Grãos despencam em Chicago no último pregão de novembro

Sob aversão ao risco, trigo encerrou em baixa de mais de 4%; soja e milho também caíram

Nesta terça-feira, 30 de novembro, a aversão ao risco acentuou o movimento de liquidação de posições na bolsa de Chicago, habitual nos últimos dias de cada mês. O trigo, que na semana passada alcançou sua maior cotação em nove anos, liderou as quedas na sessão.

O balanço global de trigo na safra 2021/22 — que, em meados deste ano, acreditava-se que seria um dos mais confortáveis das últimas temporadas — transformou-se em um dos mais apertados da década. Intempéries nas lavouras, principalmente no Hemisfério Norte, mudaram o cenário. Ao mesmo tempo, diz o Itaú BBA, a demanda seguiu crescendo — em parte, como reflexo da estratégia dos principais importadores de aumento de seus estoques e, em parte, pelo uso do cereal em substituição ao milho na composição das rações animais.

A soja também encerrou o dia em queda em Chicago. O contrato para janeiro, o mais negociado atualmente, caiu 1,95% (24,25 centavos de dólar), a US$ 12,1725 o bushel, e a segunda posição, para março, desvalorizou-se 2,04% (25,50 centavo de dólar), a US$ 12,2650 por bushel. A queda de mais de 5% nos papéis do óleo de soja exerceu pressão adicional sobre as cotações do grão.

Diante da aversão ao risco e com poucas novidades nos fundamentos para limitar as perdas, a soja passou por forte liquidação. Nem mesmo o anúncio do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) da venda de 132 mil toneladas da oleaginosa para destinos não-revelados foi capaz de conter o declínio.

“Parece que, sem dúvida, a incerteza em torno da disseminação da ômicron foi o catalisador inicial. Quando isso se combinou com o volume de férias e com a liquidação de fim de mês, acabou ocorrendo uma mistura tóxica para o mercado de alta. Como se costuma dizer, na dúvida, saia”, disse o analista Dan Hueber, em relatório.

Um ponto de atenção do mercado da soja tem relação com o La Niña e seus efeitos para a produção global. Segundo avaliação da Organização Mundial de Meteorologia (OMM), o fenômeno climático será de fraco a moderado entre dezembro deste ano e fevereiro de 2022, mais do que o evento de 2020/21, mas ainda assim ele pode afetar setores sensíveis ao clima, como a agricultura.

No Brasil, maior produtor do mundo, as exportações de soja deverão chegar a 2,29 milhões de toneladas em novembro, segundo dados pela Associação Nacional de Exportadores de Cereais (Anec), baseados nas programações dos portos. Caso se confirme, o volume será 197% maior que o de novembro de 2020, quando as exportações somaram 770,3 mil toneladas.

O milho acompanhou o fraco desempenho de trigo e soja e também caiu na sessão. O contrato para março, o mais líquido, recuou 2,53% (14,75 centavos de dólar), para US$ 5,6750 o bushel.

Em um pregão pautado pela aversão ao risco, o petróleo e outras commodities, ativos considerados de maior risco, despencaram nas bolsas. De acordo com o analista Doug Bergman, da RCM Alternatives, desde segunda-feira é possível notar que os fundos de investimento estão vendendo suas posições, reduzindo assim sua aposta na alta do cereal.

Outro fator que pressionou o milho é a dúvida do mercado sobre como serão os novos mandatos de biocombustíveis nos Estados Unidos. Havia expectativa de que Agência de Proteção Ambiental do país (EPA, na sigla em inglês) apresentasse alguma sinalização, o que ainda não ocorreu.

No Brasil, as exportações de milho deverão somar 2,89 milhões de toneladas em novembro, de acordo com a Anec. A estimativa representa uma queda de 41,4% em relação ao mesmo período de 2020, quando as vendas ao exterior somaram 4,94 milhões de toneladas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nunca perca nenhuma notícia importante. Assine a nossa newsletter.

NOSSOS PARCEIROS

Notícias Relacionadas

Notícias Relacionadas

Últimas Notícias

Revista AviSite

Últimas Notícias

Busca por palavra chave ou data

Selecione a Data

Busca por palavra chave ou data

POR DATA:
OvoSite
PecSite
SuiSite

Revista AviSite

CONFIRA OS DESTAQUES DA NOSSA ULTIMA EDIÇÃO

revista-ferraz

A Ferraz é uma empresa familiar 100% nacional e que iniciou suas atividades no ano de 1970. Em seguida, começaram a fabricar pequenas fábricas de rações farelada para granjas de aves de postura e também suínos. Atualmente, fornecem plantas completas tanto para produção de rações fareladas, extrusadas de 400 Kg a 16 toneladas por hora, peletizadas de 400 Kg a 30 toneladas por hora.

Revista-ricardo

Ricardo Santin, afirma: “Produção nacional de carne de frango pode alcançar entre 14,100 e 14,300 milhões de toneladas neste ano, elevação de 3,5% em relação a 2020. No recorte das exportações, a ampliação do volume embarcado é ainda mais evidente: até 10%. Consumo per capita será de 46 quilos de carne de frango”.

revista-qima

QIMA/WQS foi fundada em 1993, oferecendo soluções para a indústria de alimentos do campo à mesa por meio de certificações reconhecidas pela GFSI (BRCGS, GLOBALG.AP, SQF, IFS), segurança de alimentos, auditorias éticas, selos de qualidade, inspeções, treinamento e gestão da cadeia de fornecimento. Atualmente com sede em Charlotte, Carolina do Norte, com filiais no Brasil e México, fornecem serviços em todo o mundo.

revista-pluma

A Pluma Agroavícola sempre se destacou no mercado pela evolução e crescimento acima da média. Hoje, com 22 anos de fundação, a empresa atua em oito estados do Brasil, sendo Paraná (com sua sede em Cascavel), Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Pernambuco e Distrito Federal. Em 1999, quando a empresa foi fundada, eram apenas cinco funcionários; hoje, são mais de 2.300 colaboradores.

revista-cida

Duas datas muito importantes foram comemoradas nos meses de setembro e outubro ambas com forte relação com os segmentos de avicultura e suinocultura: O Dia Internacional da Conscientização sobre a Perda e o Desperdício de Alimentos (29/09) e o Dia Mundial da Alimentação (16/10) o qual faz alusão também a data de criação da Organização da Nações Unidas para alimentação e agricultura (FAO). Os setores avícola e suinícola conferem grande contribuição aos temas e trazem grandes benefícios a bem-estar população global e do planeta.

Revista-leandro

Sob a liderança da Ministra Tereza Cristina, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento tem trabalhado comprometido com a agenda de abertura, manutenção e ampliação de mercados para os produtos do agronegócio brasileiro. Como resultado abrimos desde janeiro de 2019 até o presente momento, 178 mercados para diferentes tipos de produtos.

revista-edicao-salmonelas

Alberto Back e Vânia Bernardes, do MercoLab Laboratórios LTDA, Cascavel PR publicam artigo na edição de dezembro da Revista do AviSite, em que afirmam que grande desafio atual é o controle das salmonelas paratíficas, que representam os outros quase 300 sorotipos que podem infectar as aves, além da Gallinarum e Pullorum. “
“Controle das salmonelas paratíficas exige conhecimento, ação integrada na cadeia, monitoramento, uso de produtos anti-salmonela (ácidos, probióticos, prebióticos, extratos vegetais…), uso de vacinas, cuidados de ambiência, manejo e biosseguridade”, afirmam.

Capturar-8

Quem se dedicou à tarefa de analisar os balanços das duas principais empresas do setor no segundo trimestre de 2021 deve ter notado que, embora fortes concorrentes entre si, ambas apresentaram pelo menos um argumento em comum para justificar os fracos resultados do período: o encarecimento do custo de produção naquele que, provavelmente, é o momento mais difícil e desafiante da economia e do consumidor brasileiro. Página 62.

Open chat
Cadastre-se para receber os Informativos