Revista do Avisite
Revista do Ovo
Encartes Especiais
Notícias
Clippings
Informativo Semanal
Informativo Diário
AviGuia
AviSite
OvoSite
Trabalhos Técnicos
Agenda
Cobertura
Legislação
Banco de Currículos
Relatórios
Busca Avançada
Contato
Publicidades
Patrocinadores
Sexta-feira, 24/05/2019
Siga-nos:
Trabalhos Técnicos
-->
CIÊNCIA & TECNOLOGIA - Trabalhos Técnicos

Manejo

Fatores Causadores de Alta Mortalidade em Frangos de Corte Devido a Extremos Climáticos

Julho 2007 MM Vale1, DJ Moura*2, IA Nääs2, SRM OLIVEIRA3 1 Doutorando Engenharia Agrícola – FEAGRI/UNICAMP 2 Professoras Dras. Departamento de Construções Rurais e Ambiência – FEAGRI/UNICAMP 3Pesquisador Dr. EMBRAPA / CNPTIA – Campinas - SP Introdução Durante as épocas quentes do ano, a produção de frangos de corte sofre severas perdas devido à alta mortalidade, havendo interesse na monitoria da ocorrência devido a extremos de clima a partir de dados de estações meteorológicas. Estes picos de mortalidade podem estar associados ao clima e ferramentas como a Mineração de Dados podem auxiliar na descoberta de padrões de clima. O objetivo deste trabalho foi identificar parâmetros meteorológicos relacionados aos picos de mortalidade de frangos de corte, entre 29 e 49 dias de criação, a partir de dados climáticos. Material e Métodos O experimento foi realizado no município de Tuiuti, SP, (lat. 22º 48’ 056” S, long. 46º 42’ 046” O), em dez aviários comerciais, orientação L-O, construídos em alvenaria, telhas de barro e equipados com comedouros automáticos, bebedouros pendulares, ventiladores, forro e cortinas laterais plásticas, entre os meses de novembro e dezembro. Os dados meteorológicos foram coletados através de estação meteorológica (Hobo), localizada no centro geográfico da granja, coletando dados de pressão atmosférica, temperatura do ar, umidade relativa do ar, velocidade do vento, direção do vento e radiação solar global a cada hora. Foi registrada a mortalidade diária individual para cada galpão, calculando-se a média geral de mortalidade diária. Os picos de mortalidade foram classificados pela ocorrência de mortalidade média anormal (MA, mortalidade alta), observada graficamente em picos da média diária dos galpões e mortalidade normal (N), em relação aos dias anterior e posterior. A classificação em mortalidade MA ou N foi cruzada com os dados da estação meteorológica segundo seu dia de ocorrência, formando um novo banco de dados, analisado pela técnica de Mineração de Dados utilizando o algoritmo J48 do software Weka, versão 3.4.7 (Witten & Frank, 2005). Resultados e Discussão De forma geral a mortalidade do período foi semelhante ao observado por Tabler et al. (2006), que observou aumento da mortalidade a partir de 30 dias de idade (Figura 1). Foram observados entre 29 e 49 dias três picos de mortalidade, nos dias 32, 44 e 46-47 de idade. Figura 1 – Mortalidade média diária (Dez aviários). A Mineração dos dados destacou o horário da temperatura máxima, pressão atmosférica, temperatura média e idade em semanas como as principais variáveis relacionadas com os picos de mortalidade (Figura 2, Precisão do modelo de 85,71%; Classe MA de 60%). Figura 2 – Árvore para a ocorrência de pico de mortalidade. O horário de temperatura máxima inferior a 11 horas é coerente, pois pode indicar a magnitude do estresse térmico devido ao prolongamento das horas de exposição a uma condição extrema de calor, podendo chegar a 5 horas ou mais de calor extremo. Por outro lado, a temperatura média do dia maior que 24,03º C indica a intensidade de estresse que as aves foram submetidas sendo agravado pela idade da ave (Macari e Furlan, 2001 e Tabler et al., 2006). A variável pressão atmosférica merece especial atenção, pois não há referências na literatura e pode estar associado ao fato destas aves serem suscetíveis a distúrbios ligadas ao sistema circulatório, uma menor pressão atmosférica pode gerar uma maior dificuldade nas trocas gasosas e colaborando no desencadeamento da mortalidade. Esta situação pode se agravar em altitudes maiores, neste estudo os aviários estavam localizados a 807 m de altitude. É possível aumentar a precisão deste modelo pela utilização de bancos de dados maiores. Conclusão Picos de mortalidade entre 29 e 49 dias de idade estão relacionados com eventos meteorológicos extremos. Pressão atmosférica menor ou igual a 690 mmHg, horário da temperatura máxima menor que 11 horas, temperatura média acima de 24, 03º C,e idade das aves acima de 6 semanas foram as principais variáveis envolvidas com alta mortalidade neste estudo. Bibliografia 1. MACARI, M.; FURLAN, R. L. In: DA SILVA, I. J. O. (Ed.). Piracicaba/SP, 2001. Vol. 1. Cap. 2. p. 31-87. 2. TABLER, G. T.; BERRY, I. L.; MENDENHALL, A. M. . Disponível em: www. Thepoultrysite.com/ FeaturedArticle/FATopic.asp?AREA=Production Mgmt&Display=253. Acesso em 14/11/2006. 2. WITTEN, I. H.; FRANK, E. 2nd ed. San Francisco: Morgan Kaufmann, 2005. Agradecimentos PRODETAB - Banco Mundial / EMBRAPA / FAPESP e CAPES


Manejo































CATEGORIAS

Administração, Economia, Planejamento e Política Avícola (10)

Ambiência (27)

Equipamentos (3)

Estrutiocultura (2)

Genética (1)

Incubação (9)

Manejo (31)

Meio Ambiente (1)

Nutrição (65)

Outras Áreas (31)

Produção (18)

Saúde (3)

Saúde Avicola (67)

REVISTA ONLINE
Receba as melhores informações sobre avicultura por e-mail.
Nome:
E-mail: