Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sábado, 24/08/2019
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Nutrição

Importância da utilização de minerais orgânicos em animais de alta performance

Os animais de produção necessitam receber suplementação mineral de modo a atender suas necessidades de macro e micro minerais. A forma química dos minerais é um fator importante para sua absorção e aproveitamento nas diferentes rotas metabólicas que compõe o organismo. Estes podem ser fornecidos sob a forma de sais inorgânicos, como sulfatos e óxidos, ou orgânicas. Os minerais orgânicos são apresentados como elementos de maior biodisponibilidade relativa quando comparados a fontes inorgânicas, ou seja, possibilitam maior absorção e são melhor utilizados pelos animais. A absorção do mineral orgânico no trato intestinal não sofre o processo de competição iônica, normalmente determinada pela presença de maior concentração de íons minerais. Os microminerais, também denominados minerais traço, em virtude de sua pequena inclusão nas dietas, atuam como componentes de estruturas proteicas ou como co-fatores, auxiliando na alteração ou modulação alostérica da estrutura terciária de enzimas, tornando-as ativas ou inativas (Borges, C. A. 2010). Há muitos anos, os nutricionistas têm utilizado minerais na forma inorgânica (ex.: sulfato de zinco, selenito de sódio, sulfato de cobre, etc.) buscando atender às exigências minerais dos animais (Araujo et al, 2008). Ao alcançarem o trato gastrointestinal, os minerais devem ser inicialmente solubilizados para liberarem íons e serem absorvidos. No entanto, estando na forma iônica parte dos minerais podem se complexar com outros componentes da dieta, como por exemplo o ácido fítico, dificultando sua absorção, ou ser completamente complexado, tornando-se indisponíveis aos animais.

Outro importante fator deve ser considerado: antes que um íon metálico possa ser absorvido, ele não deve estar envolvido com a hidroxi-polimerização, atravessar as barreiras e chegar ao enterócito. Os metais ingeridos podem ser subdivididos em duas categorias gerais: aqueles solúveis em uma ampla variação de pH no trato gastrintestinal, ex. sódio, cálcio e magnésio e aqueles susceptíveis a reação de hidroxipolimerização, como o alumínio, o manganês, o zinco, o cobre e o ferro. Eles são prontamente solúveis em ácido (ex. no estômago de monogástricos), mas em condições de alcalinização no intestino delgado, as moléculas de água as quais eles estão ligados perdem rapidamente seus prótons para formar compostos hidroxi-metálicos. Conforme a solução acidifica e se aproxima do pH neutro, outros prótons são liberados pelas moléculas de água coordenadas ao redor do metal numa tentativa de manter o equilíbrio. Isto pode levar a uma ampla polimerização dos hidróxi-metais e, por fim, precipitação, tornando o metal não disponível para a absorção.

Power (2006) explica que os minerais traços participam em várias funções bioquímicas no organismo, de forma que várias tentativas têm sido feitas para torná-los mais biodisponíveis, ao protege-lo das condições do trato gastrintestinal. Um bom ligante deve impedir ou interferir com a hidroxi-polimerização e talvez competir com a mucina para permanecer ligado ao metal. Ele não pode, por outro lado, se ligar tão forte de forma a impedir sua absorção e atuação metabólica. Aminoácidos e pequenos peptídeos estão entre os ligantes que melhor protegem os metais de transição no trato digestivo.

Tendo em vista estas alterações negativas, alguns nutricionistas utilizam níveis mais elevados de minerais, grande parte das vezes baseados em seu próprio conhecimento prático. Isto pode funcionar, mas há grande possibilidade de ocorrer uma interação negativa na absorção de minerais, bem como aumentar os níveis excretados dos mesmos (Leeson, 2008), com consequente impacto negativo ao meio ambiente. Atualmente, observa-se um maior interesse no fornecimento de minerais orgânicos ou fontes quelatadas de minerais traço. Os minerais orgânicos proporcionam maior índice de absorção e rapidez da mesma e seu transporte é facilitado. Partindo da hipótese de que são mais facilmente absorvidos e retidos no organismo, os minerais orgânicos podem ser adicionados a uma concentração muito mais baixa na dieta do que minerais inorgânicos, sem qualquer efeito negativo sobre o desempenho produtivo, e podem, potencialmente, reduzir a excreção de minerais (Nollet et al., 2007).

As diferentes ações exercidas pelos minerais no organismo dependem primeiramente de sua absorção no intestino e da sua distribuição nos diferentes tecidos do organismo animal.

Não basta, simplesmente fornecê-los nas dietas, mas oferecer minerais em quantidade e qualidade que atendam às necessidades nutricionais das diferentes espécies. Cuidando para que não haja excessos ou deficiências, ambas condições muito prejudiciais em vários pontos.

Frente ao exposto, a Yes, disponibiliza sua linha de minerais orgânicos, resultantes da quelação de sais solúveis com aminoácidos (mineral aminoácido quelatado) e proteínas parcialmente hidrolisadas (mineral proteinato). A empresa, dispõe em seu portfólio os minerais Cálcio, Cobalto, Cobre, Cromo, Ferro, Magnésio, Manganês, Selênio e Zinco. Com maior biodisponibilidade que os minerais inorgânicos, os YES-MINERALS® usam as vias de absorção dos aminoácidos e não interagem com íons metálicos livres, alcançando maiores concentrações nos tecidos. Testes realizados a campo e em Universidades referências na nutrição animal, atestam sobre a eficácia na utilização dos minerais orgânicos Yes.

Leia o estudo completo


Nutrição









































Ir para a página:  1   2   Próxima >>

CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

REVISTA ONLINE

Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: