Revista do AviSite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Sábado, 04/07/2020
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Nutrição

Aditivos Alternativos na Nutrição Animal

José Eduardo Butolo - Supremais Portal MegaAgro De 16 e 17 de agosto 2000. - Instituto Agronômico Campinas - Promovido pelo C.B.N.A - Colégio Brasileiro de Nutrição Animal. Participação da Indústria, Ministério da Agricultura, Universidades Brasileiras, Técnicos especialistas do Brasil, Europa, USA, México, e também de produtores de aves, suínos e bovinos, num total de 186 pessoas. O Objetivo desse encontro, foi o estabelecimento de um fórum de debates no tocante aos aditivos (micro ingredientes de alimentação) alternativos, face à pressão dos consumidores europeus, asiáticos e da comunidade latino americana por produtos cada vez mais seguros para o animal, para o criador e para o consumidor e que não agridam o meio ambiente. Os aditivos, melhoradores da produtividade animal (ganho de peso e conversão alimentar), têm sido utilizados nos últimos 50 anos, reduzindo as infecções bacterianas intestinais, preservando a integridade da mucosa intestinal permitindo que haja melhor absorção dos nutrientes e desempenho produtivo dos animais. Quando utilizados de acordo com as normas que regulam seu uso, não apresentam qualquer resíduo nos tecidos comestíveis, sendo seguro tanto para o animal , quanto para o homem. O fato de alguns desses princípios ativos serem utilizados na terapêutica veterinária e humana, levantou algumas contra indicações, até hoje sem comprovação científica. Alguns países da Europa têm banido o uso desses microingredientes de alimentação, "pelo princípio de cautela", baseando-se na alegação de que alguns desses aditivos apresentam moléculas cuja estrutura poderia induzir resistência cruzada a antibióticos utilizados na terapêutica humana. Nos USA, o uso desses aditivos é permitido. No Brasil existe regulamentação para o uso. Alguns, tais como as tetraciclinas, a penicilina, as sulfas, a avoparcina, têm seu uso proibido como promotores de crescimento, a fim de preservar a segurança alimentar para o consumidor. Acontece que a população tem procurado cada vez mais, alimentos sem a presença de qualquer "aditivo", ou seja, mais "naturais", mesmo a custo mais elevado. Argumentos contra e a favor tem sido apresentados em inúmeros debates, mas a posição do consumidor, quanto à segurança alimentar, tem prevalecido e os aditivos promotores de crescimento vêm sendo banidos da alimentação animal em todo o mundo. As alternativas passam pelo desenvolvimento da saúde intestinal que pode ser obtido com o uso racional de bactérias colonizadoras intestinais. São os probióticos que representam uma alternativa natural à substituição dos antibióticos, além de outras vantagens, como o aumento da resistência natural do hospedeiro. Como resultado do encontro, poderíamos concluir que os Probióticos e outros componentes biológicos citados, tais como as leveduras, os extratos herbais e etc. representam os modernos "Promotores biológicos de crescimento".


Nutrição









































Ir para a página:  1   2   Próxima >>

CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (67)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (68)

Saúde Pública (1)

REVISTA ONLINE