produções brasileiras. · Na Grã Bretanha, a Marca "les Fermiers des Janzé", lança produtos com embalagens informando ao consumidor o endereço, fone e foto do criador responsável, com aumento do preço e vendas do produto. Assim, com o aparecimento da BSE na Europa, foi introduzida legislação sobre a identificação da carne bovina, com objetivo de certificação de origem e qualidade com base na rastreabilidade. No mercado interno, o movimento de grandes redes de parceria incentivam os programas de rastreabilidade visando a comercialização de alimentos seguros e de qualidade. A tendência dos importadores será crescente em exigir o enquadramento do exportador nas regras internacionais relativas ao Alimento Seguro. No atual mercado, globalizado e onde a definição de compra é do cliente, a responsabilidade e competência na elaboração do produto e serviço o grande valor. Os clientes e consumidores reconhecem o valor percebido do produto com rastreabilidade por identificar a origem do produto e por disponibilizar a qualquer momento e lugar níveis de garantias, independente da sua localização de produção no mundo. Em cadeia reversa, eles mudam as exigências dos clientes, as políticas nacionais e internacional, na busca crescente pelo produto natural, pelo Bem Estar Animal, pela criação de animais saudáveis, pelas Boas Práticas Agrícolas e de Produção, pelo respeito ao meio ambiente, pelo alimento seguro. A implantação de Programa de Rastreabilidade é uma exigencia de mercado e consumo e tem provado ser um importante quesito de qualidade para a confiabilidade nos negócios. Segundo HOLROYD (2000), o futuro do comércio da carne depende fundamentalmente da industria para os aspectos de honestidade, transparência, disponibilidade de informações detalhadas (rastreabilidade), garantia da qualidade e flexibilidade para mudanças. Assim, as formas de gerenciar a qualidade na industria de alimentos também exigiu mudanças. A alta administração passou a assegurar que os requisitos dos clientes sejam identificados e atendidos desde sua entrada até o consumo, demonstrando com transparência a realização e controle do seu produto da granja à mesa. Os controles da Qualidade de produto cederam para um controle de processo mais participativo, com responsabilidade de todos que executam as atividades de fabricação num modelo com autocontrole, registros e com garantia da qualidade integrada em toda a cadeia produtiva e de comercialização. A DEMANDA DA RASTREABILIDADE A rastreabilidade é uma ferramenta para a produção de carne segura e de qualidade, mas por si só não é um programa de inocuidade considerando sua dependência da gestão responsável do processo. Existe uma tendência de interpretar a rastreabilidade como uma operação de identificar o histórico para avaliar a procedência ou não de reclamações de mercado e bases para administrar eventuais crises. Muito mais do que esta aplicação, a rastreabilidade é um sistema preventivo que permite a empresa controlar seus riscos antes de se expor ao mercados, satisfazendo seus clientes. A demanda da Rastreabilidade ocorre em quatro importantes níveis: 1.Demanda pela organização 2.Demanda pelo Cliente 3.Demanda Legal 4.Demanda Social DEMANDA DA RASTREABILIDADE PELA ORGANIZAÇÃO Rastreabilidade como fator de segurança do produtor:A rastreabilidade é base para o gerenciamento do positive release e permite uma análise mais profunda da capacidade da empresa em fazer dentro da conformidade. É vital gerenciar como o produto foi feito durante seus estágios de processamento antes de dar a liberação do pedido para o cliente. A marcação deve ser considerada para a identificação dos produtos, permitindo que este produto seja vinculado às informações relevantes, normalmente constadas no rótulo. Rastreabilidade para a identificação de causas de Reclamações e ou Desvios:um produto derivado do Recall ou segregado dentro da própria empresa, deve ter sua causa identificada com base na rastreabilidade e ações imediatas e corretivas implementadas. Rastreabilidade no Gerenciamento de Crises:Crise é qualquer situação que possui potencial de afetar significativamente e adversamente a performance ou reputação de uma industria de alimentos. A rastreabilidade fornece subsídio suficiente para embasar a análise e justificar Processos de Responsabilidade e ou Defesa da empresa diante do gerenciamento de crises. O gerenciamento de crise na segurança alimentar é responsabilidade da alta direção e de todos os níveis organizacionais e deve ser capaz de permitir a retirada imediata de qualquer produto, recuperação de estoque ou realização de recall de um produto distribuído para comercialização e consumo. Um gerenciamento responsável de risco de segurança alimentar permite que a empresa se antecipe às crises e preserve vidas humanas, proteção da marca e longevidade do negócio. Ser capaz de antecipar uma crise exige um sólido programa de rastreabilidade e gerenciamento dos registros de produção e ou comercialização. Rastreabilidade como base para a implantação do Controle Estatístico de Processo (CEP):para avaliar a capabilidade da industria em fazer seus produtos, evitando desvios, reprocessos e perdas Rastreabilidade como uma ferramenta para a melhoria contínua:simplesmente aceitar o resultado final de um processo sem questioná-lo, somente pelo fato de que ele está dentro das especificações pode estagnar o processo com perda da competitividade. A análise dos parâmetros da qualidade do produto e ou processo permite dinamizar, otiumizar e melhorar o processo com segurança e rentabilização. A ausência de programa de rastreabilidade, impede a devida análise e a tomada de ações preditivas, preventivas e corretivas. O exercício de análise crítica do plano de rastreabilidade diário é fonte preventiva para a melhoria contínua e força propulsora da Marca e da Organização. Rastreabilidade como ferramenta de competitividade e Internacionalizaçãofacilidade para atingir novos mercados pela Cultura organizacional para a garantia da qualidade. Rastreabilidade como medida preventiva para Marketing: a rastreabilidade possibilita identificar os perfis dos clientes e suas demandas para traçar as estratégias mercadológicas. DEMANDA DA RASTREABILIDADE PELO CLIENTE Rastreabilidade como fator de segurança ao cliente:a rastreabilidade sigifica para o cliente certeza que pode acomapnhar os processos de produção, o grau de conformidade do produto e processos em qualquer tempo e lugar. Rastreabilidade como garantia para identificação e controle de causas de Reclamações. Rastreabiidade como garantias de responsabilidade das penalizações morais e econômicas de Recall e Gerenciamento de Crises. DEMANDA DA RASTREABILIDADE PARA ATENDER ASPECTO LEGAL De acordo com o Regulamento Europeu 178/2002 - Artigo 18° a Rastreabilidade " Será assegurada em todas as fases da produção, transformação e distribuição a rastreabilidade dos géneros alimentícios, dos alimentos para animais, dos animais produtores de gêneros alimentícios e de qualquer outra substância destinada a ser incorporada num gênero alimentício ou num alimento para animais, ou com probabilidades de o ser.".... e " Os gêneros alimentícios e os alimentos para animais que sejam colocados no mercado, ou susceptíveis de o ser, na Comunidade devem ser adequadamente rotulados ou identificados por forma a facilitar a sua rastreabilidade, através de documentação ou informação cabal de acordo com os requisitos pertinentes de disposições mais específicas". Atender a requisitos legais é compromisso é fato e dever de toda e qualquer organização. DEMANDA DA RASTREABILIDADE - SOCIAL E DE SAÚDE PÚBLICA Rastreabilidade e Segurança Alimentar é uma questão de Saúde Pública e de Responsabilidade Social que adentra na esfera da Economia e da Política Internacional. É uma Arma de responsabilidade social de fronecedores distribuidores e consumidores, com obrigação de troca de informações e transparência nas relações da cadeia. Embora os produtores especialmente os de bovinos estejam conseguindo diferenciais de preços pelos rebanhos com algum tipo de certificação de origem, nos demais negócios a rastreabilidade é apenas um requisito de competitividade sem agregação de valor econômico. O escopo de rastreabilidade depende de cada industria e cabe a ela determinar e especificar seus próprios objetivos e métodos. A implantação de um sistema de rastreabilidade verticalizada entre os diferentes elos da cadeia produtiva minimizam as perdas econômicas e impactos dentro da organização, no cliente e na Saúde Pública. Quanto mais cedo se identificar e corrigir a causa de um desvio nos elos primários, menor serão as perdas e os impactos. As insatisfações de clientes por reclamações, recall vão além das perdas econômicas, elas afetam a confiança, a parceria, a imagem da empresa no mercado e até o negócio, valores este imensuráveis. O programa de rastreabilidade deve ser operado e mantido, de forma auto-sustentável, pela iniciativa privada na qual são igualmente satisfeitas as condições de proteção de saúde animal, dos clientes e da saúde pública. PRINCÍPIOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE RASTREABILIDADE EM AVES Programas de rastreabilidade exigem uma seqüência lógica de passos para sua efetiva implementação: PLAN - Comprometimento da direção e de todos os participantes dos elos da cadeia - Granja à Mesa Alocação de recursos para implementação do programa - Sensibilização dos funcionários nos objetivos, conceitos e benefícios do programa - Estabelecer uma cultura de segurança alimentar e bem estar animal - Definir procedimentos de identificação das matérias prima, insumos e produtos na cadeia - Identificar os pontos importantes de rastreabilidade para a organização - Elaboração de sistemática de rastreabilidade ao longo da cadeia produtiva - Definição dos registros de rastreabilidade, legibilidade, armazenagem e tempo de guarda: WHO Quem coleta / What O que coleta / When Quando coleta / Where Onde coleta How Como coleta - Atribuição de Responsabilidade - Exigência de Disciplina nos controles - Registros que evidenciem os detalhes do realizado DO - Treinamento e Competências - Implementação do plano - Disciplina nos controles CHECK - Verificação periódica - sugere-se mensal a trimestral - Validação através de auditorias internas e externas. ACTION - Atuar continuamente na melhoria através de ações corretivas e preventivas. DOCUMENTAÇÃO E REGISTROS Os registros fornecem evidencias claras e objetivas do realizado e permitem em qualquer tempo e lugar, conectar o produto final às origens mesmo em cadeias produtivas que envolvam diferentes processos em série e interrelacionados. O fornecedor deve estabelecer procedimentos por escrito para identificar, obter, agrupar, ordenar, classificar, registrar ou eliminar todas as informações ligadas à qualidade. Os registros devem ser legíveis, sem rasuras e ou manipulação e mantidos em papel ou em meio eletrônico. É recomendável o arquivamento dos registros no mínimo durante 2 anos após o vencimento do prazo de validade dos produtos comercializados, considerando que são documentos essenciais para salvaguardar a empresa no gerenciamento de crises. A rastreabilidade através dos registros é uma ferramenta que se aplica para todos os programas de qualidade e de controles de responsabilidade da empresa. A IDENTIFICAÇÃO NA INDUSTRIA AVÍCOLA A identificação dos produtos recebidos, sejam eles matérias primas, insumos, embalagens e outros se dá através da rotulagem dos produtos fracionados e em registros para os produtos a granel. Pelas características da exploração avícola, a identificação das avós, matrizes, dos ovos, dos pintos e dos frangos se dá em lote, complementado por registros, diferente dos bovinos e suínos cuja identificação pode se dar individual. Os produtos em processo industriais tem sua identificação dada em lotes do produto e ou registros. Lote - é uma quantidade de peças produzida ou comprada ao mesmo tempo e nas mesmas condições. Identificação única - o princípio de qualquer sistema de identificação é o fato de que cada identificação é única e inequívoca. Produtos finais e em comercialização tem sua identificação dada através da rotulagem sobre o produto, minipalet e ou container, todos conectados com registros que fornecem rastreabilidade, permitindo rastrear a qualidade do produto e sua performance no processo produtivo nas diferentes etapas de produção industrial e agropecuária. Em relação aos alimentos, a segurança é uma das características mais importantes para o cliente ou consumidor definir a escolha por este ou aquele produto e ou marca. Os clientes, redes de distribuição e consumidores desejam transparência de condições e métodos de produção, conectando-se através do produto à planta de processamento, aos criatórios de aves, à sua alimentação e aos sistemas de controle e garantia da qualidade aplicados sobre o produto, através da rastreabilidade. A Identificação Mínima de um produto cárneo consta de: • País de origem do produto - nascimento, criação e abate das aves • Estabelecimento de abate -SIF • Marca do produto • Nome e código de produto • Data de produção e ou vencimento • Prazo de validade A Identificação Adicional desejável consta de: • As acima relatadas • Código de lote • Hora de embalagem ou produção- Sistema de código de barras A Identificação especial para nichos mercadológicos • Selos de qualidade. Ex. Produto antibiótico free, Grain fed, GMO free. • Identificação dos produtores e ou seus endereços A RASTREABILIDADE NA INDUSTRIA AVÍCOLA O abrangência dos controles, a disponibilidade dos registros, a definição de lote e das características acordados entre o cliente e a industria definem o nível de rastreabilidade de uma industria. No anexo I , demonstra-se um modelo de como avaliar o grau de abrangência do programa de rastreabilidade de uma industria avícola, baseado em escores de 1 a 12. Quanto maior o escore , maior a segurança da Granja à Mesa para um determinado requisito. A definição do tamanho de lote deve ser definido em função do risco de perigos, prevalência e gravidade ao consumidor e exposição do produto no mercado. Quanto mais enérgico o padrão requerido, maior deve ser amostragem de controle e por conseguinte recomenda-se a horários, pedidos, turnos ou por data de produção. Assim produtos de pouco valor agregado, de baixo risco e gravidade à segurança alimentar pode ter seu tamanho de lote aumentado para o dia. Por outro lado produtos de alto valor agregado ou mesmo matérias primas principais devem ter seu tamanho de reduzido a exemplo de identificação de lote a cada intervalo de hora. Assim desvios pontuais podem ser prontamente identificados e os produtos segregados e ou recolhidos sem necessariamente incriminar todo o pedido, reduzindo o impacto e a extensão das perdas para a industria e para o cliente. As características de maior interesse em rastreabilidade à nível de comércio exterior são: • Linhagem • Ração de origem vegetal • Rações livres de antibióticos e promotores de crescimento • Rações com grãos não geneticamente modificado ou GMO free • Uso responsável de antibióticos terapêuticos • Bem estar Animal - Welfare • Boas Práticas Veterinárias • Boas Práticas de Fabricação • HACCP • Níveis microbiológicos • Características físico -químicas do produto • Corpos estranhos • Controles da Qualidade A rastreabilidade dos produtos adquiridos se dá antes de sua disponibilização para o uso. A informação mínima para se iniciar a rastreabilidade é o nome do produto e ou número do controle de recebimento e ou data de recebimento. Através destes pode-se chegar ao registro de recebimento, documento de compra e local de armazenamento, quando houver estoque. Produtos que mantém no rótulo ou de outra forma, identificações como partida ou lote ou data, permitem a rastreabilidade durante o processo. Produtos a granel podem ter sua identificação definida apenas através de registro e o local de armazenagem identificado com o nome do produto.. RASTREABILIDADE NA AGROPECUÁRIA O produtor é o primeiro envolvido na rastreabilidade e isto depende de uma boa identificação do lote. A identificação do lote se dá pelo nome do produtor, cadastro e ou endereço de granja. Assim toda a cadeia deve manter documentos que evidenciem a rastreabilidade, mostrando seu comprometimento. Prioridade na demanda dos clientes e consumidores: • Granja com cadastro/ contrato de fornecedor de serviços de criação de aves • Linhagem • Criação sob Bem Estar Animal • Preferencialmente criado em instalações com piso • Lavagem e desinfecção das instalações a cada entrega de lote • Uso de cama nova a cada lote • Animais dentro dos padrões sanitärios exigidos pela legislação • Controle integrado de Pragas • Controle de visitantes • Seguir Procedimentos Operacional Padrão de criação das aves (POP's) • Dispor de ações de manutenção preventiva e corretiva • Registro com dados de: • Incubatório de origem com rastreabilidade para origem do ovo, data de postura, data de incubação, performance de incubação, vacinas utilizadas, local e horário de nascimento, horário de entrega e condições sanitárias de incubação, nascimento, armazenagem e entrega. • Origem do(s) lote(s) de matrizes que originou o ovo, local de postura, idade, linhagem, status sanitário da matriz, drogas utilizadas, mortalidade/idade, performance zootécnica(postura). • Data de alojamento dos pintos • Mortalidade na vida do lote e suas causas • Eliminação de aves nas respectivas idades e suas causas • Visitas técnicas efetuadas no lote e parecer técnico n Partidas e lotes de vacinas • Medicações terapêuticas, nome do produto, partida, idade, período de carencia, responsável técnico e motivo. • Taxa de crescimento das aves - Peso x idade • Controles das partidas de rações recebidas e consumidas • Controle da qualidade de água e volumes de consumo diário • Controles de temperaturas mínima e máxima diária • Controles de gases tipo amonia e CO2 • Condições de apanha, período de dieta hídrica, mortalidade de apanha A extensão dos itens acima aplicam-se também a Granja de matrizes e incubatórios, quando cabíveis, as quais são periodicamente auditadas. As alianças mercadológicas vem crescendo e contemplam níveis de garantias desde o fornecedor de grãos para alimentação animal, premixes, rações, produtor de aves, abate, industria processadora e pontos de vendas. Modelo de rastreabilidade pararações A implantação das alianças está mudando o relacionamento entre produtores, industrias e clientes. Está sendo estabelecida uma relação de verdadeira parceria e maior confiança entre as partes, fundamental para o crescimento, desenvolvimento e consolidação das parcerias. RASTREABILIDADE DA GRANJA À MESA A eficácia do sistema de rastreabilidade é demonstrada pela capacidade de conseguir, à partir do código de rótulo identificar através da seqüências de planos de rastreabilidade que evidenciam o realizado nas diferentes etapas do processo. O abate de aves se dá pela identificação do produtor, número do aviário, placa do veículo transportador, a que denominamos de "lote". As aves tem sua identificação dada por lote de criação para efeito de rastreabilidade, embora aceita-se agrupamento de lotes por turnos. É importante registrar, que o uso do procedimento por turno, reduz a precisão dos resultados de um processo de rastreamento, levando-nos à vários lotes de aves e não precisamente ao lote específico. Processos de abate com water chiller não permitem a continuidade da identificação única do lote, neste caso a rastreabilidade subsequente se dá pelo conjunto de 2 ou mais lotes, aliado ao gerenciamento do tempo de processamento dos lotes e a sistemática de registro definida pelo estabelecimento. Pontos de alerta na implantação do programa de rastreabilidade para a industria avícola: · Tendência à Burocratização à nível europeu e na Empresa. Definir por uma sistemática simples, objetiva e informatizada · Zelar pela Informação · Aumento dos custos para as empresas · Ética com o valor da Informação do cliente e da Empresa · Distinguir as intenções do cliente do oportunista · Período de guarda dos registros superior ao de validade do produto Identificação e rastreabilidade do produto final na embalagem com registros. CONCLUSÃO A rastreabilidade é um processo crescente, irreversível, impulsionado pelas economias de escala decorrentes dos avanços tecnológicos e da demanda do mercado importador que exigem ética e transparência nos processos de produção e distribuição dos produtos. A Fiscalização e vigilância é mais enérgica e os Sistemas de Alertas mais eficientes permitindo maior visibilidade das situações de perigo. É de responsabilidade do produtor a entrega de um produto validado e de através da disciplina vencer as barreiras político sanitárias, técnicas e dos sistemas de alertas cada vez mais eficientes na visibilidade das situações de perigo. O desafio mais importante na aplicação da rastreabilidade é o estabelecimento de diretrizes rígidas de produção, que ajude a assegurar que os produtos primários atenderão as demandas mais rigorosas das empresas processadoras e de seus consumidores. O comprometimento multidisciplinar em tornar o processo de produção mais preciso, integrado e otimizado é o grande valor. Cada segmento da cadeia é controlado de maneira a alcançar a otimização do desempenho global da organização, com eficiência interna dos processos e confiança de novos mercados. Bibliografia Felício, P.E.de. Parcerias Verticais de Carne Bovina e Serviços de Alimentação. 1a. Jornada em Ciências Nutricionais. Universidade de Ribeirão Preto – UNAERP, Ribeirão Preto S.P., 19-23 de outubro de 1998 Norma de Implementação do Sistema de Rotulagem de Carne Bovina do Brasil. Departamento Circular Nº192/98/DCI/DIPOA de 01 de Julho de 1998, do Ministério da Agricultura. Hendrick, H.B.; Aberle E.D.; Forrest J.C.; Judge M.D.; Merkel R.A. - Principles of Meat Science, Third Edition, 1994 Holroyd, P. –Tendencias do mercado de carne para o novo milenio. Proceedings APINCO. Maio:01 93-109http://www.technifor.com/langues/bresil/2_traca/tracabil.htm - Technifor


Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola










CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (2)

Incubação (11)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

Saúde Pública (1)

REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF